Magia do ‘velho’ não falha e parceria de Márcio André e Samir Trindade vence no Império da Tijuca

Por Vinicius Vasconcelos, André Coelho, Winnie Delmar e Magaiver Fernandes

it2018_-61O Império da Tijuca finalizou escolheu neste domingo seu samba-enredo para o Carnaval 2018. Foi após uma apresentação espetacular e com plena identificação do Morro da Formiga, que o samba da parceria de Márcio André, Elson Ramires, Nuia Oliveira, Paulo Lopita 77 e Samir Trindade se tornou a grande campeão da noite. Em entrevista ao CARNAVALESCO, o compositor Márcio André contou a emoção de vencer pela quarta vez na escola do Morro da Formiga.

– A emoção é grande porque o Império da Tijuca foi a primeira escola em que botei os pés mesmo, quando eu tinha 12 anos de idade, através de um caseiro que minha avó tinha, o irmão dele era o cavaquinista oficial da escola. O primeiro compositor que eu conheci foi o Marinho da Muda que era um grande compositor da época, eu tenho esse vínculo com o Império. Nascido e criado na Tijuca e na Ilha do Governador era casa de veraneio e passou a ser a residência do meu pai. E aí eu conheci a galera da União da Ilha, Aroldo Melodia e e me apaixonei pela União da Ilha, mas o Império tem sentimento de infância e eu o adoro, não tem jeito. Sou amigão do Tê, mesmo às vezes escolhendo samba errado aí (risos), fico invocado, mas… (risos). Eu tô no Império e no que eu puder ajudar com o talento que tenho pra compor e também o conhecimento que tenho de carnaval, vou ajudar – disse.

it2018_-59Ele ainda comentou a parceria com Samir Trindade, antigo concorrente em anos anteriores.

– Esse ano tive a oportunidade de fazer com o Samir, que é um grande compositor, maior revelação que temos em matéria de compositor. Já fiz samba com todos e, quando comecei o Didi, da União da Ilha, falou para mim ‘você vai ser um grande compositor, seu talento é acima da média’. E hoje eu, depois de ganhar mais de 130 sambas-enredo, eu posso dizer isso do Samir, que ele é um talento e graças a Deus que surgem talentos no mundo do samba como o Samir – declarou.

Samir Trindade ficou muito emocionado com a conquista.

– É indescritível a minha felicidade hoje. Particularmente, eu acho que existe algo místico entre eu e o Império da Tijuca. Se hoje o nome Samir Trindade é conhecido eu devo muito disso à escola. Alguns sambas que nem foram campeões ainda estão na boca do povo até hoje. Quando sentamos para fazer o samba senti que a mística da escola estava presente. O tema afro sempre me chamou muita atenção e o Márcio André me chamou para se unir à parceria dele. Antes éramos adversários, mas com muito respeito. Ganhei em “Negra pérola mulher” que subiu com a escola. Na sexta-feira tive um “choro” de não ter alcançado o objetivo principal, agora aqui é um choro de alegria. Samba é isso, ganhei onde tive que ganhar, e perdi onde tive que perder, mas sempre respeitando todo mundo – afirmou Samir.

Presidente promete escola forte em 2018

Em entrevista ao site CARNAVALESCO, o presidente Tê revelou que a agremiação já está com a produção adiantada para 2018.

it2018_-53– A gente fez um planejamento de gastar em média R$ 2 milhões. Estamos trabalhando, enxugando, fazendo o lixo virar luxo e realmente, graças a Deus, a gente já está bem encaminhado no barracão, já estamos entrando no 5º carro que é o abre alas. Está tudo dentro do cronograma e acho que entre novembro e final de dezembro o Império da Tijuca estará pronto para o carnaval. Nós temos 8 alas comerciais do total de 22. O restante é da comunidade – informou.

Como já é costume em todas as escolas foi uma noite de grande show no Morro da Formiga. A apresentação dos segmentos começou cedo. Rainha de bateria, passistas, casais e mestre-sala e porta-bandeira, baianas e velha guarda alegraram a quadra ao som do intérprete Daniel Silva, acompanhado da bateria Sinfonia Imperial. Diversos sambas que entraram para a história verde e branco, seja por ter ganho carnaval, ou não, foram cantados. Finalizando o show da escola, todos se despediram do samba que embalou a escola em 2017. Diversas personalidades do mundo samba estavam na quadra, entre elas, Selminha Sorriso, que foi destaque no último carnaval e também será no próximo. Renato Thor, Simone Drumond, Raphael Rodrigues, Nino do Milênio.

it2018_-17Em 2018, o Império da Tijuca terá um novo casal. A porta-bandeira Gleice Simpatia seguia na escola e agora terá a companhia do mestre-sala Jeferson Souza. Em entrevista ao site CARNAVALESCO, elogiou a parceira e os sambas concorrentes.

– Eu gostei muito de todos. O que ganhou é bom para escola, para a gente ir para a avenida – disse Jefferson.

Gleice comentou a responsabilidade que o casal carrega por defender 40 pontos durante o desfile.

– Sempre tem aquele friozinho na barriga, mas depois que passa o setor 1, vamos embora – afirmou a porta-bandeira, que aprovou a fantasia para 2018. – Já sabemos, mas não sei se pode falar. Gostamos muito. A fantasia está muito bacana, muito linda.

Dupla preparada para fazer o desfile

it2018_-10Depois de um “casamento” com o carnavalesco Júnior Pernambucano, o Império da Tijuca resolveu mexer em seu time de criação para o Carnaval 2018. Sandro Gomes, que já teve uma passagem de quatro anos pela escola, foi contrato juntamente com Jorge Caribé. Ambos são os idealizadores do enredo “Olubajé – Um Banquete Para o Rei”. Em entrevista ao site CARNAVALESCO, Jorge Caribé citou a emoção de voltar à Série A após um ano longe da Sapucaí.

– Eu estou muito feliz, fazer Império da Tijuca é muito prazeroso. Nós fomos muito felizes com o enredo e isso gerou grandes sambas, por isso foi muito difícil. Qualquer um poderia representar muito bem. Claro que tinha a minha preferência, somos seres humanos, é normal gostar mais de um. O que não quer dizer que não gosto dos outros. O presidente escolhendo o samba certo já é um grande passo para os planos da escola que é ser campeã do carnaval.

Carro de som com novo comandante

it2018_-9O intérprete Daniel Silva é o responsável pelo comando do carro de som. Ele contou ao CARNAVALESCO que está muito feliz com o posto no Império da Tijuca.

– Pra mim é uma felicidade, a gente já está nessa caminhada faz tempo, e a cada ano é um aprendizado. A comunidade do Império da Tijuca em abraçou e com todo o carinho e essa troca de energia maravilhosa, estou muito feliz de estar aqui.

Na bateria, mestre Jordan avaliou o trabalho em 2017 e comentou o que espera de 2018.

– A minha avaliação foi boa, existe aquele nervosismo, aquele frio na barriga que dá, mas a gente passou muito bem. Para o ano que que vem a gente promete passar melhor ainda, vamos vim com umas bossas de impacto, e algumas coisinhas que não posso falar.

Como foram as apresentações:

it2018_-4A primeira parceria a subir no palco foi justamente a campeã. O samba de Samir Trindade e parceiros teve canto forte na primeira passagem que era destinada apenas ao intérprete com pedal da bateria. A torcida invadiu o espaço destinado a ela muito animada, com bolas na mão e diversas bandeiras verdes. Nas três passagens que, por regulamento, devia ser apenas canto da quadra, o chão da escola fez sua parte cantando forte a plenos pulmões. Nos trechos “Pode ter fé a magia do velho não falha” e “Vem o morro da formiga, vem pra vencer” o canto era ainda mais forte.

A animação permaneceu durante todos os 30 minutos de apresentação, que foi muito bem conduzida pelo intérprete Marquinhos Art Samba. O mestre-sala da União da Ilha, Phelipe Lemos, fez parte da torcida e cantou o samba completo por diversas vezes.

it2018_-23Parceria de Claudinho DVD: A apresentação teve altos e baixos. Apesar da animação que o carro de som tentava transmitir a torcida pouco correspondia, deixando a desejar no canto. Nas três passagens destinada apenas aos torcedores, o refrão ganhava força, mas o restante do samba não.

Parceria de Gilmar L Silva: Os compositores da parceria não tem motivos para tristeza, apesar de terem perdido. O samba foi muito bem interpretado por Serginho do Porto, que contagiou a todo momento a numerosa torcida.

Com galhos de palha na mão em homenagem ao orixá, a apresentação merece destaque. O refrão principal era entoado de forma belíssima pelos presentes. A animação aumentou ainda mais nas passagens apenas do canto do público, e até a bateria ensaiou algumas bossas demonstrando seu interesse pelo samba. O presidente Tê, que assistiu às outras apresentações sentado no palco, se levantou especialmente nessa parceria para acompanhar com mais atenção.

it2018_-25Parceria de Gallo: A última parceria iniciou sua apresentação por volta das 23h50 tendo a missão de superar a anterior. Porém, não conseguiu. Com um palco não tão forte quanto os outros, os intérpretes tentavam contagiar o público que não correspondia. Os balões eram balançados, mas o canto pouco aparecia.

Com um discurso curto e sucinto, afirmando que está fazendo o melhor pela escola, afinal, o presidente Tê entregou o microfone para Daniel Silva que cantou o samba campeão gerando grande festa e comoção na quadra. Até mesmo os compositores que perderam foram até ao palco para parabenizar os vencedores.