Menos de uma semana na Renascer, Nêgo está fora da escola

 

Após ser apresentado durante o ensaio da comunidade, na última terça-feira (22), Nêgo não vai mais cantar junto com Rogerinho na Renascer de Jacarepaguá. O intérprete conversou com o site CARNAVALESCO e explicou o motivo de sua saída repentina da agremiação que estreia no grupo especial em 2012.

– Não foi uma demissão. Eu, na minha cabeça, enxerguei que não tinha tempo hábil de recuperação de voz. Eu vou cantar em São Paulo no sábado de carnaval e a escola será a quinta a desfilar (Nêgo é intérprete da Unidos de Vila Maria). E não sei o que pode acontecer. Fiquei muito feliz pelo convite. É uma ótima escola, uma comunidade incrível, que me recebeu muito bem, e o presidente é excelente. As pessoas lá dentro são muito boas. Eu ficaria chateado se não fizesse meu trabalho direito e magoaria uma agremiação tão fantástica. Quando estou em uma escola, gosto de estar por inteiro e não à meia bomba. E, devido à Vila Maria, eu não ia poder ensaiar como deveria aqui no Rio. Fico triste por não estar trabalhando aqui, onde comecei profissionalmente. Porém, estou abrindo outro campo em São Paulo.

O intérprete também falou sobre seu começo no carnaval paulista e sobre o futuro para 2013:

– Depois do carnaval vou pensar no que vai acontecer. Primeiro, quero fazer um grande trabalho, e segundo, não sei o que vai acontecer aqui no Rio de Janeiro. O Rio é meu berço. São Paulo é meu primeiro trabalho depois de 29 anos. Nunca cantei no Anhembi, será a primeira vez. Não sei como funcionam os ensaios e nem sei andar em São Paulo (risos). Vou com a certeza de fazer um grande trabalho e um grande desfile. A pessoa que vive da arte tem que mostrar seu talento. E onde eu trabalhar em 2013 quero pegar do começo e me dedicar por inteiro. Ter tempo para trabalhar. Tinha esperança de a Vila Maria desfilar na sexta e, com isso, eu poderia cantar no Rio também, mas isso não ocorreu.

O site CARNAVALESCO conversou com o presidente da agremiação , Antônio Carlos Salomão, que explicou o motivo do desligamento do intérprete da escola em menos de uma semana:

– Umas três semanas atrás tivemos uma reunião entre mim, o Cláudio Russo (responsável pelo carro de som), o presidente da ala dos compositores, Flávio Bororó, e o nosso intérprete, Rogerinho, e durante essa reunião resolvemos convidar outro intérprete para apoiá-lo. No final, chegamos ao nome do Nêgo. Depois, nos reunimos e fechamos o acordo. No último sábado (25), fui informado que o presidente da Vila Maria – escola que o intérprete defende em São Paulo – não sabia. Não queria ver a Renascer envolvida em problemas e resolvemos que o  Rogerinho vai ficar sozinho. O pessoal do carro de som vai segurar o intérprete. Fiquei muito chateado com toda essa situação; já tinha acertado todas as condições que ele pediu para cantar na escola, como a questão de hospedagem devido ao desfile e a situação dele cantar em São Paulo e depois no Rio.
 

Comente: