Mestre Marcão revela que fará menos bossas em 2012 e reafirma apoio para Regina Celi

Mestre Marcão assumiu a bateria do Salgueiro no pré-Carnaval de 2005 e, desde então, sem perder as características tradicionais, vem implementando uma nova filosofia rítmica na ala. Apesar do reconhecimento dos próprios ritmistas salgueirenses, das co-irmãs e da mídia especializada, Marcão não vem conseguindo emplacar todas as notas dez ao longo desses anos. Este cenário, de acordo com o próprio Marcão, pode influenciar numa bateria do Salgueiro um pouco diferente no Carnaval 2012.

Em tom desabafo, o mestre que é cria do morro do Salgueiro e discípulo de mestre Louro disse que deverá valorizar mais a manutenção do ritmo no próximo Carnaval:

– Hoje ouço muito falar sobre ousadia. Eu vim com sete bossas, quatro delas com coreografia. No segundo jurado eu fiz três bossas e ele me bota na justificativa que faltou criatividade. O que você quer que eu faça? Às vezes é melhor até passar reto. Manda quem pode obedece quem tem juízo. Em 2012, vamos pensar mais em ritmo do que em coreografias e bossas – garante Marcão, citando o módulo do julgador Claudio Luiz Matheus.

Apesar de mostrar humildade para receber as críticas dos julgadores, Marcão revela-se um pouco contrariado com a justificativa dada pelo julgador do módulo 1, Sergio Naidin, que escreveu não ter ouvido as cuícas da Furiosa:

– É um trabalho de meses. Se eles viram algo quem sou eu para questionar. Acho que temos que acatar essas notas e trabalhar para o ano que vem fazer melhor ainda, não cair no mesmo erro. São coisas que a gente vai analisando e se pergunta como que aconteceu isso aqui. O primeiro jurado me elogiou bastante depois disse que não ouviu cuíca. A culpa não é minha. Existia um microfone na cuíca, só não sei se estava ligado. Coisas assim nos deixa muito magoado, mas bola pra frente – revela Marcão, que levou para Sapucaí uma bateria bem cadenciada, 146 batidas por minuto.

Perguntado se o ano político na escola possa ter alguma responsabilidade nos acontecimentos ocorridos no desfile do Salgueiro, mestre Marcão garante que não, além de reafirmar seu total apoio para Regina Celi:

– Não acho que isso tenha acontecido não. A Regina vem dando provas que é uma excelente pessoa para o Salgueiro. Mesmo sem dinheiro ela botou o Carnaval na rua. O Salgueiro não foi só mais uma escola a passar na Avenida. Infelizmente tivemos aqueles problemas. Ainda assim ficamos na frente de outras escolas. Ela pode saber que a bateria toda está com ela, aliás, não só a bateria, mas todos os segmentos da escola.