Milton Cunha revive os grandes bailes de carnaval com Sabrina Sato de Isabelita dos Patins

glam_gay2018_3

Seguindo o lema do enredo da Mangueira… Com dinheiro ou sem dinheiro, Milton Cunha faz o Glam Gay acontecer. A quarta edição do baile de fantasia foi realizada neste domingo, na quadra da São Clemente, no Centro do Rio. A festa não tem patrocinador, por isso, o idealizador do evento encara como uma vitória lotar uma quadra de escola de samba, em pleno domingo de verão, para um concurso de fantasias.

glam_gay2018_7

glam_gay2018_2– Sou vitorioso porque faço isso sozinho. Eu passo o chapéu e peço mil reais a um, três mil a outro, cinco mil pra outro… Eu vivo da bondade de quem acredita no baile – confessa Milton Cunha.

O baile gay contou com a presença de ícones do carnaval e coroou Elymar Santos como rei e Sabrina Sato como rainha. A japa roubou a cena ao chegar caracterizada de Isabelita dos Patins. No total, foram gastas cinco horas para que ela conseguisse ficar parecida com a drag.

– Quando o Milton me convidou, me senti muito honrada. Na hora disse: ‘Não tenho agenda, mas quero e a gente vai dar um jeito’ A Isabelita representa muito essa força. Todos os gays que sempre sofreram muito preconceito, mas que mesmo assim não perderam o humor, a graça. Pessoas como ela encorajam outras a serem o que elas realmente são. Poder homenageá-la no carnaval é maravilhoso – frisou a rainha de bateria da Vila Isabel.

Ao ser coroado, o rei do baile fez questão de parabenizar Milton Cunha pelo concurso, que tenta resgatar o glamour dos antigos bailes da Glória e do Copacabana Palace.

glam_gay2018_4– Estou honrado em ser coroado rei desse baile. É muito importante o Rio de Janeiro retomar esses desfiles que já foram tão importantes pra nossa cidade. Lembro que o país inteiro parava pra assistir à esses desfiles. Era uma era de glamour. Parabéns Milton, parabéns a todos que estão aqui. Estar aqui ao lado de vocês hoje é como se voltasse ao passado e estivesse com Evandro de Castro Lima, Clóvis Bornay… – disse Elymar, que após a premiação subiu ao palco para encerrar a noite com muita música.

Crise não é desculpa

Os tempos difíceis que passam o Rio de Janeiro e o carnaval parecem não ter afetado tanto assim aos apaixonados pelos tradicionais bailes de carnaval. Mesmo com a crise, os candidatos no quesito luxo não economizaram para fazer bonito no evento e, arrancaram aplausos do público e do júri.

– Destaque de luxo é uma arte que não pode morrer. Aplaudam! Aplaudam! Esses senhores virem aqui com essas fantasias belíssimas, luxuosíssimas? Vocês estão de parabéns – disse Milton Cunha ao fim da apresentação dos candidatos.

glam_gay2018_6

glam_gay2018_5A quarta edição do Glam Gay premiou as melhores fantasias nos quesitos luxo e originalidade, além de escolher a Boneca Barracão. Os grandes vencedores foram Gil Lopes, na categoria originalidade masculino. João Helder, na categoria luxo, com a fantasia Osíris e, Regina Marins, única inscrita na categoria luxo feminino. Mikaella Sadalla, representante da Beija-Flor, foi eleita a Boneca Barracão. Aos prantas, ela pouco conseguiu falar: ‘Estou muito feliz, honrada! Obrigada’.

Como nos anos anteriores, o júri foi composto por ícones do carnaval, entre eles, Elymar Santos, coroado rei do Glam Gay, Monique Elias, musa da Imperatriz, que se tornou madrinha do baile, além de Leandro Vieira, carnavalesco da Mangueira, Severo Luzardo, carnavalesco da Ilha, Alexandre Louzada, carnavalesco da Mocidade, Célia Domingues, da Amebras, Lucinha Nobre, porta-bandeira da Portela, entre outras grandes estrelas. Além do show de Elymar Santos, o evento contou com a apresentação da Vila Isabel e da São Clemente.