Mocidade Alegre emociona Anhembi e faz ensaio técnico próximo da perfeição

logo-300-250bA escola mais vencedora do carnaval de São Paulo neste século está mordida depois de ter ficado de fora dos desfiles das campeãs em 2017. E, se depender do ensaio técnico realizado pela Morada do Samba esta noite no Anhembi, o objetivo deve ser concluído com todo o êxito. Embalada pelo samba, o canto de sua comunidade e a bateria de mestre Sombra a escola beirou a perfeição em todos os quesitos e deixou na pista as credenciais de quem enfileirou conquistas em São Paulo.

Samba-Enredo

Muito criticado no período de pré-carnaval, o samba-enredo da Morada teve excelente rendimento no ensaio técnico desta noite no Anhembi. Bem conduzido pela dupla Tiganá e Ito Melodia, a obra funcionou perfeitamente para o canto da escola e o andamento da bateria Ritmo Puro. Há de se destacar o trecho da composição que cita a Mangueira, com uma bossa da bateria, como o mais impactante que tem tudo para impulsionar um grande desfile.

Harmonia

Quando o samba funciona a harmonia naturalmente acompanha. E foi isso que aconteceu no ensaio técnico da Mocidade Alegre. As alas cantaram todos os trechos da obra do início ao fim, mesmo aquelas que estavam um pouco mais afastadas do carro de som. Graças à sonorização plena da avenida, que pela primeira vez nessa temporada estava funcionando, o canto pode ser muito melhor trabalhado.

Evolução

mocidadealegre_ensaiotecnico_27012017dsc07592-copyA Mocidade se aproximou da perfeição técnica neste ensaio. Alas compactas, escola coesa e componentes brincando carnaval. Andamento de avenida sem espasmos de lentidão ou correria. Tão perfeito que no final a bateria se deu ao luxo de, após sair da pista, retornar e fazer mais uma apresentação para o público dos últimos setores. Uma verdadeira aula de como se deve fazer no quesito evolução.

– Estamos bem contentes com o nosso ensaio, acho que foi o nosso melhor dessa temporada no Anhembi. O foco tem que ser esse para o desfile – analisou o diretor de harmonia Daniel Sena.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira e Comissão de Frente

Emerson Ramires e Karina Zamparolli cumpriram bem o papel durante apresentação no Anhembi. Desafiados pelo vento passaram sem maiores percalços e saudaram o público corretamente com pavilhão da Morada do Samba. Eles se apresentaram fantasiados. A comissão de frente escondeu o que está preparando para o desfile ao apenas passar pela pista fazendo marcação.

Bateria

Um verdadeiro show da Ritmo Puro de mestre Sombra. A mesma bossa que foi para o CD do Grupo Especial e vem sendo executada nos ensaios levou as arquibancadas do Anhembi ao delírio. Quando o samba fala da relação de Alcione com a Mangueira os ritmistas repetem a maneira de tocar da Tem que respeitar meu tamborim. Com os surdos sem resposta, como é característica da escola carioca. Os ritmistas também fazem uma coreografia em que curvam o corpo para o lado esquerdo.

– Gostei muito de nosso ensaio. Falta muito pouco para o desfile e a pegada tem que ser essa para que obtenhamos as notas máximas na terça-feira de carnaval – destacou o mestre Sombra.

Outros Destaques

A ala de baianas emocionou quem acompanhou o ensaio técnico ao levar na saia do figurino o nome de mangueirenses ilustres de ontem, hoje e sempre. Um sinal de respeito com a escola de coração da homenageada e uma das maiores entidades culturais do Brasil. Um grupo veio fazendo a “lavagem” da avenida antes da escola passar, incluindo o segundo recuo da bateria. A presidente Solange Bichara mais uma vez chamou a escola aos brios. No esquenta a escola reviveu o apoteótico desfile de 2014, com todos ajoelhados no refrão daquele samba.