Moises da Silva Fernandes � o novo presidente da Associa��o das Escolas de Samba

 

Na noite de terça-feira (18), foi realizada as eleições para presidente da AESCRJ, que a partir do próximo dia 24 será presidida por Moises da Silva Fernandes – presidente da Unidos do Anil, que  derrotou outros três candidatos, incluindo o atual presidente, Zezinho Orelha, que assumiu o lugar de Walter Teixeira da Silva, que pediu para se isentar do cargo, há dois anos.  O cargo de vice-presidente será ocupado por Sandro da Silva Avelar, atual presidente do Império da Praça Seca. A chapa verde que foi a vencedora teve 19 votos, a chapa vermelha, de Hélio José, obteve 11 votos, a chapa Azul, de Zezinho Orelha, cinco votos e a chapa branca de Carlinhos Melodia, apenas dois votos. Vale destacar que as 37 agremiações que formam o grupo votaram, seja através de seus presidentes ou por representantes legais.

 

Depois de muitos questionamentos sobre a forma que vinha sendo administrada a Associação, 15 dias atrás, incluindo uma visita do presidente da LIESA, Jorge Castanheira, os presidentes votaram e como obtiveram um maior número de votos, uma nova eleição foi marcada, o que não ocorria na casa, há mais de 10 anos.  Com início marcado para as 20h, nada atraso a votação. Cada presidente ou representante de escola foi chamado a mesa, assinava a ata e em seguida, pegava o papel e caminhava e direção à cabine para realizar seu voto e na sequência, colocava na urna. Os primeiros foram às escolas do grupo C, depois o D e finalizando o E. Por volta das 21h, a secretária Cristiane Lyon, deu início a contagem dos votos. Em 10 minutos tudo ficou resolvido, sem que houvesse qualquer insulto ou princípio de confusão.

 

Ao final da eleição, o local virou uma festa da chapa campeã. Moises conversou com o CARNAVALESCO e fez questão de agradecer a todos que o apoiaram:

 

– Neste primeiro momento, quero agradecer aos presidentes que acreditaram que era possível. Esse ato democrático não acontecia há muito tempo, onde todos pudessem colocar sua chapa e tentar um pleito que é direito de todo cidadão, e nós conseguimos quebrar esse paradigma. Não temos mágoas nenhuma das administrações passadas. Hoje é um novo começo, o que passou, passou. A Associação começa agora e tenho certeza que essa nova diretoria junto com todos os presidentes, vamos fazer um belo trabalho. A casa é do samba e todo presidente precisa estar atuante, senão nãotem diretoria resolver os problemas.

 

Na sequência, o novo presidente da AESCRJ, falou sobre o que já vem sendo planejado para o próximo desfile na Intendente Magalhães:

 

– Visando o próximo carnaval, nós já temos alguns projetos visando o regulamento. Existem algumas penalidades que foram criadas justamente para penalizar, não é uma coisa de progresso. Por exemplo: obrigatoriedade de crianças. Todos nós sabemos que a criança é a essência de tudo, mas uma escola que desfila 5h da manhã fica complicado. Isso nós veremos urgentemente, até porque causa transtorno. Essas crianças serão o futuro das escolas. Essa regra vai valer para todos os grupos. Vamos sentar e conversar. Queremos manter a parceria da RioTur, AESM-RIO, Federação de blocos, o Governo  do Estado e os demais segmentos do samba, para melhorarmos ainda mais o espetáculo.

 

Moises também espera que a Passarela Popular do Samba, que será construída em Deodoro, fique pronta para 2014. Sempre muito falado, a questão do rebaixamento de escola de samba para bloco carnavalesco, Moises relatou que o regulamento poderá ser mudado, e, apenas uma escola do grupo ser rebaixada:

 

– A princípio o que já estudamos é o rebaixamento de apenas uma escola no grupo E, até para reparar os danos causados para nossa cultura com esses regulamentos narcisistas que exterminaram e acabavam com o samba. O samba é para nascer e todo dia tem que nascer uma escola de samba e não morrer.

 

Zezinho Orelha que vinha presidindo a Associação e foi derrotado na eleição, falou sobre a derrota e garantiu que sai da presidência sabendo que fez o melhor possível:

 

– Saio junto com a minha diretoria de cabeça erguida. Nós fizemos dois anos um carnaval sem constatação. Fomos os únicos que gravamos cd’s oficiais, fiz camisas, as escolas se conheceram. Criamos uma estrutura dentro do samba. Nunca iria negociar nada para ajudar uma ou outra escola. O carnaval tem que ser ali dentro na Avenida. Eles queriam forçar uma negociação, mas comigo nunca iria acontecer.

 

Orelha complementou dizendo que agora é voltar forças para o Parque Curicica e deixou as portas abertas em caso de alguma ajuda na Associação:

 

– Vou continuar no carnaval. Estou na Curicica, agora no Grupo Ouro. Vamos brigar fazer um bom trabalho.  Já para a Associação, o que eles precisarem de mim, eu ajudo. Não tem problema, eu sou o samba e isso que importa.

 

A posse para a nova presidência vai ocorrer no dia 24 de junho, mas ainda não tem horário nem local definido. Já o sorteio da ordem de desfile, poderá ocorrer no Sambola, na Abolição, porém a divulgação só será feita após a posse do novo presidente e de toda a diretoria que será composta por presidentes de outras agremiações dos grupos C,D e E.

 

Veja os compromissos do novo presidente:

1. Garantir total transparência administrativa da AESCRJ;
2. Garantir total transparência financeira da AESCRJ;
3. Apresentar a contabilidade aberta da gestão da AESCRJ dos últimos dois anos, com disponibilidade de todos os documentos;
4. Respeitar os contratos e convênios assinados entre a AESCRJ e a Empresa Municipal de Turismo (RioTur);
5. Respeitar os contratos e convênios assinados entre AESCRJ a e Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro;
6. Respeitar os contratos e convênios assinados entre a AESCRJ parceiros privados;
7. Estabelecer parcerias, para transparência de gestão, com as associações a fins: Liga Independente das escolas de Samba (Liesa), Liga Independente das Escolas do Rio de Janeiro (Lierj), Associação das escolas de Samba Mirins (AESM-Rio), Federação de Blocos Carnavalescos do Estado do Rio de Janeiro (FBCERJ)
8. Estabelecer parcerias, para modernização e profissionalização da gestão da AESCRJ, com universidades e centros de ensino profissionalizante;
9. Colocar em prática o Planejamento Estratégico da AESCRJ, publicado no livro CADEIA PRODUTIVA DA ECONOMIA DO CARNAVAL.

 

 

Comente: