Moisés Santiago deixa disputa do Salgueiro e vai para Grande Rio

Vencedor de nada menos que dez disputas de sambas, das quais seis foram no Rio de Janeiro (Tradição, Salgueiro e Unidos do Jacarezinho) e quatro em São Paulo (Barroca da Zona Sul e Imperador do Ipiranga). Carreira bem trabalhada no samba e no pagode. Trabalhos gravados pelo Fundo de Quintal. Lançou CD recentemente com participações especiais de Dudu Nobre, Arlindo Cruz, Pique Novo e do próprio Fundo de Quintal. Começou em blocos, passou pela bateria da Imperatriz. Essa é a trajetória de Moisés Santiago.
 
Para quem pensa que tudo na vida desse compositor foram flores, engana-se. Em 1992, ele sofreu quando perdeu a voz e os médicos disseram que nunca mais iria voltar a falar, e ficou internado no CTI, há seis anos. Hoje resolveu entrar na disputa da Grande Rio para o carnaval 2012. Será que devido a esse espírito de superação?
 
Moisés ficou muito conhecido na Acadêmicos do Salgueiro, onde disputou por sete vezes as eliminatórias de sambas. Chegou a seis finais, perdeu três e ganhou em outras três oportunidades (2005 e 2006 e um título na Avenida com o enredo sobre o Tambor em 2009). Depois da final do último ano, decidiu que não disputaria mais sambas na Academia. Trocou de ares e foi para a Baixada, mais precisamente na Tricolor de Caxias. O compositor conversou com o CARNAVALESCO e revelou essa decisão de sair do Salgueiro e, quem sabe um dia, voltar para disputa na agremiação do Andaraí:
 
– Eu não gostaria de falar muito sobre isso. Foi uma decisão que tomei exatamente no dia da final de samba do Salgueiro para 2011. Chega um momento da sua vida que você precisa de carinho e de atenção e isso teve um pouco de peso, mas vida que segue. A escola foi muito importante na elevação do meu nome, tenho o maior orgulho, tenho grandes amizades que estão por lá, que são pessoas que tenho muito carinho. Essa opção que fiz não tem nada haver com perder ou ganhar. Hoje, na verdade, tenho grandes amigos, minha tia é da Velha Guarda e o maior deles seria o Calça Larga. Vou visitar a quadra devido a esses amigos. Agora, a nível de compor, posso te garantir hoje que estou focado na Grande Rio. Posso ser útil aqui também como sambista e compositor – afirmou.
 
Moisés Santiago também fez questão de citar amigos na hora de escolher uma escola para a disputa de sambas e falou sobre a nova agremiação:
 
– Primeiro, por coincidência, eu sou filho da Baixada; sou de Nova Iguaçu. A minha amizade com o Mariano Araújo – que é parceiro do Márcio das Camisas – é que já tivemos um grupo de samba juntos. O Mariano sempre foi muito ligado a minha vida musicalmente, ele é arranjador do meu disco e até nos meus trabalhos do Salgueiro eu me calçava nele, por ser um grande músico. Então, quando ele ficou sabendo que eu tinha decidido me afastar do Salgueiro, ele começou a me cativar e, na verdade, eu definitivamente coloquei meu nome no samba hoje (na entrega dos sambas na escola de Caxias, na noite de segunda-feira, dia 01 de agosto). E aqui na Grande Rio, que também é uma escola muito séria, estive na final do último ano e, por essas amizades em comum do mundo do samba, claro que não conhecemos ainda todo o corpo da escola pessoalmente como eles não conhecem a gente, é uma escola que também faz carnaval brilhante. E eu aceitei esse desafio de mais uma superação na minha vida. E a escolha também pesou no sentimento do próprio enredo e a escola ser também de ponta. Venho com dignidade fazer parte dessa ala de compositores brilhantes para tentar me superar mais uma vez – afirmou.