Na Portela, passista possui samba no pé e sucesso também na vida profissional

Com uma das alas de passistas mais consagradas da história do carnaval, a Portela conta com 80 integrantes, comandados com muita disciplina, pelos renomados Valci Pelé e Nilce Fran. Exigentes, eles coordenam o grupo de dançarinos, que conta com 28 homens e 52 mulheres (sendo 16 crianças). A equipe do CARNAVALESCO passou um dia ao lado dos passistas da azul e branco e constatou que o samba no pé é apenas um dos quesitos para pertencer à ala.

Há um lugar comum no carnaval que associa os passistas, principalmente as mulheres, à questão da sensualidade exacerbada. No período de grandes coberturas carnavalescas, a exploração da beleza e do corpo da dançarina acaba tirando o foco da real importância dessas pessoas no mundo do samba: a manutenção da tradição do samba no pé.

Por isso, na ala de passistas da Portela, todos os integrantes mantém uma vida profissional ativa e os mais jovens cursam faculdade ou cursos profissionalizantes. O coordenador Valci Pelé conta que não é fácil integrar a ala mais badalada do carnaval. – Nós temos algumas exigências que suplantam o samba no pé e a ginga. O passista tem que ter postura, elegância, para representar essa escola, que tem uma trajetória calcada na fidalguia – explica o ex-passista.

Valci Pelé é um dos passistas mais premiados do carnaval e iniciou sua trajetória pelas mãos de Nega Pelé, de quem ele herdou o sobrenome artístico. Ao lado de Nilce Fran, Valci coordena a ala da Portela. – Essa configuração de nossa ala existe há 10 anos. É bem difícil haver mudanças no elenco atual, mas nós mantemos uma espécie de "banco de reservas" para compor, caso algum passista nos deixe – conta Valci.

Ainda de acordo com o coordenador durante o ano todo a ala passa por atividades. – Depois do carnaval de San Luis, na Argentina, damos um mês de férias. Fora isso realizamos workshops, fazemos show no Brasil e exterior e mantemos uma rotina de ensaios. Temos integral apoio da direção da Portela, que nos fornece roupas e bolsas exclusivas para as meninas levarem as fantasias – explica Valci.

Os passistas portelenses têm sua vida profissional fora das atividades com a escola e conciliam a correria do dia a dia com os ensaios e apresentações. Esse é o caso, por exemplo, de Flávio Portella, de 28 anos, que possui uma inusitada carreira profissional. – Sou mecânico de aeronaves, tenho formação técnica e trabalho especificamente na manutenção de helicópteros. Dá pra conciliar com a ala, pois trabalho em horário comercial – afirmou Portella.

Entre um passo e outro com a ala de passistas da Portela, o empresário e arquiteto Eduardo Aderne, de 36 anos, administra a própria loja de móveis. – Atuo com encomendas de clientes e desenho os produtos de acordo com o gosto deles. Eu sempre gostei de samba, é complicado conciliar com a ala, mas o Valci tem muita flexibilidade e entende nossa vida profissional – explicou Aderne.

Com um pesado ritmo de trabalho e ensaios, só mesmo o amor permite tanta dedicação à uma escola de samba, é o que pensa a fisioterapeuta de 33 anos, Jacqueline Inácio. – O carnaval envolve paixão acima de qualquer outra coisa. Sou coordenadora de esportes e atuo em diversas instituições. É uma correria, mas por amor à Portela a gente suporta – brincou.

A jovem Lais Barbosa tem apenas 21 anos, mas já encara rotina pesada, conciliando a Portela com a atuação na área de logística de uma grande empresa de cosméticos. – E ainda curso faculdade de administração. É uma rotina complicada, mas a gente nem sente – afirmou.

Com profissionais das mais variadas áreas do mercado de trabalho, a Portela tem advogados, empresários, mecânicos e até um atleta. Guilherme Neto, o "Camará", é personal trainer e fisiculturista. – Além de atuar em academias eu pratico a modalidade Bodybuilding do fisiculturismo. É a categoria mais clássica, que não é modalidade olímpica – afirmou.

O vice-presidente da Portela, Marcos Falcon, enalteceu o trabalho dos passistas e dos coordenadores Valci Pelé e Nilce Fran. – A Portela está muito satisfeita com o trabalho que eles realizam. Somos a ala mais conceituada do carnaval. Eu sou um ferrenho admirador desses fantásticos dançarinos. Nossa administração vai seguir dando apoio irrestrito a eles – disse Falcon ao CARNAVALESCO.