Nésio Nascimento aposta na reedição do samba da Portela para sucesso do desfile da Tradição

A Tradição fez na noite de quinta-feira o anúncio oficial do seu hino para 2013. Mais uma vez, a escola não realizou disputa de samba e diferente dos outros anos – quando o samba foi “encomendado” – desta vez, a escola vai reeditar o enredo da Portela de 1981, “Das maravilhas do mar, fez-se o esplendor de uma noite”, que será desenvolvido pelo carnavalesco Orlando Júnior. Durante a noite foram apresentados os novos integrantes do carro de som, o intérprete ex Arrastão de Cascadura, Marquinhos Silva, o casal de mestre-sala e porta-bandeira, Diego Machado e Natália Pereira, que formavam o segundo casal da Unidos de Vila Isabel. Também foi apresentado o diretor de harmonia, Leandro Germano, que trabalha na Portela e passou pela Caprichosos, além da apresentação do novo coreógrafo da comissão de frente, Breno de Souza.


* Clique e veja o vídeo da apresentação do samba da Tradição para o Carnaval 2013

O presidente da agremiação, Nésio Nascimento, falou ao CARNAVALESCO em como surgiu a ideia do enredo e também o motivo pelo qual prefere não fazer disputa de sambas:

– Foi uma ideia nossa depois da junção dos grupos A e B. Precisávamos de um enredo forte e esse da Portela de 1981 é maravilhoso, além de nos dar a oportunidade de realizar um excelente trabalho. A escola está empolgada e trouxemos pessoas novas, melhoramos e queremos mostrar nossa força. Já em relação ao samba, desta maneira que estamos trabalhando sem fazer eliminatória está melhor. Não adianta as disputas acabam trazendo brigas, e, por exemplo, com a reedição, podemos trabalhar o andamento da bateria, porque esse samba é fantástico e podemos trabalhar outros quesitos.

O presidente também afirmou que está atrás de patrocínio e que a junção dos grupos está ajudando nessa busca:

– Estamos atrás de patrocínio, mas já temos alguns amigos de São Paulo que estão nos ajudando. Hoje já tenho toda a parte elétrica, outros amigos estão me ajudando, mas isso só está acontecendo devido essa junção e a possibilidade de transmissão, o que não acontecia no grupo B. Nós ainda tivemos a felicidade de ser a terceira escola à desfilar. Isso é muito bom.

Sobre a tentativa de trazer de volta à comunidade para a agremiação, o diretor de harmonia confessa que a força do samba e o bom trabalho do carnavalesco Orlando Júnior vão ajudar nessa busca:

– Vamos abrir inscrições para quem quiser desfilar na escola. Estamos com os ensaios de bateria nas quartas, temos o nosso ensaio na quinta e quando virar o ano vamos ensaiar quinta e domingo. Temos um samba que vai alavancar nosso desfile, além disso, tenho certeza que o nosso carnavalesco irá fazer um belo trabalho plasticamente. Com certeza vamos ter um número muito bom de componentes e com ensaios cheios.

Pelo quarto ano, o mestre de bateria Leo contou que os trabalhos começaram no mês passado e que irá para Avenida com 200 ritmistas. Mas até o momento não ensaiou qualquer tipo de bossas para o desfile. Para ele o andamento do samba será o diferencial para a pontuação máxima:

– Nossa expectativa é a melhor possível. Já começamos os trabalhos há um mês. Como agora é um grupo só vou batalhar para chegar ao mesmo patamar que eles e conquistar os pontos que a escola precisa. Até o momento não preparei nada e vou colocar as batidas de terceiras igual da Portela. Vou tentar manter o andamento do samba como foi lá trás. Quero passar na Avenida com 143/144, vou tentar manter o andamento do início ao fim.

A Tradição vai levar para Avenida 2000 componentes divididas em 20 alas sendo que 70 ou 80% destinadas para comunidade. Serão quatro alegorias e de acordo com o diretor de carnaval da agremiação, Samuel Gasman, a escola ainda não definiu se levará tripé para o desfile. A escola do Campinho será a terceira escola a desfilar no sábado de carnaval. Depois do 5º lugar no último carnaval, o Condor quer voar mais alto em busca de um título para voltar ao Grupo Especial depois de oito anos.

Comente: