Não aterrorizou! Independente mostra padrão de Grupo Especial, mas evolução compromete estreia

independente_desfile2018_-22Tinha tudo para ser uma estreia de arrepiar. Mas o primeiro desfile da Independente Tricolor no Grupo Especial no carnaval paulistano acabou vitimado por uma fatalidade. O elemento cenográfico da comissão de frente emperrou em plena pista e não conseguiu passar pela avenida sem a ajuda de uma empilhadeira. A falha acabou comprometendo um desfile com alto padrão para uma escola que estreou na elite. Além da comissão de frente, o quesito evolução ficou seriamente comprometido, pois a escola apresentou um andamento de desfile bastante lento no início de sua apresentação.

Enredo

O enredo “Em cartaz: Luz, câmera e… Terror! Uma produção independente” apresentou a dicotomia entre o bem e o mal. Foi uma celebração ao gênero terror. Todo o desfile foi baseado em filmes, séries, espetáculos e clássicos de horror.

Comissão de Frente

independente_desfile2018_-72Na abertura, a comissão de frente veio inspirada no filme “Caça as Bruxas”. O elemento cenográfico representou uma cidade medieval baseada nos cenários cinematográficos. O grupo interpretou cenas que remetiam ao Tribunal da Santa Inquisição. Durante a apresentação, o grupo do coreógrafo Anderson Rodrigues fez a invasão do exército inquisidor, a prisão das bruxas e o grande ápice da cena, que foi a fogueira e queima da bruxa maligna pela santa igreja. A comissão baseou sua apresentação em um set de filmagem, com os integrantes representando cinegrafistas, roteirista, maquiadora e demais componentes de um filme.

O elemento alegórico da comissão de frente enfrentou problemas na passagem da escola pelo Anhembi. Logo que entrou na pista emperrou na primeira torre de jurados. A apresentação do grupo teve de ser realizada sem o tripé, o que deve acarretar em punições no quesito. A alegoria só cruzou o Anhembi com o auxílio de uma empilhadeira. O fato não desanimou a apresentação, inclusive com interação dos componentes e a empilhadeira que naturalmente não compunha o cenário da apresentação. A indumentária do grupo foi um dos destaques com uma caracterização impressionante.

independente_desfile2018_-9Alegorias e Adereços

A Independente trouxe o carro abre-alas homenageando o gênio macabro Zé do Caixão. A estátua do Oscar veio decapitada e segurando sua cabeça nas mãos. Os fãs da série “The Walking Dead” devem ter vibrado com o segundo carro alegórico chamado de “The Walking Dead na Avenida Paulista”. O MASP, símbolo das artes de São Paulo, foi o cenário para o terror dos zumbis. No baile dos vampiros, terceira alegoria da Independente, o castelo gótico foi o palco da disputa entre vampiros e lobisomens. O quatro carro representou um navio fantasia, repleto de caveiras. E a última alegoria representou o filme “Pague para entrar e reze para sair”.

O conjunto alegórico impressionou pela riqueza de detalhes. No abre-alas, além da figura de Zé do Caixão, muita tinta vermelha para simular sangue, dando um efeito de realismo. Os carros passaram muito bem acabados.

Bateria

A bateria da Independente, comandada por mestre Klemen, veio representando o “Exército Umbrella”, inspirada no jogo de vídeo game Resident Evil. O filme “Van Helsing – o Caçador de Monstros” foi a inspiração da terceira alegoria. Um verdadeiro baile dos vampiros no Anhembi. Sheila Mello reinou à frente dos ritmistas.

A bateria levantou o Anhembi com uma paradona durante uma passada inteira da resposta do refrão do meio.

independente_desfile2018_-2Fantasias

O conjunto de fantasias da Independente homenageou personagens e filmes inesquecíveis. As crianças estavam fantasiadas de “Chucky – o Brinquedo Assassino”. As baianas representaram “A Noiva do Drácula de Bram Stoker”. Detalhe importante as passistas vestidas de “Rainha dos Condenados”. A abertura causou impacto com a ala representando o filme “A volta dos mortos vivos”. Muitoz zumbis passearam pela passarela do Anhembi.

A escola realmente pisou no Anhembi disposta a demonstrar sua intenção de não voltar ao acesso. A prova disso foi o conjunto de fantasias dignas de uma agremiação do Grupo Especial. Roupas com volume, bastante leitura e muitos materiais, causando um belo efeito na avenida. Uma ala coreografada posicionada atrás do primeiro carro levantou as arquibancadas pelo realismo de seu figurino e a atuação de seus integrantes.

independente_desfile2018_-78Mestre-Sala e Porta-Bandeira

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Cley e Lenita, desfilou com a fantasia “A Igreja”. O figurino foi inspirado no filme “Caça as Bruxas”.

A fantasia belíssima tinha muitas penas de faisão que deram um efeito interessante quando eles bailavam. Além disso o tom em dourado das fantasias de ambos conferiu bastante luxo à roupa.

Samba, Evolução e Harmonia

De fácil assimilação pelo público a obra da Independente teve um rendimento inicial muito interessante no Anhembi. O famoso setor monumental veio junto com os cantores. O local estava lotado por torcedores do São Paulo, que vieram apoiar a apresentação.

O problema enfrentado pelo elemento cenográfico da comissão de frente refletiu na evolução da Independente na avenida. A tricolor demorou mais de 20 minutos para atingir o meio da pista. Os problemas não afetaram a harmonia da Independente. As alas passaram cantando o samba, não apenas nos refrões. A condução da dupla de cantores foi o tempo todo bastante segura.

Um comentário em “Não aterrorizou! Independente mostra padrão de Grupo Especial, mas evolução compromete estreia

Os comentários estão desativados.