No dia do seu aniversário, Mangueira vive sábado de protesto

Conforme o site CARNAVALESCO já havia informado nesta sexta-feira, a eleição presidencial da Estação Primeira de Mangueira foi suspensa após liminar conseguida pela chapa do candidato Percival Pires na 36ª Vara Cível do Rio de Janeiro. De acordo com o documento, qualquer decisão referente ao pleito mangueirense será tomada pela justiça, que nós próximos sete dias úteis ouvirá os envolvidos na confusa eleição e dará o veredicto sobre as chapas liberadas para concorrer.  A confusão começou na última terça-feira, quando a comissão eleitoral impugnou, alegando irregularidades nas inscrições, as candidaturas das chapas encabeçadas por Raymundo Castro e Percival Pires. Desta forma, Ivo Meirelles, como único apto a participar do pleito, seria aclamado para cumprir mandato de três anos na presidência da Verde e Rosa.
 

* Veja aqui o vídeo do protesto na eleição da Mangueira

Por volta de 8h, a reportagem do site CARNAVALESCO chegou ao Palácio do Samba. A quadra estava aberta e uma missa em comemoração aos 84 anos da Mangueira, completados neste sábado, estava sendo realizado. O público foi pequeno, cerca de 40 pessoas assistiram à missa. Entre elas o diretor de carnaval da escola, Jeferson Carlos, que mostrou tranquilidade ao comentar a confusão.

– Estamos muito tranquilos. Não tomaremos nenhuma medida judicial. Esperaremos a justiça nos chamar e vamos levar tudo para que o juiz possa analisar e tomar a sua decisão. Pela primeira vez o estatuto foi cumprido integralmente numa eleição na Mangueira. Esse é o motivo para tanta reclamação. Na época em que eles estavam comandando a escola, isso não era feito – disse ele, garantindo que fecharia as portas da quadra assim que a missa acabasse.

Do lado de fora, integrantes da chapa ‘’Levanta Mangueira’’, encabeçada por Raymundo Castro, já protestavam e prometiam entrar na quadra para que a liminar conseguida por eles fosse cumprida. Explica-se: o grupo havia conseguido, na tarde de sexta, uma liminar garantindo a realização das eleições com todas as três chapas inscritas e a liberação do voto para todos os sócios, inadimplentes ou não. A liminar de suspensão do pleito, porém, conseguida pela chapa ‘’Raízes da Mangueira’’ no início da noite, acabou por invalidar o teor da anterior. Entre os manifestantes estava o advogado Marcos Oliveira, acusado por Ivo Meirelles de ter invadido a quadra da escola com traficantes armados no início do mês.

Assim que acabou a missa, as portas da quadra foram fechadas, o que gerou certa revolta entre os manifestantes.. O policiamento também foi reforçado. Cinco carros da Polícia e cerca de 20 policiais se posicionaram na frente da quadra da Verde e Rosa para evitar qualquer transtorno. Em nenhum momento foi necessário que os policiais intervissem no protesto, já que ele ocorreu de forma pacífica e não atrapalhou o trânsito da Rua Visconde de Niterói.

O candidato Percival Pires apareceu depois das 10h e lamentou que o pleito presidencial na Mangueira tivesse chegado a esse ponto. Ele citou o aniversário de 84 anos da Mangueira como o mais triste da história da escola.

– Estou muito triste por ver isso acontecer aqui hoje. Infelizmente foi necessário que tomássemos essa medida para que a justiça fosse feita. Nunca vi um aniversário da Mangueira desse jeito. Sempre foi um dia de festa, mas hoje estamos protestando pelo bem da escola.

Ao seu lado estava Bira Maximíno, filho do ex-presidente da Mangueira, Ubirajara Maximíno. Ele alega ter sido impedido de lançar-se candidato a presidência da Verde e Rosa por Ivo Meirelles.

– Esse cara está colocando a vaidade acima dos interesses da escola. Até o símbolo da Mangueira no desfile desse ano foi adulterado. A escola sempre vem com o surdão no abre-alas, esse ano escreveu Surdo Um na alegoria, que é uma marca criada por ele. Não dá mais para ele continuar. Fui impedido ilegalmente de concorrer como presidente. Frequento a Mangueira desde criança, nasci aqui no morro, e nunca vi um aniversário como esse na escola. É muito triste – completou ele, inconformado com a situação.

Durante o protesto, parabéns para a escola foi cantado e um livro de ata assinado por todos os sócios-votantes presentes. Eles mostravam a carteirinha de sócio da escola e gritavam a todo o momento ‘’Fora, Ivo!’’. Faixas com dizeres apontando desvio de verba dos caixas da Mangueira também foram usadas pelos manifestantes. A advogada da chapa de Raymundo Castro, Dione Neves, afirmou que entrará com uma petição para registro do livro de ata confeccionado neste sábado.
 

Comente: