A noite tece o véu para o bicampeonato de Claudio Russo na Unidos de Padre Miguel

Por Daniela Lima Safadi, Geissa Evaristo e Allan Duffes

upm_final2018_festa_06A Unidos de Padre Miguel desponta com um samba-enredo que possui potencial para ser um dos melhores do Carnaval 2018. Na manhã deste sábado, pouco depois das 5h, a escola anunciou que o compositor Claudio Russo conquistou o bicampeonato na disputa no Boi Vermelho de Padre Miguel. A obra leva ainda a assinatura também dos compositores Xande de Pilares, W. Corrêa, Ribeirinho, Alan Santos, Tominho do Trayler, Carlinhos do Mercadinho, Cabeça do Ajax e Jefinho Rodrigues. É o terceiro título de Claudio Russo na Unidos (2015-2017-2018). Ele desbancou a sua ex-parceria, do compositor Samir Trindade, e dos compositores Marfim e parceiros.

Assim como sugere o enredo “O Eldorado submerso: delírio tupi-parintintin”, do carnavalesco João Vitor Araújo, a parceria de Claudio Russo mergulhou no tema da agremiação para o próximo carnaval.

upm_final2018_festa_01– A gente precisou entrar de corpo e alma nessa história – contou Claudio Russo, que acredita que o grande trunfo do samba é a força da melodia da obra. – Construímos uma obra coesa e com uma estrutura bacana. O refrão principal é um dos nossos xodós, quando exaltamos o primeiro símbolo da agremiação: o boi vermelho de Padre Miguel. Apesar da grande qualidade dos concorrentes, conquistamos a admiração e o apoio da comunidade pela beleza da letra e a força de nossa melodia que evoca a força da cultura amazônica e emoldura a grandeza de nosso bonito enredo. A parte que mais vai “pegar” com certeza será “Oh Yara Oh Yara/ Na correnteza o sol e a lua vem bailar/ Oh Yara Oh Yara/ Em seu castelo enfeitiçado ouvi cantar”. É o trecho mais belo melodicamente. As disputas hoje estão muito caras, é inevitável o alto gasto. Mas como não sou eu quem organizo a parte financeira não tenho como mensurar e acho até melhor que seja assim. Pois compomos por amor a escola – garantiu o compositor.

Emocionado, Xande de Pilares citou sua música ‘tem que provar que merece’.

upm_final2018_096– Meu coração ficou do jeito que eu queria que ele ficasse, que não me prejudicasse e foi isso que aconteceu porque teve um ano aqui que eu perdi o samba e foi difícil. Eu estava chegando, agora estou voltando… O cara quando quer vencer ele insiste, é como a música que eu fiz que está na novela das 21h: “tem que provar que merece” – frisou o cantor e compositor.

Unidos sem alas comerciais

Questionado se a escola já prepara algo diferente para encarar o público em 2018, Cícero, diretor de carnaval da Unidos de Padre Miguel, prometeu novo espetáculo.

– A Unidos de Padre Miguel vai repetir o carnaval que vem fazendo, um espetáculo. A gente não vai mudar esse perfil. Temos um grande objetivo que é chegar no Especial, mas não vamos mudar nosso perfil, jamais. Nada irá nos fazer mudar isso. Acho que essa pressão pelo título aqui dentro de casa acabou, até porque cada ano que passa a Unidos fica bem perto do título. A gente pede calma para o povo. Diz que não chegou a hora ainda, mas que vai chegar. Explicamos que é um trabalho de formiguinha, mas que a nossa hora vai chegar – explicou Cícero.

upm_final2018_040

Mesmo 2018 sendo o carnaval da crise, a escola seguirá sem alas comerciais, com todas as suas fantasias doadas para a comunidade. Porém, irá reduzir o número de componentes.

– Ano passado saímos com 19 alas, esse ano iremos com 17. Fizemos um cálculo minucioso e conseguimos cortar três alas.

Craque da arte em Padre Miguel

upm_final2018_057Última escola a desfilar pela Série A em 2018, a Unidos de Padre Miguel se encaminha para em mais um ano ser uma das escolas mais aguardadas do Grupo de Acesso. Não bastasse a natural ansiedade de todos pela escola que tem os desfiles mais elogiados por público e crítica na Série A, a vermelha e branco vai passar na avenida com novo carnavalesco: João Vitor Araújo. Um das maiores revelações dos últimos anos.

– É uma responsabilidade grande chegar a Unidos de Padre Miguel porque é uma grande escola, mas vou trabalhar, me esmerar e vai dar tudo certo, já estou fazendo isso. Fui muito abraçado pela comunidade, as pessoas estão gostando do meu trabalho. O trabalho de barracão de alegorias e fantasias está funcionando a pleno vapor. A escola é organizada, mas não é de agora, é um trabalho que vem de anos. O segredo é trabalhar de forma adiantada. Tenho um recado para todos vamos trabalhar, trabalhar, trabalhar – disse o artista.

Pixulé já sabia o vencedor

upm_final2018_018Completamente à vontade na Unidos de Padre Miguel, o intérprete Pixulé iniciou o show da escola por volta das 2h da manhã. Em entrevista à equipe do site CARNAVALESCO, ele entregou que o samba já estava decidido e comentou sua carreira na Unidos de Padre Miguel.

– Aqui na Unidos eu tenho uma coisa chamada respeito profissional. Tenho liberdade para trabalhar, liberdade pra tudo. Assim, fica fácil pra qualquer cantor de escola de samba. O samba campeão precisa ter a cara do Pixulé e fizeram isso. Esse é o samba que vou anunciar daqui a pouco. Alegre, pra cima e que motiva a comunidade, convidando o público para participar – adiantava o intérprete que no Carnaval 2018 desfilará pelo segundo ano como voz oficial da agremiação.

Casal já superou impacto do desfile de 2017

upm_final2018_075

upm_final2018_074Responsáveis pela imagem do carnaval passado, no gesto que o mestre-sala Vinicius Antunes teve de pegar a bandeira da escola e finalizar a apresentação sozinho, após Jessica sofrer uma entorse no joelho e cair durante a apresentação na cabine dupla de julgadores, quando a agremiação fazia um desfile irretocável e todos acreditavam que a escola estava com o passaporte carimbado para o Grupo Especial, o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira mostrou durante a festa que o pesadelo ficou no passado e realizaram bela apresentação. Durante a despedida do hino 2017 e após o resultado para o Carnaval 2018. A porta-bandeira explicou que segue o tratamento e que já está preparada para pisar novamente na Avenida.

– Já acabei a fisioterapia e agora estou praticando Pilates para o fortalecimento da musculatura. Foi muito dolorido, mas recebi tanto carinho que amenizou um pouco. É frustrante você se dedicar o ano inteiro e não concluir o seu objetivo. Eu almejo a nota 10, mas vou trabalhar igual. A garra e a vontade de brigar pelo título da Unidos de Padre Miguel continuarão comigo. Esse ano teremos um ingrediente: a escola está contratando um preparador físico pra gente, que vai acelerar a minha recuperação – explica.

upm_final2018_004Em entrevista ao site CARNAVALESCO, mestre Dinho contou o que prepara para 2018. A noite de final serviu também para a apresentação oficial de Alice Alves, a nova rainha de bateria da Guerreiros.

– O carnaval hoje está muito mecânico, essa é a verdade, mas eu como sou da antiga, vou fazer 41 carnavais anos desfile na Unidos de Padre Miguel, valorizo mais o ritmo. Não vou pro lado mecânico. Parto pro lado mais da melodia, do ritmo. Gosto de fazer tudo certinho, encaixadinho. Já estamos treinamento algumas bossas, mas tenho que conversar com a Aline, ela tem umas coisas especiais pra fazer também. Quero dizer pra eles que a luta continua em busca dos 40. Tivemos um 39.9, estamos buscando esse décimo… E gostaria de dizer pra comunidade que pode esperar mais um grande desfile, pode esperar.

Confira como se apresentaram os sambas finalistas:

Parceria de Marfim – Primeiro samba a se apresentar na noite, a parceria apostava no canto da comunidade guerreira, o que não aconteceu. Com palco muito bem conduzido pelo intérprete Emerson Dias, a obra não contagiou a quadra em suas 10 passadas. Com um bom número de torcedores, responsáveis pelo bonito visual de bolas coloridas, bandeiras e chuva de prata, o samba ficou apenas regular. Ficou distante o sonho dos compositores de se consagrarem-se campeões.

Parceria de Claudio Russo – Avassaladora. Essa é a palavra. Antes mesmo do time de cantores subirem ao palco, a torcida invadia a quadra cantando à capela o samba-enredo por completo. A quadra explodiu quando Wander Pires deu seu tradicional grito de guerra e entoou os primeiros versos. Ficou claro que era o samba que a comunidade e segmentos abraçaram como seu hino. Observando tudo do camarote, o carnavalesco João Vitor Araujo olhava tudo curioso, mas sem manifestações. O cantor Xande de Pilares, um dos compositores da obra se jogou na torcida para pedir mais canto. Foi atendido. Durante a apresentação, o samba mostrava que será um dos trunfos da Unidos de Padre Miguel para o Carnaval 2018.

Parceria de Samir Trindade – Última parceria a se apresentar na noite, o compositor campeão do ano passado, não repetiu a mesma dose que seu ex-parceiro Claudio Russo. Levando como voz principal Tinga, que também assina o samba, a parceria pareceu ter tido problemas no microfone do cantor, já que sua voz pouco pode ser identificada. A torcida também não estava animada. Alguns componentes até cantavam a obra como um todo, mas a grande maioria só explodia nos refrãos. Com bandeiras listradas e adereços de cabeça de “bois de Parintins” a obra, assim como a primeira da noite não contagiou a quadra. Destaque para o compositor Samir Trindade que após o resultado, mesmo com lágrimas nos olhos, subiu ao palco para comemorar com os compositores vencedores da noite.