Obrigado, poetas imperianos!

Fico muito feliz quando vejo que o que a gente escreve aqui ganha repercussão e se transforma em realidade. Foi assim com a coluna "Samba no pé", que virou tema de seminário no SESC de Três Rios, e agora com meu emocionado texto sobre o samba do Império Serrano para 2011.

Inspirados pelas minhas palavras, Paulinho Valença, Victor Alves, Leo e Vitor Cunha compuseram uma nova obra – um samba de terreiro – e já o gravaram. O samba é lindíssimo e versa sobre a minha prosa: o DNA dos sambas imperianos. Ouça!

A minha casa é a casa de Mestre Fuleiro
Por isso sou feliz em viver aqui
Onde brilhou Molequinho e Mano Décio da Viola
E a lígua oficial é dó ré mi fá sol lá si No sábado canto samba com Jorginho Abençodo por Dona Ivone lara

Minha felicidade é renovada ano a ano
Meu lar é quadra do império Serrano

Acordo com versos de Silas de Oliveira
Embalo meu dia com o Beto Sem Braço
Roberto Ribeiro,Aluisio Machado e Arlindo Cruz
A arte que vem dessa gente me enche de luz
Na marcação da Sinfônica do Samba
Zé Luiz,Jorge lucas,Samara,lula e Maurição
Pra Marcão, Marcelo,Henrique, Popeye e Zé Paulo pedimos licença
Victor Alves, Leo, Vitor Cunha e Paulinho Valença

Vou cantar como é bom estar aqui
Ver o sambista sorrir e hoje poder exaltar
Assim como disse o poeta aqui é o meu lugar