Paes também pede afastamento dos patronos e elogia gestão de Jorge Castanheira

Em entrevista para o jornal O GLOBO deste domingo, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, voltou a tocar no assunto da presença dos patronos nas escolas de samba. Novamente, ele sugeriu o afastamento deles e agora elogiou a gestão de Jorge Castanheira, presidente da Liesa.

– Essa coisa coronelista de patrono, dono de escola, tem que acabar. Mas é preciso deixar claro que não ter patronos não vai impedir que (eles) continuem a frequentar as quadras, se não estiverem presos – disse Paes, em entrevista ao O GLOBO.

O prefeito elogiou a administração da presidente Regina Celi, no Salgueiro, e o trabalho de Jorge Castanheira na Liesa.

– As ações da liga, através de seu presidente, Jorge Luiz Castanheira, nesses anos em que estou na prefeitura, foram sempre transparentes e objetivas – explicou.

O prefeito disse que não acredita em uma nova empresa disposta a assumir o carnaval. Segundo ele, o conteúdo é das escolas que são representadas pela Liesa.

Paes revelou que a vai tombar a Cidade do Samba e que as obras do Porto Maravilha vão ter que se adaptar ao percursso das escolas até o Sambódromo. Ele afirmou que durante o ano vai realizar um concurso com o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) para uma nova Cidade do Samba para escolas do Grupo de Acesso, que ficariam em Benfica.