Paraíso do Tuiuti faz desfile surpreendente e ‘conquista’ o domingo do Grupo Especial

tuiuti_desfile_2018_70A primeira noite de desfiles do Grupo Especial no Carnaval 2018 reservou uma surpresa positiva e uma negativa. Do lado que deu certo, o Paraíso do Tuiuti fez uma apresentação histórica na Marquês de Sapucaí. A comissão de frente, o samba-enredo e o próprio desenvolvimento do enredo foram magníficos. Um primor o trabalho do carnavalesco Jack Vasconcelos. A escola de São Cristóvão não pode ser, de jeito nenhum, cogitada ao rebaixamento, pelo contrário, ela está no grupo do sábado das campeãs e que pode sonhar com muito mais que isso. Do lado ruim, a Grande Rio perdeu para ela a chance do sonhado título de campeã. Além disso, a agremiação de Caixas pela sucessão de erros cometidos, após o último quebrar na área de concentração, não pode nem ter o consolo do sábado das campeãs.

mocidade_desfile_2018_14O desfile crítico da Estação Primeira de Mangueira teve o tom caprichado do carnavalesco Leandro Vieira, mas a Verde e Rosa esbarrou em problemas de evolução, que prometem comprometer o resultado na quarta-feira de cinzas. Destaques positivos o casal de mestre-sala e porta-bandeira e a comissão de frente. A Mocidade Independente de Padre Miguel, que teve sofreu com problemas de evolução, fez um desfile forte e que entra na busca do bicampeonato. Paulo Barros deu uma cara tecnológica para Vila Isabel. Não foi uma apresentação impactante, mas o conjunto uniforme faz a comunidade que “mora nos Macacos e no Boulevard” vislumbrar uma boa colocação final.

O Império Serrano abriu a noite do Especial com valentia, mas terminou sua apresentação com menos dois minutos do tempo mínimo exigido e deve sofrer penalização. Infelizmente, a escola da Serrinha dificilmente escapará da degola. A São Clemente contou com um grande conjunto plástico do carnavalesco Jorge Silveira. Apesar disso, a harmonia e evolução deixaram a desejar.

Leia abaixo o material completo de cada desfile deste domingo.

IMPÉRIO SERRANO

imperio-serrano_desfile_2018_45-4

Deu para matar a saudade. O Império Serrano voltou e fez um desfile digno da abertura do Grupo Especial do Carnaval 2018 na noite deste domingo. A campeã da Série A, com sobras, no ano passado fez uma apresentação justa, com grande destaque para os ritmistas da Sinfônica, que deram show na Avenida. Mas a escola deve se prejudicar por ter fechado o desfile com 63 minutos, dois a menos do que o mínimo estipulado.  Segundo o regulamento da Liesa, a escola deve perder 0,2 décimos pela infração.

SÃO CLEMENTE

sao-clemente_desfile_2018_24-9

Jorge Silveira estreava em 2017 no carnaval carioca pela Unidos da Viradouro, na Série A, na ocasião, na crônica do desfile da vermelha e branca, a equipe do CARNAVALESCO apontava que o artista havia dado nome e sobrenome na estreia. Pois em seu primeiro trabalho no Grupo Especial, pela São Clemente, o artista provou que não é uma mera promessa e que deve se juntar ao grupo dos promissores nomes da folia. Jorge vestiu a preta e amarela da Zona Sul de maneira deslumbrante no desfile da escola neste domingo de carnaval. Como bem lembra o samba da agremiação, a bela arte foi oferecida pelo artista. Ocorre que no que tange aos quesitos técnicos de pista a apresentação da escola deixou bastante a desejar, principalmente, em evolução e harmonia. O canto praticamente foi inexistente, o que deve afastar novamente a escola de uma boa colocação.

VILA ISABEL

vila-isabel_desfile_2018_66-5

As rodas da vida moveram não só moinhos, como também a história da Vila Isabel. Após um 2017 complicado, com um desfile conturbado e que lhe rendeu apenas o 10º lugar, a Azul e Branco contou com um Paulo Barros inspirado na busca por um futuro melhor. Foi somente a terceira agremiação a passar pelo Sambódromo nesse Grupo Especial de 2018, mas a expectativa já é de que a Vila, após quatro carnavais, possa voltar a desfilar no sábado das Campeãs.

PARAÍSO DO TUIUTI

tuiuti_desfile_2018_21

Quarta escola da noite, o Paraíso do Tuiuti tem muito o que se orgulhar. A começar pela comissão de frente, que proporcionou ao público – das arquibancadas as frisas -, uma apresentação emocionante. Escravos, feitor, e pretos velhos vinham na cabeça da escola pedindo passagem com uma coreografia excelente. O samba-enredo já era bem avaliado por toda mídia especializada, e aconteceu na hora do desfile. A trinca de intérpretes conduziu com maestria a obra de Cláudio Russo, Moacyr Luz e parceiros. Funcionou perfeitamente e estava na ponta da língua não só dos componentes, mas também do público, que cantava forte o refrão, principalmente, no trecho “Meu Deus! Meu Deus! Se eu chorar não leve a mal”. Não há dúvidas de que o integrante do Tuiuti pode sonhar com a histórica vaga no sábado das campeãs. A evolução da escola se desenvolveu com excelência e tranquilidade. Canto forte e alas muito bem organizadas, o chão da escola merece ser bem avaliado.

GRANDE RIO

grande-rio_desfile_2018_26

“O show não terminou”. Quando a Grande Rio despontou na Sapucaí, quinta escola a desfilar nesse domingo, parecia que faria um desfile para brigar por título. A comissão arrasadora, o casal confiante, a plástica agradabilíssima… Mas um problema com a 6ª alegoria, que quebrou e não entrou na Avenida, “jogou fora” as chances da escola dar aquele tão aguardado grito de campeão. O carro, que representava “O Carnaval em minha vida” e trazia lembranças de Recife e seu carnaval pra Chacrinha, emperrou nos dois lados da Avenida Presidente Vargas, área de concentração. As rodas malucas, que ajudariam na locomoção – “sumiram” e ele simplesmente parou de andar. A escola tentou, em vão, a manutenção da alegoria, mas nada deu certo. Isso acabou prejudicando quase todos os quesitos do desfile.

MANGUEIRA

mangueira_desfile_2018_76-23

A Estação Primeira de Mangueira cumpriu a promessa de provocar uma reflexão sobre os rumos do carnaval. A Verde e Rosa foi a sexta escola a desfilar na primeira noite de espetáculo do Grupo Especial. A proposta totalmente transgressora é inédita na história da escola. A apresentação, no entanto, pode ter comprometido as chances de título novamente por conta de erros em evolução. Leandro Vieira fez pesadas críticas ao prefeito do Rio Marcelo Crivella e atendeu a expectativa de criticar o mercantilismo residente no carnaval.

MOCIDADE

mocidade_desfile_2018_43-3

Atual campeã do carnaval, a Mocidade Independente de Padre Miguel fez um desfile justo para defender o título. Última escola a passar na Sapucaí no primeiro dia do Grupo Especial, a Verde e Branca teve falhas, sim, mas manteve o bom nível apresentado em 2017, mesmo com um enredo que foi muito criticado no pré-carnaval – e foi muito bem desenvolvido. A comissão de frente não teve o impacto do Alladin, mas foi excelente. O samba-enredo foi o que se esperava – com boa apresentação de Wander Pires e do chão da comunidade. Outro ponto positivo foi o casal de mestre-sala e porta-bandeira, Marcinho estreou com o pé direito com o pavilhão da Verde e Branca.