Parceria de Wilsinho Paz vence o samba de 2012 da Estácio de Sá

A parceria de Wilsinho Paz, Alexandre Moraes, Osmar, Hugo Bruno, Comendador Eloi e Zé Luiz venceu a disputa da Estácio de Sá, que terminou com o sol já raiando. A escola, que tem como enredo Luma de Oliveira, será a terceira escola a desfilar no sábado de carnaval. A homenageada ficou até o final da festa e saiu sambando ao som da bateria Medalha de Ouro. 
 
 
O diretor de carnaval da agremiação, Edvaldo Fonseca, falou com o CARNAVALESCO sobre a escolha do samba. “Nós tínhamos quatro sambas nessa final. Eu já tinha falado que poderíamos colocar os sambas em um saco e puxar. Eles estavam muito equilibrados. Demoramos a sair da sala devido à escolha do samba. Estava muito difícil. Não pensamos em mexer na letra, se tiver alguma mudança será muito sutil”, explica.
 

O carnavalesco da agremiação, Marcos Ferreira, disse ao CARNAVALESCO sobre a importância do samba para o seu trabalho. “Ele tem que contar o enredo. Acho que o samba é mais importante para a escola do que para o meu trabalho. O trabalho está dentro do cronograma, já estamos na terceira alegoria e no dia 11 de novembro vamos apresentar os protótipos”, anuncia.
 
A homenageada do enredo, Luma de Oliveira, também falou ao CARNAVALESCO sobre a escolha do samba e sobre o convite para voltar ao posto de rainha de bateria. “Qualquer um dos quatro que participaram hoje estava digno de ir para a Avenida. O que venceu é bom e bonito, estou feliz. Eu recebi sim o convite do Paulo Vianna, mas fiquei de pensar. Como vou sair na Estácio no sábado, que é prioridade, e a Mocidade desfila domingo, eu talvez eu não agüente”, afirma. 
 
Samba até de manhã
 
A bateria Medalha de Ouro começou a esquentar os presentes na quadra por volta de 1h e Dominguinhos do Estácio no palco relembrando antigos e consagrados sambas da escola e também fez questão de entoar o samba da Imperatriz para o ano que vem. Em seguida, foi a vez das passistas no palco. Os cantores de apoio da escola continuaram entoando sambas durante a apresentação dos segmentos da escola. 
 
Presente à quadra, a grande homenageado do enredo para 2012, Luma de Oliveira, foi chamada à frente do palco e beijou a bandeira da Estácio de Sá durante a apresentação dos casais de mestres-salas e portas-bandeiras, junto com mestre Ciça, hoje na Grande Rio. O diretor de carnaval da agremiação apresentou a nova rainha de bateria, Luana Bandeira, assistente de palco do programa Caldeirão do Huck. A quadra, a esta altura completamente lotada, apenas aguardava a apresentação dos sambas finalistas.
 
A disputa começou exatamente às 3h30, com a seguinte configuração: Claudinho Russo e parceiros, Thiago Daniel e parceiros, Igor Ferreira e parceiros e, fechando, Wilsinho Paz e parceiros. Foram duas passadas sem bateria, depois 10 minutos, duas apenas com a torcida e finalizando mais 10 com acompanhamento de bateria, totalizando 25 minutos. 
 
Primeiro samba da noite, de Claudinho Russo e parceria, não conseguiu animar os presentes e nem os segmentos da escola, que pareciam ainda frios e esperando algo por vir na noite. A bateria fez bossas no começo da primeira parte do samba. O intérprete Cesinha tentava animar e levou muito bem o samba, porém não foi o suficiente. Quanto solicitada, a torcida não correspondeu, cantando apenas os dois refrões e o começo da segunda parte do samba que falava “Vou daqui pra lá e de lá pra cá”.
  
Segundo samba foi da parceria de Thiago Daniel, que já subiu ao palco como um dos favoritos da noite e levou um palco forte com Zé Paulo e Ciganerey. Um samba para cima e forte foi conquistando os segmentos da escola, que ajudaram a torcida quando precisou cantar. O curioso foi Zé Paulo animando sua torcida com o bordão “Hoje é dia de samba, bebê”. A bateria, mais uma vez, apresentou sua bossa no início da primeira do samba.

Terceiro samba da noite foi da parceria de Igor Ferreira, que também contou com um palco muito forte: Gilsinho e Igor Sorriso. Houve um problema logo no início, devido ao microfone, e do retorno de som no palco. A parceria atrasou em alguns minutos, entretanto entrou com muita disposição, já de cara mostrando porque era a favorita da noite. Quando sua torcida foi solicitada, cantou o samba batendo palmas. Os segmentos, principalmente a harmonia, também faziam coro, e na parte que diz “No apito do mestre a bateria a reverenciar”, alguns abaixavam e faziam gestos de reverência. A parceria trouxe pessoas com coreografias com o auxílio de Márcio Moura (coreógrafo da comissão de frente da Portela). A apresentação fez jus ao favoritismo.

A última parceria da noite foi de Wilsinho Paz que, antes de começar a execução, pedia garra aos torcedores e entre si. Nino do Milênio defendeu o samba e mostrou porque hoje está entre as revelações. Levou todo o samba muito bem sem deixar cair um minuto. No entanto, a torcida não ajudou muito. A bateria, como em todos os sambas, fez a bossa na primeira parte. Infelizmente, um problema de microfonia atrapalhou as apresentações da noite e também os intérpretes antes mesmo do início da grande final.
 
Já com o céu ensolarado e depois de uma hora do fim da última parceria, o presidente Leziano, juntamente com Luma de  Oliveira, passou o microfone ao intérprete oficial da escola, Leandro Santos, que cantou o samba 4, de acordo com a ordem de apresentação da noite.

Comente: qual é sua opinião?