Perdemos Isaac Ismar, a nossa ESTRELA DO CARNAVAL

Difícil escrever sobre a morte de um amigo querido. Achar as palavras que signifiquem tudo que ele representou para mim é complicado demais. Perdi uma das pessoas mais fantásticas que conheci e convivi: Isaac Ismar. Ele faleceu no dia 2 de junho, mas só hoje fique sabendo. Foi meu funcionário no site CARNAVALESCO e na época que tivemos parceria com o SRZD. Pessoa amável, generosa, inteligente, trabalhador e, principalmente, ético e sem ego nenhum, mal que afeta demais nossa sociedade.

Com o Isaac Ismar, eu aprendi demais. No dia 23 de julho de 2011, eu estava casando e quando entrei na igreja, meu coração disparou de alegria, quando vi Isaac Ismar presente. Explico o motivo. Ele lutava contra o câncer. Sofreu, mas lutou e muito. Passou por diversas internações, mas nunca esqueceu de mim e do carnaval. Na cama do hospital ou repousando em casa, ele estava sempre ligado no site e acompanhando todas notícias do carnaval.

Guardo ainda na minha memória, a imagem do Isaac Ismar presente no Sambódromo, durante o Carnaval 2011, quando o Salgueiro atrasou dez minutos e ele sofrendo pela sua escola de coração começou a chorar demais. Confesso que levei um susto, porque nesse mundo de cobertura jornalística do carnaval, nós acabamos "perdendo aquela paixão pela nossa escola", mas ela surge em momentos assim. Antes do desfile do Salgueiro, Isaac tinha ido ao departamento médico na Marquês de Sapucaí e pediu para sair logo, porque queria ver o desfile do seu Salgueiro. Foi o último trabalho do Isaac no carnaval.

Hoje, quando recebi a notícia, liguei para a mãe do Isaac, senera e chorar nenhum minuto, ela atendeu reconhecendo minha ligação, dizendo que meu nome estava anotado na agenda do celular do Isaac, e falou algo que meu emocionou ainda mais. "Alberto, o Isaac gostava muito de você. Mesmo doente, ele esteve no seu casamento. Tenho o convite dele guardado aqui comigo". Quem me conhece sabe que tenho fama de durão, que grito, brigo, falo até palavrão demais, mas que sou muito amigo, chego a dar muito de mim para os outros e que mesmo brigando ou gritando, dez minutos depois já estou pedindo desculpas. Hoje, eu posso falar que nunca tive nenhuma discussão com o Isaac Ismar. Nunca reclamei de nenhuma matéria dele, pelo contrário, era uma alegria atrás da outra.

Amigo, eu sei que você vai ler esse texto de um jeito especial. Já rezei por você e ainda vou pedir para a pessoa que amo demais, que é meu pai, e que está no céu, que ele receba você com todo o carinho. Você foi muito pra mim. Muito mais que um funcionário, um amigo, quase família. Conduziu o nosso site com maestria. Em casa, o seu telefone tocava e a notícia chegava com facilidade. Fruto do excelente relacionamento que você tinha com o mundo do carnaval. Não tenho dúvida nenhuma em afirmar que você está no hall dos melhores jornalistas de carnaval. A sala de imprensa do Sambódromo tinha que receber seu nome. Vou lutar para que isso seja possível. Você merece e seria o reconhecimento de uma pessoa que trabalhou pelo carnaval com muito amor. Obrigado por tudo do fundo meu coração.

Abaixo o depoimento de pessoas que trabalharam com o Isaac aqui no site CARNAVALESCO e no carnaval:

Rafael Lemos: "O incansável finalmente descansa. Foi-se um guerreiro. Um parceiro. Um amigo. Especial. Uma pessoa que transmitia paz… Isaac tinha um ar angelical. Lembro que cheguei a comentar isso enquanto ele ainda estava por aqui. Era uma característica que chamava atenção. É uma lição de vida para todos nós. Eu e meu compadre Alberto João somos infinitamente gratos a ele por ter cuidado do Carnavalesco com tanto carinho, dedicação e determinação. O Carnaval deve muito a esse sambista – e eu, particularmente, também. Vai com Deus, Isaac!".

Ramiro Costa: "Quando eu entrei no Carnavalesco, o site já é era uma referência na cobertura do dia a dia das escolas de samba. O sucesso dessa aventura de cobrir a folia carioca o ano inteiro era responsabilidade de muitos loucos. O mais lúcido desta turma era Isaac. Quieto, paciente, bom caráter, ele me ensinou a correr atrás da notícia. Foi o primeiro repórter que tive como referência durante os dois anos que trabalhamos juntos. Apesar da grave doença, nunca desistiu da vida e do carnaval. Ficam as lembranças de finais de samba intermináveis, ensaios técnicos, palpites da possível campeã do carnaval, conversas, enfim. Seu maior defeito era o atraso. Mas hoje, ele poderia se atrasar um pouquinho na Terra para ficar mais tempo conosco".   

Guilherme Marques: "Isaac Ismar veio à vida com um propósito: disseminar a alegria. Afinal, o que faz uma pessoa tão especializada, tão conhecedora de carnaval, a festa do povo? Uma pessoa carismática, educada, honesta e, acima de tudo, simples. Característica comparada apenas a um adjetivo: forte. Sim, isso ele foi. Isaac, aqui na Terra você sambou, lutou, fez seu ziriguidum. Agora vai descansar em paz, ao lado de tantos que já vieram aqui fazer sua missão. Com certeza você ainda tinha muito para nos dar. Mas esteja certo de que o que deixou fez diferença. Fica o carinho de quem aprendeu parte do que sabe hoje de carnaval com você. "Não deixe o samba morrer…", amigo!"

João Santoro: "Infelizmente a notícia do falecimento do jornalista – um grande jornalista – Isaac Ismar, abalou não apenas aqueles que o conheceram, mas também a quem o acompanhava diariamente nas suas matérias de carnaval. Uma pessoa íntegra, humilde, sem querer qualquer tipo de holofote, uma pessoa que qualquer um queria em sua equipe. Um dia triste. O samba e a imprensa perdem uma pessoa com um futuro mais do que promissor. Quantos furos não foram dados por este jornalista? Incrível como ele era bom. A saudade será sentido por todos e a saudade será para sempre".

Geissa Evaristo: "E o céu recebe o melhor jornalista de Carnaval que conheci até hoje. Tímido, de poucas palavras e muita vocação para a profissão, era dele os textos que lia, admirava e me espelhava. Tive a oportunidade de trabalhar com ele, infelizmente já na reta final de sua doença. Salgueirense de coração, não só morava ao lado da quadra, como possuia um belo quadro da agremiação estampando a parede de seu quarto e a tela de seu computador. Isaac, de fala mansa e tranquila, era educado e querido por simplesmente todo mundo que conhecia. Isaac que você esteja na companhia de Deus e que olhe pela gente aqui embaixo. Missão mais que cumprida aqui na Terra!".

Raphael Azevedo: ""Era uma pessoa maravilhosa e um grande profissonal. Discreto, consegui criar amigos que o respeitavam pelo jeito doce de ser. No mundo do samba, era muito respeitado pela sua capacidade de cultivar e respeitar as fontes. Para mim, ficará sempre o exemplo de uma pessoa correta, ética, trabalhadora e que lutou com muita garra pela vida. Ensinou muito para os colegas"
 
Rodrigo Coutinho: 'Trabalhei com o Isaac durante três meses. Foi pouco tempo, mas período suficiente para aprender bastante como me portar nos eventos e entender o que representa o nome do site CARNAVALESCO para o mundo carnaval. Se este site tem a independência, comprometimento com os eventos das agremiações e senso crítico que o caracterizam, grande parte disso deve-se ao trabalho do Isaac. Não é demagogia e tão pouco oportunismo citar essas características dele neste momento. Apenas uma singela homenagem para quem foi exemplo como pessoa e profissional. Com a quantidade de furos jornalísticos ‘’dados’’ por ele no CARNAVALESCO, poderia ser um cara arrogante, mas não. Comigo sempre foi bastante solícito e disposto a ajudar. Infelizmente não tive a oportunidade de agradecê-lo pessoalmente, mas elevo o pensamento neste sentido. Muito Obrigado, Isaac!

Luis Carlos Magalhães: "É a primeira vez que escrevo sobre a morte de alguém tão próximo. Quantas mortes de sambistas me provocaram a ponto de escrever algumas linhas de lamentação. Mas nunca de alguém mais próximo. Isaac não me era tão próximo assim. Nunca conversamos a sós. Não sei que time era, nem qual era sua escola. Na verdade nada sei sobre ele. Mas sei tudo! Tudo que importa! Que era bom, que era amigo, que era profissional sério e dedicado. E que sua alma era boa, que tinha caráter. E que amava o carnaval. Tomara que tenha tido grandes alegrias, se emocionado tantas vezes em sua tão curta existência. E que tenha deixado alguém para sentir saudades um dia. Aqui em casa ficamos muito tristes, minha mulher chorou, conhecendo-o ainda menos do que eu. Que tenha dado e recebido muito afeto, que, afinal…, no fundo, no fundo… é a coisa mais importante da vida. Pelo menos pra mim …
 

Comente: