Planejamento faz Império da Tijuca sair na frente na produção do carnaval

Não é raro ver dirigentes das escolas de samba do Grupo de Acesso e, até mesmo do Grupo Especial, reclamarem da escassez de recursos para colocar um desfile na Avenida. De fato, a pequena subvenção de pouco mais de R$ 400 mil para as agremiações do Grupo A, somada à dificuldade para arrecadar dinheiro com os eventos na quadra, não dão às escolas muitas opções. Porém, o Império da Tijuca, vide o Carnaval 2011 e a adiantada preparação para 2012, vem mostrando que planejamento bem feito e a perfeita sintonia entre as suas cabeças pensantes podem superar um desfile farto financeiramente. A reportagem do CARNAVALESCO visitou os dois ateliês e o barracão da agremiação do morro da Formiga, e constatou que cerca de 66% das alas, além de duas alegorias estão prontas.

No comando da Verde e Branco desde 2004, Antônio Marcos Telles, o Tê, lembra o momento vivido pela escola que, após o elogiado desfile no Carnaval 2011, amargou um decepcionante sétimo lugar. Para ele, não há segredo, a receita é a dedicação.
 
– Eu não faço carnaval para me manter no grupo. Quero chegar ao Especial e faço com que a minha escola desfile com aquilo que tem de melhor. Quando estava no Grupo B, pensava em fazer desfile de Grupo A, e agora, vou colocar uma escola de Grupo Especial na Avenida. Pode anotar o que eu digo: quando as pessoas verem a quinta escola de sábado entrando na Sapucaí, pensarão que é a primeira de domingo – disse, referindo-se à ordem de desfile do Império da Tijuca – Nós começamos a trabalhar muito cedo no Império. Desta forma, conseguimos materiais com maior facilidade e damos qualidade na confecção das fantasias e alegorias – completou.

Outro fator que contribui para o bom momento da Verde e Branco tijucana é a sintonia com o carnavalesco Severo Luzardo, nome em evidência após o último carnaval. Severo mostra-se muito contente na escola e comemora a liberdade conseguida para colocar em prática o seu talento.
 
– Gosto de apostar no lado humano do carnaval. No Império da Tijuca, tenho a liberdade para desenvolver um trabalho de artesanato na construção das alegorias e fantasias. Não abro mão também de desenvolver a minha escala cromática, que é algo que vem agradando às pessoas que acompanham o carnaval. Somos muito responsáveis e disciplinados com o que a escola representa para a comunidade. Vamos para a Avenida para ganhar. Parece cair no lugar comum falar isso, mas aguardem o Império da Tijuca. 2012 será melhor do que 2011 – disse ele, adiantando que relacionou 50 lugares utópicos para mostrar durante o desfile.

O artesanato, característica marcante do trabalho de Severo, poderá ser conferido logo no abre-alas, que contará com seis mil formas esculpidas à mão. Ele também aparece claramente nos detalhes das fantasias em exposição nos ateliers da escola. 16 das 24 alas do Império da Tijuca já estão prontas. Outras duas devem ser entregues até o fim de setembro.

Perguntado de onde tira dinheiro para começar o trabalho da escola de forma tão precoce, para os padrões do Grupo de Acesso, Tê dá uma declaração que pode dar a noção exata do quanto se dedica à escola.
 
– Tiro do meu próprio bolso para fazer muitas coisas dentro do Império da Tijuca. Por isso começamos cedo. Com mais tempo, temos a oportunidade de gastar menos e escolher materiais que não acharíamos em novembro, dezembro. A subvenção só vem no final do ano e aí consigo dar uma aliviada na minha situação financeira, mas, mesmo assim, ainda ficamos devendo bastante. Apesar disso, estamos reduzindo a nossa dívida. Há dois carnavais devíamos mais de R$ 700 mil. Depois do Carnaval 2011, passamos a dever cerca de R$ 500 mil. Daqui a um ano vamos dever ainda menos. Aos poucos vamos nos ajeitando. Tenho certeza que será mais uma porrada do Império da Tijuca este ano na Sapucaí!
 
Desde 1996 sem desfilar no Grupo Especial, o Império da Tijuca já fez parte da elite do carnaval carioca em 20 ocasiões, a primeira delas em 1946. Em 2012, a escola buscará o quarto título do Grupo de Acesso A de sua história com o enredo 'Utopia – Viagem aos confins da imaginação'