Portela e Mocidade fazem apronto final para o desfile em ensaio técnico marcado por protestos

Fotos: Magaiver Fernandes

lavagem2018-61Enfim, o sambista pode matar a saudade que estava dos ensaios técnicos na noite deste domingo no Sambódromo da Marquês de Sapucaí. Está certo que apenas as campeãs Mocidade e Portela puderam cruzar a avenida para treinar para o desfile. A noite teve início com a tradicional lavagem da pista por baianas e integrantes das escolas ao som de sambas-enredo clássicos. Além dos ensaios das duas campeãs, o dia foi marcado por protestos contra o prefeito do Rio Marcelo Crivella e por divergências entre a Liesa e a Mocidade com relação ao som da passarela.

A cantora Alcione abrilhantou a lavagem da Sapucaí ao abrir os trabalhos cantando seu maior sucesso ‘Não deixe o samba morrer’. Entretanto, o primeiro protesto foi feito pela própria cantora, que reclamou do cancelamento dos ensaios desta temporada.

– Eu não tenho marca de chicotes nas minhas costas, eu posso falar. Não tirem mais os ensaios técnicos do povo carioca. Não nos prive de uma das poucas alegrias que esse Rio triste pode nos proporcionar – disparou Alcione, que naturalmente foi ovacionada pelos sambistas nas arquibancadas.

Apesar da saudade, as arquibancadas do Sambódromo não estavam completamente lotadas. Apenas os setores 2, 3 e 4 tiveram lotação máxima. Os demais apresentaram alguns clarões, ao contrário do que costumava acontecer nos ensaios técnicos nas últimas temporadas.

Ensaio da Mocidade atrasa e vice-presidente reclama do som. Público ‘xinga’ Crivella

mocidade_ensaio18_sapucai-48A Mocidade iniciou o esquenta de sua bateria e levantou o setor 1 com um efeito especial dos chocalhos, que soltavam fogos acionados pelos próprios ritmistas no instrumento. Porém, até o ensaio de fato começar foi pelo menos meia-hora de atraso. Com o público impaciente, o vice-presidente Rodrigo Pacheco deu nome aos bois sobre a demora no começo do treino.

– Gostaria de deixar algo bem claro para o público presente. Como isso aqui é um teste de som e luz, o som não está funcionando corretamente e a Mocidade só vai iniciar o seu ensaio quando a sonorização estiver correta. Pedimos desculpas à Portela que vai ter o seu ensaio atrasado, mas consideramos o mais justo a ser feito – explicou Pacheco.

Tão logo o dirigente encerrou o seu discurso o público irritado xingou o prefeito Marcelo Crivella em diversos setores. O presidente da Portela Luis Carlos Magalhães prestou solidariedade à Mocidade.

– A Portela se solidariza com a Mocidade e apoia a decisão da escola de iniciar o seu ensaio apenas quando achar que a sonorização estiver adequada – definiu o presidente.

mocidade_ensaio18_sapucai-100Com o som ainda apresentando falhas a Mocidade iniciou o seu ensaio. A escola esquentou com o tradicional ‘Ziriguidum 2001’ e o samba campeão de 2017. O samba de 2018 apresentou bom rendimento no ensaio e a escola levantou a avenida com as apresentações da bateria e da rainha Camila Silva, que repetirão a performance no desfile oficial. O casal chamou a atenção pela bela fantasia e a comissão de frente executou a coreografia oficial do desfile. O diretor de carnaval Marquinho Marino analisou o ensaio ao seu final.

– A escola está pronta, apesar dos percalços hoje. Foi realmente um teste devido à oscilação do som. A nossa equipe de harmonia estava muito atenta e manteve o andamento correto. Já que é para simular foi feito com um defeito técnico da Liesa. Hoje a escola provou que está com a harmonia no lugar – afirmou o dirigente.

Portela emociona com presença de coirmãs em ensaio

portela_ensaio18-40A Portela iniciou o seu esquenta com ‘Portela na Avenida’. Com maioria de portelenses na arquibancada o samba azul e branco teve bom desempenho na arrancada muito bem conduzida pelo intérprete Gilsinho. O ponto alto foi a apresentação do primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Marlon Lamar e Lucinha Nobre, com uma atuação tecnicamente perfeita.

A Portela usou seu ensaio técnico no Sambódromo para demonstrar toda a fidalguia que marca a história da escola. Em cada objeto que representava as alegorias do desfile a Majestade do Samba trouxe o pavilhão das escolas do Grupo Especial. Além disso, atrás deles, vinham integrantes das 13 escolas de samba. Uma emocionante homenagem aos sambistas que não puderam desfilar com suas escolas no palco mais importante do carnaval. Fábio Pavão, integrante da comissão de carnaval, analisou o desempenho da Portela na pista.

– A Portela está pronta. Na semana passada foi nosso último ensaio e na ocasião eu dizia que estávamos prontos para as duas apresentações mais importantes do ano. O nosso ensaio aqui no Sambódromo e naturalmente o desfile oficial. Estamos na briga pelo bicampeonato. A ideia de convidar as escolas veio em uma conversa com o presidente. O samba precisava disso e a Portela fez o que deveria fazer – resumiu.