Portelenses saem satisfeitos da apresentação dos protótipos das fantasias

A Portela realizou a apresentação de seus protótipos nesta quinta, no clube River, na Piedade. Muitos não entenderam a mudança da data, que seria dia 5, mas o dia 8 de dezembro é comemorado o dia de Nossa Senhora da Conceição, padroeira da agremiação. Um altar de tirar o fôlego foi montado na quadra, trazendo imagens de santos, e o chão foi rodeado de folhas de mangueira. Ao fundo do altar um telão com clipes de musicas de Clara Nunes.

Os componentes, torcedores e visitantes que chegavam ao local, muitos desses apresentavam um largo sorriso no rosto, seria uma satisfação com o que estavam vendo? Pode-se dizer que sim. O espaço foi liberado às 21h, tudo bem arrumado na quadra principal do clube, com as 35 fantasias espalhadas na ordem de desfile.

A escola vai começar contando sobre sua chegada à Bahia, depois sobre as festas no mar, aos santos e padroeiros, em seguida faz um grande apanhado de festas do estado, e finaliza com festas da própria agremiação e uma homenagem à torcida da agremiação. Fantasias leves, bem acabadas, com uma diversidade de cores (o ponto alto para muitos presentes), muitas delas com plumas, e uma plateia muito satisfeita com o que foi apresentado.

Em entrevista ao CARNAVALESCO, uma das baianas da agremiação, Maria Helena, que já desfila na escola há oito anos, se disse muito satisfeita com sua fantasia e com o clima que circula na escola: – Está muito linda. Linda demais. Estou emocionada. Temos como desenvolver muito bem pela Avenida. Esse ano está muito bom o clima aqui dentro. Era um samba que todos queriam.

O carnavalesco da escola, Paulo Menezes, que assina seu primeiro trabalho na escola, também falou sobre os setores e as fantasias: – A gente divide as festas por categorias. Começamos pelas lavagens que representam riquezas e a purificação, depois vamos para as festas das águas, em seguida as festas africanas e católicas, depois as festas do povo até chegar nas festas portelenses. Como o portelense comemora e festeja na Avenida. As plumas são uma característica da escola, então quando chegamos a uma agremiação procuramos aliar nosso gosto ao da escola.

Menezes também frisou sobre os pesos das fantasias e sobre o cuidado com as alas comerciais:

– Desde o início nós queríamos um carnaval onde a escola pudesse brincar na Avenida, onde a escola pudesse flutuar, e isso casou com um samba que vai ao encontro do projeto da escola. Então eu tenho certeza que a Portela vai passar como uma pluma na Avenida. A direção de carnaval da escola tem que criar meios de fiscalizar o trabalho das fantasias comerciais.

O assistente do carnavalesco Paulo Menezes é Leandro Oliveira. Ele, que o acompanha por onde passa, também conversou com o CARNAVALESCO e falou sobre o trabalho de pesquisa e compra de materiais para a confecção das fantasias:

– O trabalho começou pela pesquisa, com o desenvolvimento dos figurinos e com a confecção, sendo que temos sempre um cuidado maior com as fantasias. Elas estão muito bonitas e têm um trabalho manual muito delicado. A Portela está se preparando para um carnaval grandioso, alegre e com essa variedade de cores. Todo mundo compra no mesmo lugar e, às vezes, o mesmo tecido, aí vai de você saber trabalhar e fazer algo diferente com este tecido. Temos fantasias como o primeiro setor que tivemos trabalho para achar (o tecido), então mandamos fazer. Utilizamos muita renda. Nós praticamente padronizamos um tecido por setor. Usamos muita fita, foi o que mais utilizamos: renda e fita.

Mestre da bateria, Nilo Sérgio, também deu seu ponto de vista sobre as fantasias apresentadas: – Gostei bastante, principalmente da bateria. Está bem leve e vamos poder desfiar com desenvoltura e sem peso, isso é importante.

As fantasias de mestre-sala e porta-bandeira continuam em segredo absoluto, assim como da comissão de frente da escola. Infelizmente não foi possível fazer fotos das fantasias, um pedido feito pela direção da escola e aceito por todos os presentes.

Comente