Projeto da Passarela Popular do Samba pode se tornar realidade

As agremiações que fazem parte da AESCRJ (Associação das Escolas de Samba do Rio de Janeiro), ou seja, os grupos C,D e E, podem ter casa nova para seus desfiles e também para a preparação para o carnaval. Isso ocasionaria o fim dos desfiles na Intendente Magalhães, no Campinho, onde ocorrem desde 2005.

O Grupo Especial já tem seu espaço – a Cidade do Samba – , a Prefeitura já afirmou conseguir um lugar para as escolas do Grupo de Acesso e, agora, a Associação busca concretizar o que foi denominado de "Passarela Popular do Samba", que nesse primeiro momento pode ser erguida em Deodoro.

O vice-presidente da Associação, Fernando Leopoldo, contou ao CARNAVALESCO sobre o projeto:

– Estamos correndo atrás para viabilizar esse projeto. Com a Passarela Popular do Samba, teríamos no mesmo lugar o desfile e os barracões das escolas.  Isso ajudaria muito, principalmente no transporte de carros. Isso sem falar o quanto ajudaria na produção e também nas melhorias de condições de trabalho. Nossa ideia é construir nos mesmo moldes da Morada do Samba, em Cabo Frio – frisou.

Leopoldo também fez questão de falar sobre o público e o local onde pode ser erguido:

– Atualmente estamos tendo um público de 30 mil pessoas acompanhando os desfiles na Intendente. Estamos crescendo bastante. O presidente da Associação, Eduardo José, conseguiu reunir amigos como o designer Hans Donner, que é um dos autores deste projeto, e os urbanistas Edmundo Souto e Ethin Sluger para nos ajudar no que se refere a essa questão do local e para não perdermos público. Chegamos à conclusão que, se realmente for construído em Deodoro, estamos perto do entrocamento da Baixada, Zona Oeste e Zona Norte. Segundo os urbanistas, teríamos que ter perto um meio de transporte de massa, e isso nós teremos, que é a estação de trem. A primeira opção é Deodoro. Porém, se a Prefeitura ou algum outro orgão tiver um local mais apropriado e quiser nos ajudar nessa luta, vamos aceitar – finalizou.

Ainda de acordo com o vice-presidente, as escolas filiadas à Associação já viram o projeto e concordaram em plenária realizada em sua sede.