Quadra lotada e alto astral formam o cenário do ensaio da Porto da Pedra

 

 

 

 

No último carnaval a Porto da Pedra tinha um grande samba, uma grande bateria e um grande intérprete, mas o que se viu na Avenida não foi um desempenho de canto tão satisfatório quanto o esperado por todos. Apesar das grandes atuações da bateria Ritmo Feroz e do intérprete Luizinho Andanças, atualmente na Mocidade, a diretoria do Tigre de São Gonçalo sabe que a comunidade ficou devendo no gogó, fato que acabou contribuindo para oitava colocação da escola. Para que a história não se repita no Carnaval 2012, os componentes da Vermelho e Branco vem trabalhando forte nos ensaios de quadra e a reportagem do site CARNAVALESCO conta como são os treinos semanais da Porto da Pedra.

Vídeo do canto da comunidade da Porto da Pedra

Quadra lotada e alto astral, esse é o cenário encontrado por quem chega à casa do Tigre nas noites de quarta-feira, sempre a partir das 21h30. Apesar de o samba da escola para 2012 não ter despertado reações favoráveis no mundo do samba, muito disso em razão do enredo, sobre o iogurte, é visível a evolução da obra na voz do intérprete Wander Pires, ao som das bossas e desenhos rítmicos da bateria do mestre Thiago Diogo, e do canto dos componentes da escolas, que têm dado boa resposta.

Além de todas as quartas na quadra do Vila Lage, a Porto da Pedra também ensaia na rua aos domingos, às 20h, no bairro Paraíso, próximo do bairro Porto da Pedra, de onde a escola é oriunda. O diretor de carnaval da escola, Amauri de Oliveira, explica a relação entre os dois treinos.
 
– O nosso ensaio de quarta é o início da preparação para o ensaio de rua e os técnicos na Marquês de Sapucaí. Aqui é o momento onde passamos o samba e o andamento para o componente. Eles pegam resistência, pois o ensaio com o samba de 2012 dura uma hora, uma hora e dez. Sabemos que nenhum componente de ala fica esse tempo todo na Avenida, mas temos a preocupação de trabalhar a resistência deles.

As paralisações para a correção dos erros, segundo Amauri, também é uma constante nos ensaios técnicos de quadra. Geralmente as intervenções são para corrigir uma falha dos componentes no canto ou para adequação do andamento que a escola irá adotar na Avenida. As diferenças entre ensaiar na rua e na quadra foi abordada por Amauri.
 
– A maior diferença é a acústica. Estamos tentando minimizar isso. Quando não está chovendo, levamos a bateria para a parte externa da quadra, já que na parte de dentro temos problemas com a reverberação do som. Além disso, na rua, o componente fica mais próximo das situações de desfile. Mesmo sem as alegorias, temos uma boa possibilidade de trabalhar a evolução.

Cerca de mil pessoas participam dos ensaios técnicos da Porto da Pedra e as inscrições para as alas de comunidade ainda estão abertas. A escola tem como filosofia de trabalho a doação de praticamente a totalidade de suas fantasias para a comunidade, Para se ter ideia, em 2011, apenas 70 fantasias foram comercializadas e, as pessoas que compram, são mescladas com os integrantes da comunidade dentro de uma mesma ala.

Bateria

Com a tranquilidade de quem tem a bateria na mão e a sensação do dever cumprido de ser o responsável pelo segmento que mais pontos deu a Porto da Pedra nos últimos carnavais, mestre Thiago Diogo trabalha forte para manter o bom nível de sua bateria no Carnaval 2012. Para que os elogios ao desempenho de seus ritmistas sejam mantidos, ele cobra muita seriedade nos ensaios técnicos de quarta-feira.
 
– É um diamante! Vamos lapidando a cada quarta-feira e a seriedade é fundamental para o desenvolvimento do trabalho. Às vezes erramos o andamento, mas já achamos o ponto ideal de quanto ele deve partir, o quanto queremos manter. Cronometramos também o tempo de cada passada do samba para contribuir com a dança do casal e da comissão de frente. Trabalhamos a nossa afinação, a integração entre os ritmistas e treinamos as bossas. Temos as bossas técnicas para os jurados e as bossas para puxar ou frear o andamento. O ensaio precisa ser em excesso, é um desfile a cada quarta-feira. Graças a Deus a integração com o carro de som também está fluindo maravilhosamente bem.

Vídeo da bateria da Porto da Pedra

Foto: Ricardo AlmeidaMuitas vezes a quantidade de ritmistas se revezando na bateria da Porto da Pedra nos ensaios técnicos chega a 200 pessoas, 70% dos 280 que terão a responsabilidade de ritmar o desfile da escola. Thiago Diogo revela ter ritmistas de diferentes regiões do Rio e até mesmo do estado de São Paulo, por isso realiza alguns ensaios na Cidade do Samba, mas garante que nenhum deles desfila sem comparecer à quadra da escola, em São Gonçalo.

Foto: Ricardo AlmeidaAo todo cinco bossas estão sendo ensaiadas, mas Thiago pretende usar quatro delas no desfile oficial. O diretor de bateria, que cria todas elas com a ajuda de seus diretores auxiliares, revela que a escolha das que irá usar é guiada pelo coração, mas prefere não elencar uma favorita.
 
– Acho que todas são no mesmo nível. Todas as bossas valorizam cada instrumento da bateria e o entrosamento com o Wander está sensacional. A bateria já tem uma cara e é legal ver o nosso trabalho reconhecido. O astral não poderia ser melhor e nos divertimos bastante com o nosso trabalho. Hoje o ritmista da Porto da Pedra entende o quanto ele é importante para a escola.
 
Mestre-sala e Porta-bandeira
 
Estreando na Porto da Pedra, o casal Fabrício Pires e Cristiane Caldas chegarão ao terceiro ano consecutivo dançando juntos na Marquês de Sapucaí. Os dois defenderam o pavilhão da Mocidade nos últimos dois anos e já parecem bem à vontade com o Vermelho e Branco do Tigre de São Gonçalo. O entrosamento obtido pela dupla se reflete no cronograma de trabalho, já bem adiantado.
 
– Já temos a nossa coreografia de jurados montada há cinco meses. Só a apresentaremos no dia do desfile oficial e ensaiamos sempre no Sambódromo, em horários diferentes. No dia do ensaio técnico ela não será apresentada. É uma coreografia tradicional, não tem nada de miraculosa, mas é um simples muito bonito. O nosso tempo juntos facilita muito essa questão – afirmou Fabrício.

Além do talento, o casal terá como aliado o coreógrafo Bonifácio Júnior em busca das notas máximas no Carnaval 2012. Cristiane Caldas comenta o reforço.
 
– É primeira vez que estamos trabalhando com ele está sendo maravilhoso. Ele nos ajudou na limpeza da nossa coreografia e é uma pessoa adepta do diálogo, nos ouve bastante.
 
O casal não participa dos ensaios às quartas-feiras na quadra, devido a um trato com a direção de carnaval da escola no dia da assinatura do contrato. Ao todo são três ensaios por semana na Marquês de Sapucaí, fora a preparação paralela e os ensaios na Cidade do Samba.

– Eu faço tratamento estético, drenagem, malho, controlo a alimentação e acupuntura, uma novidade que tem me ajudado bastante até. Acho importante essas outras preparações. Tudo isso ajuda bastante para desempenhar um papel ainda melhor – disse Cristiane.

Comente: