Rebaixada no Grupo Especial, Grande Rio não aceita notas dos jurados para suas alegorias

Por Gabriel Leal

grande-rio_desfile_2018_63-4Com a décima segunda colocação na tabela, a Acadêmicos do Grande Rio foi rebaixada para a Série A do carnaval carioca, juntamente com o Império Serrano. Totalizando 266,8 pontos, a Tricolor de Caxias ficou apenas 0,1 décimo abaixo da São Clemente, décima primeira colocada. Torcedores, presidente, casal de mestre-sala e porta-bandeira e diretores de diversos departamentos compareceram à Praça da Apoteose para acompanhar a apuração. A cada quesito lido o semblante de aflição e indignação tomava conta do box da escola e somente na última nota do quesito samba-enredo a São Clemente assumiu a décima primeira colocação oficializando o rebaixamento da Tricolor de Caxias.

– É inesperado. Um carnaval daquele que nós fizemos. Mas vamos recomeçar, fazer tudo de novo. Fazer um carnaval muito melhor. No próximo carnaval vamos ver se o jurado reconhece pelo menos as alegorias da Grande Rio. Não concordo com várias notas. Todas as notas foram horríveis. Nesse momento não tenham nem como falar direito. Me desculpa – lamentou o presidente Milton Perácio, após parabenizar o presidente Renatinho da São Clemente, localizado no box ao lado.

A principal reclamação da equipe da Grande Rio foi no julgamento dos quesitos plásticos. Em alegorias e adereços, as criações de Renato Lage não obtiveram nota máxima em nenhum dos quatro módulos de julgamentos, por exemplo. Já nas fantasias, a Tricolor de Caxias emplacou duas notas 10, na primeira e na última cabine de julgamento, mas derrapou em uma nota 9,8 e uma 9,9. Mesmo com a não apresentação de uma parte do desfile, os diretores acreditam que exibido tinha qualidade suficiente para obter notas maiores.

Procurado pela equipe do CARNAVALESCO, o diretor de carnaval da escola Dudu Azevedo comentou sobre a grande polêmica do último carro e a decisão de manter a escola parada pelo menos 10 minutos, enquanto a equipe de força da escola tentava solucionar o problema da alegoria.

– A escola toda já estava na pista e aconteceu esse problema com o último carro. A gente preferiu não correr. Só quem passa ali na hora sabe o que acontece. Tomamos as decisões que tínhamos que tomar – disse o diretor de carnaval.