Renascer e escolas dos grupos A e B vão ser despejadas no sábado e planejam manifestação

O presidente da Lesga, Reginaldo Gomes, revelou nesta segunda-feira para o site CARNAVALESCO que todas escolas que ocupam os barracões no espaço chamado Carandiru vão ter que deixar o local. São seis agremiações no Grupo B, além da Viradouro, Cubango e Santa Cruz, que estão em espaço fora do Carandiru e que também vão ter que sair dos locais que ocupam. O dirigente pede apoio ao prefeito Eduardo Paes e ao secretário de Turismo, Antonio Pedro, para que uma solução seja encontrada. De qualquer maneira, a Lesga já planeja uma manifestação para o sábado, às 8h, no Carandiru.

– No dia 27 de junho, nós recebemos a visita do oficial de justiça, houve um prazo, solicitaram que a Lesga procurasse um local, nós visitamos uma área, o secretário Antonio Pedro disse que já estava resolvido, mas no dia 7, um operação da polícia no local que seriam os barracões, deixou todo mundo surprendido. Tive uma reunião com representantes da Companhia de Desenvolvimento do Porto do Rio, que nos avisaram que seriam os interlocutores da prefeitura para dar solução. Pediram que a Lesga procurasse outra área, porque aquela da Avenida Brasil não poderia ser. Pedimos um prazo de 15 dias para informar áreas que poderiam receber essas barracões, mas o juiz disse que não queria mais conversa e que as escolas estão com o prazo até o dia 22 de outubro para deixar o local. Procuramos a Riotur, mas todo mundo está viajando. Estamos com um impasse, em uma semana não podemos sair daquele espaço, porque o processo de mudança não é tão rápido. Os presidentes não sabem o que fazer. A Lesga não tem meio jurídico para impedir essa integração de posse.

Reginaldo Gomes explicou o que a Lesga pretende fazer: – vamos mobilizar todas comunidades para sábado estarem no Carandiru para negociar com a prefeitura e órgãos de justiça para tirar todo mundo de lá. Esse despejo compromete todos os desfiles. Será muito difícil apurar o resultado. Pedimos uma ajuda para o prefeito e procuradoria do município. Pedimos para terminar apenas esse ano e após o carnaval nós resolveríamos isso. Caso o despejo aconteça, nós não vamos deixar os carros serem cortados. Vamos colocar na rua e isso vai causar transtorno para cidade. Tenho certeza que antes disso o prefeito vai arrumar uma solução.

O presidente da Lesga contou ainda que os Grupos A e B não devem ter rebaixamento, caso esse problema de barracões continue. – Faltando quatro meses para o carnaval, as escolas estão sem lugar para fazer o desfile, nós não podemos penalizar com o rebaixamento. Todo mundo critica, mas temos certeza que essas agremaições estão sendo prejudicadas.