Ricardo Barbieri: ‘Presidente de escola de samba adora imprensa chapa-branca’

Como acontece com os políticos, presidente de escola de samba adora imprensa chapa-branca. Aquela que curte camarote, whisky, passe livre em festas VIP e outras mordomias nas quadras e avenida. O engraçado é que nós que sempre criticamos veículos de comunicação, parceiros históricos de quem está no poder; nos encantamos com a docilidade de quem oferece elogio fácil aos dirigentes de carnaval.

Tem até comentarista de carnaval que é compositor, concorre em dezenas de concursos de samba e, lógico, vê todas as decisões dos cartolas de carnaval como se fosse Mary Poppins, vivendo a fantasia de um lar perfeito.

O problema não são eles, mas aqueles leitores e ouvintes que dão crédito ao que eles dizem.

Tem quem considere uma heresia fazer crítica independente. Estes atribuem perfeição divina às coisas de suas escolas. Existem ainda aqueles que se irritam com qualquer comentário que não seja elogioso. Dizem que “quem fala mal do carnaval não gosta de samba”. Portanto, bom sujeito não é.

Não se trata de não gostar de samba. Trata-se de não gostar da forma como gente mesquinha e gananciosa prejudica a alma do samba.

Futebol, política, teatro, cinema, todos os setores estão sujeitos a críticas. Por que no carnaval isto é demonizado ? Dizer que um carro é feio, que um samba é ruim, muitas vezes, não é nada mais do que uma constatação.

Não dá pra perdoar um dirigente que pega o microfone para maltratar publicamente as baianas, repreender o mestre de bateria, demitir o intérprete no palco ou tentar reinventar a história da escola apenas mudando o nome da quadra.

Ora. Quem merece respeito não promove este tipo de exposição, tampouco humilha seus semelhantes. Portanto, nada mais razoável do que tratar os cartolas do samba com o mesmo nível de cobrança que impõem aos componentes da escola. A responsabilidade é toda deles. Escolha ruim de samba? Comissão julgadora é o escambau ! A decisão é do presidente.

Tem presidente que bate no peito e assume a responsabilidade pela escolha ruim e diz que podem cobrar dele. Mas, cadê coragem para cobrar? O engraçado é que há sempre uma tropa de choque pronta para agir em defesa desses caras.

Por outro lado estão lá também, resistindo à cartolagem, os artistas de verdade. Sambando, cantando, compondo e reerguendo sempre a bandeira do samba.

Eu? Eu acredito é nessa rapaziada.

Comente: