Rocinha abre neste sábado finais de samba. Veja o especial sobre a decisão

Muitas vezes mais aguardadas que o próprio desfile, as finais de samba-enredo finalmente chegaram. Como de praxe, o leitor do CARNAVALESCO ficará por dentro de cada detalhe que envolverá este fascinante período. E a festa começa com a escolha do hino oficial da Acadêmicos da Rocinha, que falará sobre o espírito democrático que as praças ao redor do mundo despertam nas pessoas no Carnaval 2012. Por isso, preparamos uma espécie de guia, para que você fique bem informado sobre o evento que acontece neste sábado, a partir das 22h, e terá transmissão do site.

* Clique aqui para ouvir os sambas finalistas na Rocinha

Parcerias

Formada pelas mesmas parcerias que chegaram à decisão do ano passado, a final da Rocinha apresenta um cenário bem peculiar: cada obra tem características bem distintas das outras concorrentes, o que faz a escolha ser ainda mais complicada para a diretoria da agremiação de São Conrado. Conversamos com um compositor de cada uma das três parcerias finalistas. Saiba detalhes da composição de cada samba e o que eles preparam para o sábado.

Samba 1 – (Cadinho, Mauro Speranza, Dartagnan, Ricardo Barriga, João Gordo e Márcio do Swing)

Como está a expectativa para sábado?
Cadinho: Estamos bastante otimistas, acho que esse ano acertamos a mão. Ano passado fizemos um samba maravilhoso, mas pecamos na pegada, agora fizemos um samba mais alegre, pra frente, leve. Vamos entrar com tudo no palco no próximo sábado para coroar o grande trabalho que fizemos durante as eliminatórias. Vai depender muito do que a escola vai querer como hino oficial. São sambas bem diferentes. Seja qual for o resultado, acredito na transparência da diretoria da Rocinha.

Acreditavam que estariam na final desde o início da disputa
Cadinho: Sim. Na entrega dos cd´s já analisamos as outras obras e chegamos à conclusão que quatro sambas chegariam. E os quatro chegaram. Ficamos até surpresos com a queda do Samba 9. Era o que achávamos que daria mais trabalho.

Onde o samba foi feito? Quanto tempo demorou?
Cadinho: Primeiro nós fizemos a melodia para depois encaixar a letra. Preferimos fazer desta forma e acabou dando certo. Cada um foi fazendo a sua versão e depois juntamos, no próprio estúdio, em Vila Isabel. Acho que demorou uns dez dias para ficar pronto.

Alguém da parceria já foi campeão na Rocinha ou em outra escola?
Cadinho: Na Rocinha, não. É o nosso segundo ano e chegamos à final mais uma vez, mas o Mauro Speranza e o Márcio do Swing foram campeões na Caprichosos, no enredo sobre o Espírito Santo, em 2006.

Qual é o ponto alto do samba?
Cadinho: Gosto muito dos primeiros versos. A combinação ali é muito bonita, uma verdadeira exaltação à escola, mas, na quadra, a segunda parte tem rendido bem. Acho que ele é bem construído de uma maneira geral.

Pretendem levar quantas pessoas para torcer pelo samba na final e quanto gastaram durante a disputa?
Cadinho: Se tudo der certo, pretendemos levar de 250 a 300 pessoas. Quanto ao gasto, deverá chegar a 11 mil reais, maior até do que deverá ser o prêmio(risos).

Qual é o adversário mais forte dessa final?
Cadinho: Olha, até tenho um que acho bem forte sim, mas prefiro não falar. Depois vão ficar chateados comigo. É melhor ficar quieto(risos).

Qual é a sua ligação com a Rocinha?
Cadinho: Sou morador da comunidade e sempre acompanhei, mesmo que de longe, os carnavais da Rocinha. Recentemente, resolvi me aproximar da escola e agora não largo mais. Muitas pessoas me chamavam para participar anteriormente, mas conheço toda a história da Rocinha. O primeiro presidente era meu vizinho e eu até já caí em cima das alegorias da escola quando elas eram feitas na quadra, na época que a Rocinha não tinha barracão. Nessa época, ainda não havia tido a fusão dos blocos que originaram as agremiação. Fui soltar pipa na lage da quadra e acabei caindo em cima dos carros e quebrando algumas coisas(risos).

Quem cantará o samba na final?
Cadinho: Isso é surpresa, ainda não está definido. O Zé Paulo vem cantando muito bem, mas ainda não sabemos se ele poderá estar presente. Precisa abrir os trabalhos na Mangueira e cantar no Salgueiro também, ainda estamos resolvendo isso, vai depender da nossa ordem de apresentação.

Samba 4 – (Alexandre Naval, Jairo do Recreio, Carlinhos Maciel, Marcelo Poesia, J. Do Táxi, Marquinhos do Armazém)

Como está a expectativa para sábado?
Alexandre Naval: Pela qualidade da nossa obra, a expectativa é a melhor possível. Com todo o respeito aos colegas, fizemos um trabalho excelente. A aceitação que tivemos na quadra fala por mim. Acho que temos boas chances de vitória. Sempre fico com um pé atrás, já que disputei finais com sambas bons e não ganhei, mas estou confiante.

Acreditavam que estariam na final desde o início da disputa?
Alexandre Naval: Com certeza. Tivemos o cuidado de levar para o carnavalesco analisar se o que estava no samba realmente tinha a ver com o enredo. Além disso, temos confiança no nosso trabalho ao longo da disputa.

Onde o samba foi feito? Quanto tempo demorou?
Alexandre Naval: Nós fizemos num bar, na Tijuca, e em encontros no Engenho de Dentro, onde metade da parceria mora. Levamos, em média, um mês e meio para fazer.

Alguém da parceria já foi campeão na Rocinha ou em outra escola?
Alexandre Naval: Eu já fui vice algumas vezes, tô na minha quarta final na Rocinha (as outras foram em 2008 ,2009 e 2011). Na parceria tem o Marqunhos do Armazém, maior campeão de samba da Rocinha, mas já cheguei à finais na Estácio de Sá e Vizinha Faladeira. O J. Do Táxi venceu na Unidos de Vila Santa Tereza, em 2011, e o Carlinhos Maciel e Jairo do Recreio ganharam no Arranco, em 2007.

Qual é ponto alto do samba?
Alexandre Naval: Gosto muito da preparação para a entrada do refrão. A parte que diz: ' E vamos juntos levantar nossa bandeira, na capital da pátria amada brasileira'. Fala da praça dos Três Poderes, em Brasília.

Pretendem levar quantas pessoas para torcer pelo samba na final e quanto gastaram na disputa?
Alexandre Naval: A princípio vamos levar entre 300 e 350 pessoas, mas é um número que pode aumentar. Até aqui, já gastamos oito mil reais juntando todo o processo, mas depois da final o número será diferente.

Qual é o adversário mais forte dessa final?
Alexandre Naval: Acho que estamos no mesmo nível. O que nos diferencia é a característica, que é bem distinta em cada samba. Tem samba dolente, samba pra frente. Vai depender do tipo de desfile que a Rocinha vai querer fazer.

Qual é a sua ligação com a Rocinha?
Alexandre Naval: Estou na escola há 12 anos, sempre como compositor. Também presido a ala de compositores há seis anos.

Quem cantará o samba na final?
Alexandre Naval: Será o Carlinhos Madureira, um intérprete que vem se destacando, fez um belo trabalho durante as eliminatórias.

Samba 7 – (Edinho, Diego do Carmo, Daniel Barbosa, Luiz Thiago, Vitor Coutinho e Wisley da Cuíca)

Como está a expectativa para sábado?
Edinho: Muito boa, estou bastante ansioso. Vamos ver se conseguimos o bi. O samba foi muito bem elaborado, é fácil e o público gosta de cantá-lo. A disputa está bem acirrada, mas fizemos o samba com a mesma característica da obra do ano passado, com a preocupação de não colocar palavras difíceis aliada a uma melodia leve.

Acreditavam que estariam na final desde o início da disputa?
Edinho: Desde o início estamos confiantes. A disputa tem um bom nível, assim como no ano passado e, agora, vamos deixar acontecer.

Onde o samba foi feito? Quanto tempo demorou?
Edinho: Fizemos em diversos encontros nas casas dos autores e em bares também. Demoramos uma semana para fazer e mais 15 dias para gravá-lo.

Além do título do ano passado, alguém da parceria já venceu em outros carnavais ou em outras escolas?
Edinho: Essa parceria é nova. Eu sou o mais antigo, mas nunca havia conseguido vencer na escola, só tinha chegado na semifinal. Estamos juntos há pouco tempo, mas já está dando certo. Já venci na Vila Rica também e disputei na São Clemente.

Qual é o ponto alto do samba?
Edinho: Gosto muito do refrão do meio: 'A mesma praça o mesmo/ A magia entre arranha-céus'. Ficou linda essa parte.

Pretendem levar quantas pessoas para a torcer pelo samba na final e quanto gastaram na disputa?
Edinho: Não sei exatamente quantas pessoas vão vir, mas sei que sairão ônibus de vários pontos da cidade: dois em Copacabana, em Vila Isabel, no Jardim Botânico, fora os amigos que vão torcer por nós. Também não tenho ideia de todo o dinheiro gasto, mas foi uma quantia bem significativa. Cada vez que o samba se classifica você desembolsa mais dinheiro. É assim mesmo.

Qual é o adversário mais forte dessa final?
Edinho: Acho que o samba do Cadinho(Samba 1) é o principal oponente. É um estilo diferente, mais rápido.

Qual é a sua ligação com a Rocinha?
Edinho: Sou compositor da escola há dez anos. Gosto muito do ambiente da escola, me sinto em casa.

Quem cantará o samba na final?
Edinho: Vai ser o Hugo Júnior. Ele tem toda a nossa confiança.

Expectativa da diretoria

Seja qual for a escolha da diretoria da Rocinha no próximo sábado, é sabido que a opção representará também a estratégia de desfile da agremiação para o Carnaval 2012. O presidente Déo Pessoa, que encara seu segundo ano de gestão na Rocinha, sabe bem disso e, ao contrário do que a grande maioria faz, garante que vai para a final sem saber ainda qual samba será escolhido.
 
– Todo o processo de escolha foi bem satisfatório. Estamos tendo, a exemplo do ano passado, muita tranquilidade, transparência e respeito com os compositores. São três grandes sambas, distintos. Posso te dizer que vamos tomar essa decisão no próximo sábado. Vou buscar o que for melhor para o nosso desfile. A direção de carnaval, o carnavalesco, o mestre de bateria, o intérprete, todos serão consultados e vamos tomar a decisão pensando no componente da Rocinha – disse o presidente.

Déo também revelou não ter preocupação em escolher uma obra fácil de ser cantada, até porque, de acordo com ele, a direção de harmonia da escola intensificará ainda mais o trabalho de desenvolvimento do 'chão' da Rocinha. Para isso, assim que terminar a gravação do cd, a escola voltará a ensaiar dentro da comunidade, a exemplo do que já havia feito no último carnaval.

– Quero convocar todos os sambistas para estarem presentes na nossa final. Vamos abrir o calendário de finais de samba e vamos fazer com muita competência e organização. Quem for à Rocinha não se arrependerá. Esse é um momento muito importante para a escola. O começo de tudo – finalizou.

Programação

22h – Abertura com grupo de pagode e dj
0h – Esquenta da bateria
0h30 – Sorteio da ordem de apresentação das parcerias e definição das regras de apresentação
0h30m – Apresentação da escola ( sambas de outros carnavais e apresentação dos segmentos)
1h – Previsão de início das apresentações dos sambas concorrentes
4h – Previsão de anúncio do samba campeão

Como chegar

A quadra da Rocinha fica na rua Bertha Lutz, número 80, junto à Autoestrada Lagoa-Barra, sentido Zona Sul. Para quem vai de ônibus, existem algumas opções. Em todas elas, é preciso descer do coletivo no primeiro ponto após o tunel Zuzu Angel. Depois disso, basta atravessar a passarela que acaba em frente à quadra da escola.

Confira as linhas
175 – Central – Barra da Tijuca (Via Copacabana/Av. das Américas)
176 – Central – São Conrado
178 – Rodoviária – São Conrado
179 – Central – Recreio dos Bandeirantes
591 – São Conrado – Leme (Via Copacabana) (Circular)
524 – Botafogo – Barra da Tijuca (Via Humaitá)

Para quem vai de táxi, fica a dica. Em bandeira 2, forma de cobrança depois das 21h, uma corrida do Centro do Rio até a quadra da Rocinha custa entre R$ 40,00 e R$ 50,00. Já quem prefere ir de carro particular, deve sair de casa mais cedo. O complexo que fica ao lado da escola está em obras e o estacionamento na frente da quadra possuí em média 50 vagas. A diretoria da escola aguarda um público em torno de quatro mil pessoas durante a noite.

Quem é o favorito para vencer na Rocinha?