Rodrigo Coutinho analisa a bateria da Portela no desfile

Por Rodrigo Coutinho

portela_desfile_2018_59Segunda bateria a entrar na Avenida nesta segunda-feira de folia, a Tabajara do Samba, da Portela, comandada pelo mestre Nilo Sérgio, beirou a perfeição e deve garantir pontuação máxima para a azul e branca. Certamente foi a melhor apresentação dos ritmistas da atual campeã do carnaval nos últimos anos.

É preciso registrar a diminuição no andamento em comparação às últimas apresentações. A largada foi a 147 BPM e o ”click” chegou a 145 BPM nos últimos 20 minutos de desfile. Creio que um andamento mais confortável proporcionou o cenário ideal que para que todos os instrumentos rendessem. A começar pelo naipe de caixas, extremamente coeso e sincronizado, oferecendo uma ”esteira” de ritmo perfeita!

Afinação de surdos funcionando de maneira precisa. Outro fator primordial. Terceiras também mais conservadoras, preocupadas em condução rítmica, se destacaram. Chocalhos, cuícas e agogôs muito funcionais, cumprindo o seu papel na bateria.

Tamborins muito bem em todo o desfile no que diz respeito a ritmo. A qualidade já conhecida no naipe da Portela, tocando um complexo mas coerente desenho rítmico. Deixaram a desejar apenas em uma bossa feita no módulo 3, na parte do samba ”Chega criança…”. Houve pequena imprecisão de alguns ritmistas na parte direita da bateria.

Bossas bem ousadas, de alto grau de dificuldade, mas muito bem executadas. Percebe-se um incansável ritmo de ensaios para chegar ao padrão visto!