Rodrigo Coutinho analisa a bateria da São Clemente no desfile

Por Rodrigo Coutinho

sao-clemente_desfile_2018_054Segunda a pisar na Marquês de Sapucaí neste domingo, a Fiel Bateria, comandada pelos mestres Caliquinho e Gil teve rendimento muito bom. Não fosse por pequenos detalhes na parte ”leve” da bateria, poderia ter feito certamente a melhor apresentação de sua história.

No ”peso” tudo perfeito. Andamento inicial de 145 BPM, mas mantido em 144 BPM ao longo de todo o desfile. Afinação de surdos perfeita e mantida por todo o desfile. Participação muito interessante dos naipes de caixa, repique e dos surdos de terceira. Produziram um ”miolo” perfeito para o desenvolvimento da bateria da São Clemente. Chocalhos e cuícas também muito bem.

A ressalva fica por algumas falhas de execução do desenho de tamborim por parte da ala. Nos momentos de ”breque” e ”cortes” houve falta de sincronia entre os tamborins da segunda e da terceira fileira do lado esquerdo da bateria. O fato ocorreu nos módulos 2 e 4. Também no módulo 2 houve falha considerável de sincronismo no naipe de agogôs. O desenho do instrumento na ”cabeça” do samba gerava certo choque de ideias com a participação dos chocalhos e tamborins.

Conjunto de bossas um pouco mais complexo do que as apresentadas pela São Clemente nos últimos anos. Todas elas perfeitamente executadas.

Um comentário em “Rodrigo Coutinho analisa a bateria da São Clemente no desfile

Os comentários estão desativados.