Rodrigo Coutinho analisa a bateria do Salgueiro no desfile

Por Rodrigo Coutinho

salgueiro_desfile_2018_06O que dizer quando uma bateria alcança o amadurecimento pleno e parece tocar no ”piloto automático”? Assim é atualmente a Furiosa do Salgueiro comandada pelo mestre Marcão. É mais uma bateria e diminuir um pouco o andamento e conseguir um rendimento ainda melhor.

Com largada a 145 BPM e pequenas variações para 144 ao longo do desfile, a bateria salgueirense deu um verdadeiro show no Sambódromo. Se a agremiação é apontada como candidata ao título, a Furiosa certamente contribuirá com todos os pontos possíveis em seu quesito.

Impressionante o conjunto de bossas da Furiosa e a competência com que foram realizadas. Há muita qualidade de material humano na bateria do Salgueiro, mas de nada adiantaria sem muito trabalho e condução correta da direção da ala.

Não houve nada a lamentar durante todo o desfile. Todos os naipes executados perfeitamente e muito integrados. Um exemplo perfeito é a combinação de arranjos entre tamborins, chocalhos e cuícas, além do casamento perfeito entre a afinação dos surdos, caixas e repiques no peso. Muito ritmo! O Salgueiro já tem um trabalho neste momento de uma bateria que ficará marcada na história do ritmo carioca.