Safra de sambas é o ponto alto na festa de lançamento do CD da Série A para 2016

Grandes apresentações das escolas da Série A marcaram a festa de lançamento do CD para o Carnaval 2016, na noite desta terça-feira, no Centro Cultural Ação da Cidadania, na Gamboa. Pelo segundo ano consecutivo, o evento contou com a presença do público apaixonado por carnaval e não apenas dos convidados das escolas. Viradouro, Unidos de Padre Miguel e Tuiuti foram destaques. Santa Cruz, Alegria da Zona Sul e Inocentes de Belford Roxo também passaram muito bem. Vale citar que nenhuma escola fez apresentação desastrosa, sinal que a safra de sambas para 2016 deve impulsionar bons desfiles na sexta e sábado de carnaval, dias 5 e 6 de fevereiro de 2016. 

* OUÇA AQUI A REPRISE DA TRANSMISSÃO DO LANÇAMENTO DO CD

* VEJA AQUI FOTOS DAS APRESENTAÇÕES DAS ESCOLAS

A Unidos do Viradouro mostrou toda força do seu já amplamente elogiado samba-enredo. A agremiação foi a antepenúltima a se apresentar e botou todo o povo presente para cantar a obra. A vermelho e branco comprovou ao vivo que possui um dos sambas mais fortes do Carnaval 2016. O intérprete Zé Paulo apenas subiu ao palco no momento que a escola foi anunciada, mas em seguida desceu para cantar junto da plateia. Com sua habitual energia tornou a obra ainda mais valente e colocou todo mundo para cantar. Destaque ainda para a elegância do casal de mestre-sala e porta-bandeira, Marquinhos e Giovana.

* VEJA AQUI: LUIS CARLOS MAGALHÃES COMENTA SOBRE A FESTA DO CD DA SÉRIE A

As escolas de samba da Série A capricharam nas apresentações durante a noite. A Caprichosos levou diversas bandeirinhas nas cores da agremiação, a Porto da Pedra trouxe dois enormes bandeirões de São Gonçalo, as baianas da Renascer distribuíram balas e doces para o público. A bateria dos mestres, comandada por Paulinho Botelho, da Unidos do Viradouro, se apresentou ao longo de toda a noite. Cada mestre de bateria assumia o comando no momento da passagem de sua respectiva agremiação. O grupo foi ideia do produtor Ivo Meirelles. 

O presidente da Lierj, Déo Pessoa,  discursou para os presentes antes do início das apresentações dos sambas e afirmou que o evento era de celebração. – Hoje é o momento dos compositores se confraternizarem. E da gente agradecer a eles por mais uma safra de qualidade, que vai nos permitir mais um grande desfile na Marquês de Sapucaí – afirmou Déo Pessoa. Diversas autoridades e personalidades do carnaval marcaram presença na festa da Lierj. Além da diretoria da entidade, marcaram presença o diretor de operações da Riotur, Luiz Gustavo Mostof, o engenheiro Edson Marcos, representando a Liesa, integrantes da AMI7, e ainda diversos apoiadores dos desfiles da Lierj, como fornecedores, patrocinadores e a emissora detentora dos direitos de transmissão dos desfiles.

'Faço CD para ganhar Grammy', dispara Ivo Meirelles

O produtor do CD Ivo Meirelles não teve papas na língua ao atender a reportagem do CARNAVALESCO durante o evento. Ao ser indagado sobre eventuais críticas a seu trabalho de produtor disparou: – Eu não tenho culpa se penso na frente das pessoas. Da maneira como são feitos os CDs de samba-enredo nunca vão brigar por uma premiação importante. Eu penso em ganhar o Grammy. É um trabalho de percussão. Isso é escola de samba – afirmou.

Ivo abriu a noite no no Centro Cultural Ação da Cidadania com seu conjunto Samba Pop. Coincidência ou não ele iniciou o show com uma versão musicada da oração a São Francisco de Assis, que dentre outros versos, conta com trechos como "Onde houver ofensa, que eu leve o perdão" e "Onde houver ódio, que eu leve o amor". – Eu fui expulso da quadra da Mangueira em 1990 por cantar Jorge Ben Jor e Tim Maia. Hoje em qualquer ensaio se canta isso. Penso fora da caixa – revela.

Confira abaixo uma breve análise sobre a passagem de cada escola:

Unidos de Padre Miguel: A contratação de Luizinho Andanças se mostrou um acerto, pois foi nele o ponto alto da apresentação da escola, que novamente levou um enorme contingente para o evento, apesar da distância da comunidade para o centro da cidade. O samba se mostrou valente e foi bem cantado.

Império Serrano: Bastante melodioso esteve aquém na comparação com outras grandes obras na noite. Pixulé demonstrou a competência habitual na condução, mas faltou aquela força típica do imperiano. O casal de mestre-sala e porta-bandeira, Feliciano Junior e Raphaela Caboclo, é um ponto de muita categoria e segurança da Serrinha.

Viradouro: Zé Paulo incendiou o público e o samba prova a cada dia que vai disputar todos os prêmios de 2016. A satisfação dos compositores no palco se assemelha àquela demonstrada na histórica final de samba da agremiação.

Cubango: Apesar da animação dos cubanguenses, a obra não mostrou a mesma força da final de samba. Destaque para a performance de Cris Alves (rainha de bateria) no palco, novamente tocando tamborim, e do casal de mestre-sala e porta-bandeira, Diego Falcão e Jackeline Gomes.

Paraíso do Tuiuti: Um dos sambas mais elogiados no período de disputas está pronto. A obra tem uma letra muito bem construída e a melodia não deixa o canto cair. Um grande show da comunidade de São Cristóvão capitaneada pelo competente Daniel Silva.

Império da Tijuca: Apresentação distante dos sambas de 2013 e 2014 da verde e branco da Formiga. O intérprete Rogerinho, apesar de já estar entrosado na agremiação, não conseguiu imprimir força para apresentação, que era a principal característica da escola nos anos anteriores. O trabalho da competente harmonia da escola nos ensaios será fundamental para o samba chegar no lugar certo no desfile.

Caprichosos de Pilares: Destaque para a animação da torcida, que levou bandeirinhas, lembrando um clima de final de samba, mas ainda é pouco para uma escola como a Caprichosos de Pilares, que é uma das forças da Série A.

Inocentes de Belford Roxo: Condução segura de Nino do Milênio, que demonstra estar atingindo a maturidade na sua carreira. Sua atuação deu brilho ao já bonito samba que homenageará Cacá Diegues. O casal Peixinho e Jaçanã é outro ponto alto da escola.

Renascer de Jacarepaguá: A dupla Diego Nicolau e Evandro Mallandro segue o entrosamento forte e confirma ser possível ter duas grandes vozes no mesmo carro de som. Deram ainda mais brilho à bela obra da Renascer. As baianas deram um show de simpatia ao distribuir doces na plateia.

Santa Cruz: A verde e branco foi uma das gratas surpresas da noite, com um rendimento muito bom do samba. Pavarotti fez o samba crescer.  

Porto da Pedra: Anderson Paz novamente mostra porque é uma das vozes mais respeitadas do carnaval. O já gostoso samba da Porto da Pedra ganhou muito com a voz do experiente intérprete, o grande destaque da apresentação. Dois bandeirões deram brilho à apresentação.

União do Parque Curicica: Outra agremiação que tem um samba interessante para o Carnaval 2016. Melodia animada que possibilita um canto solto e a segura presença de Ronaldo Yllê. Fez uma bela apresentação e com destaque para o casal de mestre-sala e porta-bandeira Matheus Olivério e Alessandra Chagas.

Alegria da Zona Sul: Tiganá encaixou seu estilo vocal ao samba e não o fez perder em nada, em relação à fase eliminatória. Mais uma obra candidata à premiações em 2016. Excelente apresentação.

Rocinha: Leléu foi o grande destaque da apresentação, mostrando porque não pode estar fora da Marquês de Sapucaí. Samba leve, dentro das características da escola, que pode permitir o sonho da permanência na Série A. Iniciou com empolgação a noite de apresentações. 

* VEJA AQUI FOTOS DOS BASTIDORES 

* OUÇA AQUI OS SAMBAS NA VERSÃO DO CD OFICIAL