Salgueiro: Leonardo Bessa e Serginho do Porto assistem a ‘Ópera do Malandro’ no João Caetano

Os intérpretes do Salgueiro, Leonardo Bessa e Serginho do Porto, aproveitaram a noite de sexta-feira para conhecer a montagem teatral 'Ópera do Malandro' que inspirou o enredo da agremiação desenvolvido para o Carnaval 2016 pelos carnavalescos Renato e Márcia Lage e está em cartaz no Teatro João Caetano, na Praça Tiradentes, no centro do Rio de Janeiro. Acompanhados da equipe que forma o carro de som da Vermelho e Branco, os cantores acompanharam na íntegra os atos da peça, vibraram com os momentos mais marcantes e conheceram, ao final do espetáculo, todo o elenco da trama.

* OUÇA AQUI OS SAMBAS CONCORRENTES PARA O CARNAVAL 2016

Bessa contou ao CARNAVALESCO que se sentiu maravilhado em prestigiar a peça: – Saio daqui maravilhado por poder ter contato com essa obra maravilhosa escrita pelo Chico Buarque e que o Salgueiro tão brilhantemente tomou como inspiração para o seu Carnaval de 2016. Espero que esse espírito da malandragem entre em nossos corações para que a gente possa fazer um belíssimo desfile – afirmou o intérprete.

Para Serginho do Porto, os artistas que fazem o espetáculo e que se transformam em malandros e mulheres durante toda a peça, são motivo de alegria: – É muita alegria por conta dos artistas que compõem esse espetáculo. A gente ouviu um brilhantismo de vozes, seja do rapaz que representa a Geni ou dos outros personagens. A gente vê que essa 'Ópera do Malandro' é uma ópera forte que impulsiona o Salgueiro com todo o gás para ganhar o carnaval – revelou Serginho, que ficou impressionado com o ator Eduardo Landim interpretando a personagem Geni em um dos momentos mais aplaudidos da montagem, ao som da canção 'Geni e o Zepelim', de Chico Buarque.

Enredo trouxe 45 sambas para a disputa, o recorde do Carnaval 2016

A safra de sambas do Salgueiro reuniu 45 obras na disputa para representar a 'Ópera dos Malandros' na Marquês da Sapucaí em 2016. Trata-se da safra mais numérica no pré-carnaval de 2016, incluindo as escolas do Grupo Especial e da Série A. Bessa acredita que o enredo tenha papel fundamental nesta explosão de inscrição de sambas na disputa salgueirense:

– Com certeza, o enredo teve o seu papel nisso. Trata-se de uma sinopse muito bem escrita, de um enredo com grande identificação com a escola e uma temática leve. Isso facilitou muito o trabalho dos compositores e com certeza o Salgueiro terá uma grande obra desfilando na Avenida.

A disputa do Salgueiro, além de contar com muitos sambas, traz um diferencial esse ano: a partir deste sábado, começa a 'Copa do Samba': um formato de disputa em que os sambas disputam entre si a permanência, em duplas, e assim sucessivamente até chegar o resultado, como num campeonato de futebol com o famoso 'mata-mata'. Na fase final do concurso, os intérpretes da escola darão voz às vozes que seguirem na disputa, conforme conta Serginho do Porto:

– Graças a Deus a escolha está sendo tranquila. Eu e o Léo, mais pra frente, vamos cantar para a comunidade os sambas que restarem de acordo com a programação da escola e então, vai ser só aguardar o resultado – completa Serginho.

Ao fim da peça, além de conversar com o elenco da peça e posar para as imperdíveis 'selfies', os intérpretes do Salgueiro e os integrantes do carro de som aproveitaram para convidar o elenco da peça para conhecer a quadra da escola em uma próxima ocasião. 'Ópera do Malandro' é uma peça de Chico Buarque e a montagem que está em cartaz no Teatro João Caetano tem direção de João Falcão e segue em cartaz até 27 de setembro.

Serviço:
'Ópera do Malandro', de Chico Buarque com direção de João Falcão
Em cartaz de 7 de agosto a 27 de setembro de 2015
Sextas e sábados às 20h e domingos às 19h
Teatro João Caetano, Praça Tiradentes, s/n, Rio de Janeiro 
Sinopse: Para esta nova montagem, João Falcão pinçou músicas do espetáculo original e também do álbum “Malandro”, de Chico, e do filme homônimo dirigido por Ruy Guerra em 1985. No roteiro, as clássicas “Folhetim”, “Teresinha”, “O Meu Amor”, “Geni e o Zepelim” e “Pedaço de Mim”, se misturam a canções menos conhecidas do cancioneiro buarqueano, como “Sentimental”, “Hino da Repressão” e “Uma Canção Desnaturada”. É incrível perceber a qualidade da produção de um compositor para um mesmo projeto, é um momento muito inspirado e consagrador para o Chico. As canções da Ópera ganharam fôlego fora do teatro, se tornaram tão conhecidas que muitos nem sabem que foram feitas para o palco, admira João, que convocou Beto Lemos para a direção musical e criação dos arranjos do projeto.
Elenco: Moyseis Marques, Adrén Alves, Alfredo Del-Penho, Bruce de Araújo, Davi Guilhermme, Eduardo Landim, Eduardo Rios, Fábio Enriquez, Larissa Luz, Guilherme Borges, Rafael Cavalcanti, Renato Luciano, Ricca Barros e Thomás Aquino.