Samba conduz ensaio portelense na Sapucaí

 

 

Nada como um bom samba-enredo para fazer uma comunidade cantar. Se alguém duvidava da excelência da obra da Portela para o Carnaval 2014 a escola provou que está pronta mais uma vez para tirar as notas 10 desejadas neste quesito. Tido por muitos analistas e sambistas como um dos melhores sambas da safra de 2014, o samba-enredo funcionou muito bem no ensaio desta noite na Sapucaí.

* VEJA FOTOS DO ENSAIO

* VEJA O VÍDEO DO ENSAIO COMPLETO DA PORTELA

O que não funcionou tão bem foi a evolução da escola, que com um excesso de pessoas com camisas de diretoria acabou prejudicando a passagem de algumas alas, principalmente na altura da bateria. Os ritmistas de mestre Nilo Sérgio chegaram a ficar espremidos pelos "vips" portelenses que vinham do lado do carro de som. Outro fator que deixou a desejar foi o canto um tanto quanto irregular, apesar do bom rendimento do samba, defendido com muito brilho por Wantuir e os cantores da escola.

* VEJA AQUI: FÁBIO FABATO ANALISA O ENSAIO DA PORTELA

* VEJA AQUI: LUIS CARLOS MAGALHÃES FALA PARA OS PORTELENSES

Diretor de carnaval, Luiz Carlos Bruno, analisou o ensaio. – A Portela já começou a mostrar ao que veio. Fizemos um bom ensaio, com algumas pequenas coisas para ajustar, mas temos uma grande escola, um chão maravilhoso e era isso que estávamos esperando.

* VEJA AQUI A ANÁLISE DA BATERIA DA PORTELA NO ENSAIO

A Portela iniciou o seu esquenta com 54 minutos de atraso em relação ao horário previsto para o início do ensaio. E já veio pegando o portelense e quem estava na pista pela emoção. Wantuir iniciou entoando o hino da escola, para depois mandar o antológico "Foi um Rio que passou em minha vida", de autoria de Paulinho da Viola. Como não poderia deixar de ser a escola trouxe uma águia para saudar o público que lotou a Marquês de Sapucaí neste sábado.

Mestre Nilo Sérgio analisou o desempenho da bateria. – Temos alguns ajustes pra fazer, mas o que esperava da bateria foi legal. Nesses últimos ensaios a gente ainda vai ajustar umas coisinhas, pra chegar no dia do carnaval e a bateria estar firme. O esforço está sendo feito, a gente está vendo acontecer, as fantasias, os carros, enfim. A gente tá sentindo que é a hora, que é o momento… eu nunca fui campeão. E ser campeão dentro da minha escola é a melhor coisa que tem.

Comissão de Frente

A coreógrafa Ghislaine Cavalcanti, que volta ao carnaval, levou um grupo grande de bailarinos, número superior ao que o regulamento permite, o que leva a crer que boa parte deles ficará escondido em determinado momento da apresentação. Eles exibiram a coreografia oficial de desfile e o ponto alto foi a bailarina erguida pelos demais componentes. Ela, inclusive, desfilou com uma sapatilha e ficava na ponta do pé. O primeiro grupo apresentou uma coreografia mais baseada na letra do samba, já o segundo exibiu uma dança mais clássica, com formações de casais. Mesmo com a coreografia, os componentes cantaram pouco o samba.

– Não fizemos um ensaio completo, faltaram a nossa indumentária e o nosso tripé, mas mostramos o que pudermos para que o público entenda a nossa comissão de frente, onde teremos vários personagens que representam conteúdos históricos, desde a fundação do Rio de Janeiro. Ao todo temos 26 bailarinos e 2 reservas. Com muita garra e disciplina técnica abriremos o desfile da Portela repletos de informação para o público da Marquês de Sapucaí – disse a coreógrafa.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

A apresentação de Daniele Nascimento e Diogo foi acompanhada com atenção pela lendária Vilma Nascimento, o cisne da passarela, mãe da porta-bandeira. A apresentação do casal sofreu com algumas falhas, muito por conta do espaço espremido que tinham para se exibir. Em frente à segunda cabine de julgamento foi possível notar uma certa correria de ambos. A se registrar o belo bailado de Diogo e o fato deles terem se apresentado com fantasias completas. Em dados momentos dançaram afastados demais um do outro.

Diogo foi eleito pela equipe CARNAVALESCO um dos destaques do ensaio da agremiação. Ele foi presenteado com um kit da D'Samba. Bastante emocionado, ele falou sobre a importância do ensaio técnico. – O ensaio dá o parâmetro do que vamos fazer no desfile. É nele que vemos o que deu certo, o que deu errado, o que precisa corrigir. Hoje foi muito importante pra mim porque tive a minha família ao meu lado, me dando força. Meu irmão veio me filmando o tempo todo, minha avó também estava aqui comigo. Se eu ganhar não será eu sozinho, vai ser eu e minha família toda – disse.

Harmonia

No primeiro trecho da escola a harmonia foi excelente, com componentes cantando com muita força o belo samba portelense. No momento do refrão principal, as arquibancadas dos primeiros setores cantavam junto, dando ainda mais brilho ao canto portelense. No trecho final houve uma queda da linearidade da harmonia com algumas alas cantando, mas sem muito entusiasmo, talvez, pelo cansaço. O intérprete Wantuir foi premiado com o calendário do ano de 2014 feito pela Brazil Carnival Ooah!

– É uma honra ser premiado pelo CARNAVALESCO. Sinto que nosso samba passou muito bem e nossa escola evoluiu. Sempre cientes de que isso é um ensaio e que temos de acertar mesmo é no dia do desfile – afirmou Wantuir.

Evolução

Foi o ponto crítico do treino portelense. No que tange à espontaneidade do componente, mesmo nas alas coreografadas, pode-se notar uma escola solta. Entretanto o excesso de pessoas com camisas de diretoria atrapalhou muito a evolução. Foi possível notar o aparecimento de buracos em vários momentos, como na apresentação de Diogo e Daniele no segundo módulo de julgamento e tanto na entrada quanto na saída da bateria do recuo. Também foi perceptível uma aceleração da escola no trecho final do ensaio, que foi concluído em menos de uma hora.

Digno de registro o respeito da Portela com o público, ao levar o casal Diogo e Daniele com uma fantasia completa e muitas alas com algum tipo de indumentária para ilustrar cada grupo de componentes. O que deu para notar foi que a direção de cada ala se preocupou em ilustrar o que cada uma representará no desfile com algum tipo de adereço. Foi fácil notar no semblante dos componentes uma expressão de ânimo. O portelense está acreditando em dias melhores.

O presidente Serginho Procópio desfilou ao lado do carro de som, enquanto que o vice Marcos Falcon esteve o tempo todo ao lado de Tia Surica, recuperada de um problema de saúde, e do presidente de honra da escola Monarco. O prefeito Eduardo Paes tocou agogô com a bateria Tabajara do Samba no segundo recuo, enquanto que o secretário de transportes, Carlos Roberto Osório, acompanhou de perto todo o ensaio portelense.

Buscando sair de um jejum de 30 anos sem um título (há 44 não vence um campeonato sozinha) a Portela traz para o Carnaval 2014 o enredo "Um Rio de mar a mar, do valongo à glória de São Sebastião", do carnavalesco Alexandre Louzada. A escola será a 5ª a desfilar na segunda-feira de carnaval.

Comente: