Sambistas vivenciam festa do CD com show das escolas do Grupo Especial e agradáveis surpresas

O pedido dos sambistas foi finalmente atendido e a festa de lançamento do CD para o Carnaval 2016, além da tradicional fechada para convidados, ocorreu nesta sexta-feira, aberta ao público na quadra do Salgueiro, que esteve lotada durante a noite em que as 12 agremiações apresentaram seus sambas para o Carnaval 2016. A presença maciça de figuras importantes do carnaval, como presidentes das agremiações, o ex-presidente da Liesa, Capitão Guimarães, o presidente de honra da Beija-Flor, Aniz de Abrahão David, o Anísio, além do presidente da Liga, Jorge Castanheira. Em seu discurso na quadra, Jorginho enalteceu a organização promovida pelo Salgueiro. – É sempre muito agradável vir ao Salgueiro. Esse era um pedido antigo, de fazer uma festa do CD onde as pessoas pudessem comparecer. Estão todos de parabéns, escolas, baterias e compositores – celebrou Castanheira antes das apresentações.

* VEJA AQUI GALERIA DE FOTOS DA FESTA

Regina Celi, presidente do Salgueiro, revelou em seu discurso que a ideia de fazer a festa para que os sambistas pudessem acompanhar os sambas da safra para 2016 partiu do diretor de carnaval, Dudu Azevedo. – Dudu me sugeriu e apresentamos na Liesa, na plenária. As escolas toparam e nós estamos aqui muito felizes em receber todas as coirmãs. A ideia é que cada ano seja feito na quadra de uma agremiação – disse a presidente.

* VEJA AQUI FOTOS DAS PERSONALIDADES PRESENTES

Milton Cunha foi o mestre de cerimônias e as escolas capricharam nas apresentações. Em sua quadra, o Salgueiro proporcionou o ponto alto da noite, mas as apresentações de Unidos da Tijuca, Portela, Beija-Flor e Imperatriz também levantaram o público na quadra da Academia do Samba. Mangueira, União da Ilha e São Clemente chegaram ao mesmo nível das apresentações feitas na Cidade do Samba. Já a Estácio, Mocidade e Grande RIo fizeram apresentações superiores e cresceram bastante de rendimento. 

Confira análise das apresentações de cada samba:

Estácio de Sá: A vermelho e branco foi uma das gratas surpresas da noite. Antes do início do samba uma saudação com a tradição Alvorada, através de trompetes emocionou os devotos de São Jorge, enredo da escola. Uma grande interpretação de Wander Pires, que demonstrou toda sua perícia e domínio do samba, causando boa comunicação com o público.  * OUÇA COMO FOI A APRESENTAÇÃO

Vila Isabel: A escola optou por não levar o seu primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Phelipe Lemos e Dandara Ventapane, pois o seu ensaio comercial aconteceu normalmente. Igor Sorriso foi o ponto alto da apresentação, defendendo a obra com competência e alegria. Diversas bandeirinhas e um bandeirão deram brilho à apresentação da Vila.  * OUÇA COMO FOI A APRESENTAÇÃO

Mangueira: A melodia do samba permitiu um bom canto da obra na apresentação, principalmente, no refrão principal. Ciganerey já mostrou crescimento no domínio da obra, que ainda pode render mais até o ensaio técnico no Sambódromo. O casal de mestre-sala e porta-bandeira, Raphael Rodrigues e Squel Jorgea, deu um show de tradição e elegância, chegando a uma rápida exibição "solo" de cada um, conferindo brilho à passagem da Verde e Rosa.  * OUÇA COMO FOI A APRESENTAÇÃO

União da Ilha: A tricolor acabou prejudicada pela ausência de seu intérprete oficial, Ito Melodia, que não pode comparecer por possuir um compromisso no Amapá. Marquinhos do Banjo e os cantores de apoio levaram a obra com correção, mas faltou comunicação com o público na quadra.  * OUÇA COMO FOI A APRESENTAÇÃO

São Clemente: A escola da Zona Sul ainda não conseguiu a mesma empatia com o público, como ocorreu com o samba de 2015. Muita gente na quadra ainda não sabia cantar a composição da escola. Leozinho Nunes, grata de revelação, demonstrou entrosamento com seus cantores de apoio, um deles o experiente Anderson paz.  * OUÇA COMO FOI A APRESENTAÇÃO

Mocidade: A verde e branco pisou forte no palco do Salgueiro. A energia que faltou na festa oficial da Liesa sobrou neste sábado. O samba funcionou muito bem e Bruno Ribas atuou com muita categoria, fazendo o público cantar. Integrantes da torcida Independentes animaram com um bandeirão.  * OUÇA COMO FOI A APRESENTAÇÃO

Imperatriz: Desta vez apenas Marquinhos Art'Samba cantou o belo samba da Imperatriz para o Carnaval 2016. E o fez com a habitual competência. A Verde e Branca se beneficiou da popularidade do samba, desde o período eliminatório, e foi possível notar que muita gente já sabe cantá-lo inteiro. O casal Rogerinho e Raphaela passou muito melhor, com mais entrosamento, do que na festa da Cidade do Samba.  * OUÇA COMO FOI A APRESENTAÇÃO

Portela: Uma invasão de Oswaldo Cruz e Madureira no palco da Academia. A Azul e Branca foi a escola que levou mais segmentos. Estiveram no palco baianas, velha guarda, passistas, harmonia, mas o primeiro casal, Alex Marcelino e Danielle Nascimento, não compareceu. O samba teve uma boa passagem, já que também já é bem conhecido pelo grande público. É outra apresentação que fica no hall das melhores.  * OUÇA COMO FOI A APRESENTAÇÃO

Unidos da Tijuca: Sempre cotada ao título, a Tijuca mostra o porque desta característica. Uma senhora apresentação da escola, chefiada por Tinga. O intérprete vive o auge da carreira e cantou o samba com muita disposição e extraindo os pontos marcantes da obra. O casal, Julinho e Rute, mais uma vez, foi um dos destaques da apresentação. O samba tijucano, um dos mais louvados da safra, mostrou sua força. É uma das maiores forças do Carnaval de 2016.  * OUÇA COMO FOI A APRESENTAÇÃO

Grande Rio: A única agremiação que levou integrantes fantasiados foi a Tricolor de Caxias. Baianas e passistas trajavam figurinos do desfile de 2015. O samba se mostrou funcional, mais uma vez, e deixa a sensação que vai funcionar na avenida, muito graças ao talento e empolgação de Emerson Dias. O cantor está voando e no seu melhor momento profissional. * OUÇA COMO FOI A APRESENTAÇÃO

Salgueiro: Como se diz no jargão futebolístico, o Salgueiro jogou em casa e goleou. O sacode teve início com a primeira passada inteira só com o canto da quadra. Leonardo Bessa e Serginho do Porto dominaram a apresentação com muita afinidade. O Malandro Batuqueiro de novo mostrou do que é capaz.  * OUÇA COMO FOI A APRESENTAÇÃO

Beija-Flor: O monstro sagrado Neguinho da Beija-Flor deu mais um show. Cheio de ginga, o cantor parece vinho. Quanto mais o tempo passa, ele fica melhor. É a principal referência de intérprete no carnaval, desde a morte de Jamelão. O casal Claudinho e Selminha não pode comparecer. * OUÇA COMO FOI A APRESENTAÇÃO