Santa Cruz investe para coroa brilhar novamente na elite do carnaval

 

 

Cinco vezes campeã da divisão de acesso a elite do carnaval carioca, a Acadêmicos de Santa Cruz quer voltar a figurar entre as grandes no Grupo Especial. Depois de desfiles abaixo da média que costuma apresentar no Grupo de Acesso, a Verde e Branco aposta na popularidade do radialista Antonio Carlos para conquistar um título que não ganha desde 2002. Na verdade o enredo não fala somente da carreira do radialista da Radio Globo, mas também sobre a história do radio.


Quem explica a argumentação do tema é o carnavalesco Lane Santana, que pela primeira vez assina um carnaval na Santa Cruz:


– O enredo começa contando a história do radio. Da comissão de frente até o último carro vamos fazer uma grandes transformações nesse desfile. Vamos abrir falando dos experimentos científicos que possibilitaram a invenção do radio. A partir do momento que alguns cientistas descobrem que as ondas eletromagnéticas são capazes de transmitir dados sonoros há essa possibilidade. Entre os cientistas estão o alemão Heinrich Hertz, Thomas Edison e por aí vai. Não vamos citar todos porque essa não é a proposta, mas a comissão trará 14 membros vestidos com roupas coloridas e representando as ondas eletromagnéticas. Haverá também a figura central de um cientista.


O padre brasileiro Landell de Moura e o italiano Guglielmo Marconi serão tema do abre-alas da escola da Zona Oeste. Landell foi o primeiro a fazer uma transmissão via radio, mas Marconi acabou obtendo a patente primeiro. O primeiro setor tem continuidade com a evolução do aparelho, já que a mudança das válvulas para os transistores, o satélite e a introdução das fitas magnéticas vão estar representadas.


A época de ouro do radio é retratada no segundo setor. É a popularização do meio de comunicação. Famílias se reuniam para acompanhar radionovela e programas de auditório. Nesse contexto a importância de Emilinha Borba e Marlene, além das radios Nacional e Tupi está presente, mas Lane Santana garante que nem mesmo o nome da Radio Globo será citado.


– Tivemos medo que isso fosse entendido como um tipo de merchandising pelos julgadores. Só o programa será citado, a marca Radio Globo não – garantiu ele.


O terceiro setor conta o início da carreira de Antonio Carlos. Ele já havia feito vários testes antes de conseguir entrar na radio e seu primeiro programa misturava jazz e MPB.


– Temos aí a chegada do nosso homenageado. Através da figura dele a Santa Cruz homenageia todos os comunicadores e radialistas. É importante frisar que não vamos falar sobre a vida pessoal dele, mas sim a vida profissional, o personagem do radio.


O programa Show do Antonio Carlos, há 35 anos no ar, é a grande vedete do quarto setor. Não só o radialista, mas também os personagens que fazem o tempero do sucesso da atração estarão presentes. As fofocas da Juju e as simpatias da Pudica prometem fazer com que o desfile da escola tenha uma boa interação com o público. Lane comentou as transformações do radio tirando como base o formato do programa do homenageado.


– É um programa líder de audiência no horário e extremamente popular. O radio começa a viver um momento de transição. Com o surgimento da TV, é preciso criar novos atrativos e o programa dele é um exemplo disso. Apesar de todos os outros meios de comunicação, o radio continua sendo um meio muito forte. Antonio Carlos se consolida como despertador do Brasil e o povo já se habituou a ir para o trabalho ouvindo o programa e se informando sobre as condições do trânsito e o que vem acontecendo na cidade. Ele é popular, líder das massas, faz a festa das crianças, tem bloco de carnaval que se encontra com o Bola Preta no sábado de carnaval e o desfecho desse enredo é esse. Vamos chamar o povo para participar dessa grande festa.


Uma novidade é que durante o desfile haverão microfones ligados dentro da alegoria que Antonio Carlos desfilará. Os aparelhos captarão o áudio dele e dos outros personagens do programa. O conteúdo estará em tempo real na transmissão da Radio Globo. Lane Santana conta que mudou até alguns de seus hábitos para poder ter mais propriedade no desenvolvimento do enredo.


– Tinha o costume de acordar às dez, onze horas da manhã e passei a acordar mais cedo para ouvir o programa e conhecê-lo melhor. Pesquisei bastante sobre a vida dele antes de encontrá-lo e a história do radio também, percebi o quanto era rica essa história e vislumbrei a possibilidade de um enredo fabuloso. Expliquei qual era a ideia e ele aprovou na hora. Só me fez um pedido: que não falasse da vida pessoal dele, mas sim do trabalho, que mostre o lado profissional.


Com certa experiência no carnaval, Lane Santana é parte integrante da vontade do presidente Zezo em fazer da Santa Cruz novamente uma escola forte no Grupo de Acesso. Ele sabe disso e não se esquiva da responsabilidade, além de elogiar a preparação da Santa Cruz para o Carnaval 2012.


– Nos últimos anos a escola não teve a figura central de um carnavalesco. Os enredos já haviam sido escritos pela Rosele Nicolau e estavam sendo desenvolvidos por outras mãos, então não havia uma cabeça central. Carnaval é coletivo, depende todos, mas se não tiver uma amarração bem feita as ideias se perdem. Conversei com o Zezo e ele disse que era importante ter alguém que se aproximasse da escola. Estou buscando fazer isso e percebo uma reciprocidade dos componentes. O próprio Zezo está animadíssimo e faz de tudo para me dar o que eu peço. Será um carnaval grandioso, surpreendente e de bom gosto. Vejo no componente a vontade de bater no peito e dizer que é Santa Cruz, que veio para disputar!


A Verde e Branco da Zona Oeste é a sétima escola a desfilar no sábado de carnaval. No Grupo de Acesso, a Santa Cruz só perde para a Estácio de Sá no número de títulos. O Leão tem seis conquistas, contra cinco dela. 
  

Comente: