São Clemente consagra mais uma vez parceria de Ricardo Góes e compositor é decacampeão na escola

Por Guilherme Ayupp, Geissa Evaristo e Luis Felipe Aragão. Fotos de Allan Duffes

saoclemente_final2018_147

Com uma obra recheada de passagens na letra que mais parecem uma declaração de amor à agremiação, a São Clemente consagrou na madrugada deste sábado o samba dos compositores Ricardo Góes, Flavinho Segal, Naldo, Serginho Machado, Fabiano Paiva, Igor Marinho e Gusttavo Clarão como grande campeão na disputa de samba da preta e amarela de Botafogo, que apresenta no ano que vem o enredo ‘Academicamente Popular’, que será desenvolvimento do carnavalesco Jorge Silveira.

saoclemente_final2018_146Ricardo Góes se aproxima do maior campeão da história da escola, Chocolate. Góes chega a seu décimo samba vencido na escola e fica a dois de igualar o líder do ranking. Além de Góes, a parceria possui outros integrantes que estão acostumados a vencer na São Clemente. Flavinho Segal e Serginho Machado vencem pela quarta vez, Naldo é tricampeão, e Fabiano Paiva, Igor Marinho e o consagrado Gusttavo Clarão conquistam a primeira vitória na escola. A parceria campeã recebeu o troféu D´Samba/CARNAVALESCO como homenagem pela conquista.

A parceria campeã investiu em uma grande quantidade de torcedores que literalmente invadiram a quadra e realizaram um belo espetáculo. O palco também foi de peso, com a presença de Pixulé e Bruno Ribas. O samba comprovou sua força desde o início da apresentação com a torcida cantando a plenos pulmões. Destaque para os refrões da obra. Em alguns momentos os cantores largaram o canto para a quadra, que correspondia cantando muito forte. O verso “quem chorava vai sorrir” também foi muito cantado, por remeter a uma passagem do samba exaltação da escola. Durante toda a apresentação o samba não perdeu sustentação e um autêntico sacode foi visto na quadra.

saoclemente_final2018_148Com o ombro pesado de tantas faixas de campeão na escola, Ricardo Góes conversou com a reportagem do CARNAVALESCO e diferenciou esta vitória das demais, apontando que a beleza da obra tem bastante do dedo do carnavalesco Jorge Silveira.

– É mais uma vitória, mas parece que é a primeira. Estou muito feliz. Acho que vai pegar o início do samba que diz “Vem ver! Convidei Debret pra pintar o desfile do meu Carnaval. A arte neoclássica impera no Brasil Colonial”. É um enredo gostoso, tanto que a São Clemente conseguiu nessa safra vários sambas bons. O carnavalesco Jorge Silveira nos deu um presente – disse Ricardo Goés, dez vezes campeão.

Flavinho Segal possui vitórias recentes em outras escolas, mas triunfar na São Clemente para ele tem um gosto mais que especial. É que o compositor é um apaixonado torcedor da preta e amarela da Zona Sul. Na entrevista depois da vitória, saudou a comunidade como fundamental em mais uma conquista.

– É o meu quarto campeonato na escola do meu coração. Eu amo a São Clemente e não consigo mensurar o tamanho da minha emoção. Aposto que o refrão de baixo e do meio pegarão na Sapucaí. Dá pra perceber que a nossa parceria foi aclamada pela escola pelo tamanho da festa. Após o resultado ninguém foi embora – derreteu-se.

saoclemente_final2018_129

‘Temos um samba-enredo’, aponta o presidente Renatinho

saoclemente_final2018_143O presidente da São Clemente, Renato Almeida Gomes, o Renatinho celebrou a grande festa na quadra e apontou o samba da escola como uma obra que possui todas as premissas de um bom samba-enredo.

– Parece óbvio dizer, mas a São Clemente possui um samba-enredo, com todas as melhores características desse tipo de composição. Quem acompanhou a final viu que o desejo do clementiano foi respeitado e a partir de agora é seguir trabalhando para provar na avenida que nosso trabalho segue muito sério – destacou o presidente.

Apontada por muita gente como cotada para brigar pela permanência no Grupo Especial a São Clemente será a segunda a desfilar no domingo de carnaval. Renatinho afirma que as críticas não o preocupam mais.

– Todo ano falam né? Que eu vou brigar para não cair. Mas se você observar a gente sempre coloca carnaval. Acho que o número de pessoas que realmente abordam esse tipo de coisa só faz reduzir e a cada ano é menor. Hoje pouca gente fala abertamente. Não tem segredo, não tem de ficar respondendo. A escola tem que trabalhar e é o que nós estamos fazendo – rebate.

saoclemente_final2018_072

Jorge Silveira ciente da responsabilidade de suceder Rosa Magalhães

O jovem carnavalesco Jorge Silveira encara em 2018 o maior desafio de sua vida profissional. Além de estrear na elite das grandes escolas cariocas, sucederá a uma das maiores artistas da história dos desfiles, Rosa Magalhães. Ao CARNAVALESCO, ele relata que o cronograma está em estágio avançado.

– A São Clemente tem o benefício de ser uma escola com crédito no mercado. Apesar do prefeito, já temos os protótipos das fantasias prontos há um mês e em reprodução. Dois carros prontos na madeira e dois finalizando as ferragens. Tudo dentro do planejamento esperado – garante.

Jorge é da geração que cresceu admirando o requinte e o perfeito acabamento de Rosa Magalhães. O jovem revela à nossa reportagem que nutre por sua antecessora um sentimento de idolatria.

– O Carnaval 2017 foi meu primeiro ano assinando um projeto carioca, após passar por muitas escolas nos bastidores, a diferença é que as pessoas passam a saber quem fez o trabalho. Em São Paulo a execução é a mesma, só que lá eu tinha uma equipe, integrava uma comissão na Dragões da Real. Na Viradouro assumi sozinho uma escola que estava passando por extrema dificuldade e desestruturada financeiramente. Meu maior desafio esse ano foi fazer o carnaval com as próprias mãos no barracão. Foi um desfile de superação. A comunidade da Viradouro se entregou e foi divertido. Aqui na São Clemente terei o maior desafio do mundo em fazer um carnaval depois da Rosa Magalhães a quem tenho intenso sentimento de idolatria – afirma.

Leozinho Nunes comemora maturidade mas agradece a Igor Sorriso: ‘um dos maiores cantores de samba-enredo do mundo’

saoclemente_final2018_042A São Clemente revelou para o mundo do carnaval Igor Sorriso. Quando ele precisou seguir seu caminho o presidente Renatinho não titubeou e promoveu o também jovem Leozinho Nunes para o posto. Caminhando para o seu terceiro carnaval à frente da escola, Leozinho não esquece o apoio de Igor e o elege como um dos maiores cantores de samba-enredo do mundo.

– É difícil demais substituí-lo. É o Igor Sorriso. Pra mim ele é um dos melhores cantores de samba-enredo do mundo. Não é porque é meu amigo não, mas porque o pretinho bota pra quebrar mesmo. Foi difícil para mim no início, mas depois ficou fácil porque na São Clemente somos uma família. A escola me abraçou. E eu já estava aqui desde 2011. Ganhei samba em 2015. Isso deixou tudo mais fácil – recorda.

O cantor aponta, em entrevista para o CARNAVALESCO, que o segredo de sua rápida ascensão talvez seja sua alegria ao cantar.

– Às vezes eu fico me perguntando isso em casa. Quando o presidente me chamou ele disse que só queria a minha alegria. Eu acho que isso tudo é porque eu sou mesmo um cara feliz. A gente tem de cantar feliz, eu fico muito honrado pela escola ter me abraçado, quando isso ocorre fica tudo mais fácil – elogia o intérprete.

Casal estreia apostando em dança tradicional diferenciada

saoclemente_final2018_084A principal mudança na São Clemente para o Carnaval 2018 é o posto de primeira porta-bandeira. Amanda Poblete formará dupla com Fabrício Pires, depois da saída de Denadir Garcia. O mestre-sala explica em entrevista ao CARNAVALESCO que a dupla virá com uma dança tradicional diferenciada.

– Teremos surpresas no desfile. Será a dança tradicional executada de uma forma um pouco diferenciada, mas nada totalmente diferente. A São Clemente virá bonita e rebuscada com interatividade em todo o desfile, ideia do carnavalesco e o casal não sairá dessa linha. Após a saída da Denadir, uma porta-bandeira de primeiro quilate que queria ter oportunidade de mostrar seu trabalho em outra agremiação, escolhi em conjunto com o presidente Renatinho, o nome da Amanda. Não queremos ser apenas um bom e bonito casal – contou.

A jovem porta-bandeira disse que se sentiu ao mesmo tempo lisonjeada e surpresa com o convite da São Clemente e que já visualiza o desfile da escola através do samba recém-escolhido.

– O samba campeão é aquele que a gente escuta e visualiza a escola passando na avenida e você dançando. Minha chegada à São Clemente foi quase imediata à minha saída da Vila Isabel. Sou uma recém-nascida no Grupo Especial e fiquei completamente feliz e surpresa com o convite do presidente Renatinho por intermédio do Fabrício Pires. Nós não tivemos período de adaptação. Foi tudo natural, tranquilo e sereno. Estamos com uma conexão muito boa e me sinto completamente em casa aqui na agremiação. O figurino é fantástico, mas só posso adiantar que desfilaremos na cabeça da escola, após a comissão de frente – esquivou-se.

saoclemente_final2018_053

Bateria optou entre três figurinos distintos

A Fiel Bateria irá ter o luxo de poder escolher a própria roupa com que vai desfilar no próximo ano. É que o carnavalesco Jorge Silveira desenhou três opções distintas para os mestres Gil e Caliquinho escolherem.

– Vamos com 260 ritmistas esse ano. O carnavalesco Jorge deu três opções para a gente escolher, e isso ajudou muito a gente, pois escolhemos a mais leve – destaca Gil.

Caliquinho conta à reportagem do CARNAVALESCO as novidades da bateria da São Clemente em relação ao trabalho executado em 2017.

– O que muda é que começamos o trabalho mais cedo. Até mesmo para levar algo novo para o CD. Temos ciência que no CD o que tem que estar em evidência é o samba, mas estamos buscando fazer um andamento legal. Nosso samba é cadenciado e mais melódico – opina.

saoclemente_final2018_001

São Clemente pretende abrir alas para negociar fantasias

A escola deve optar por fazer em 2018 algo que a Vila Isabel iniciou de maneira embrionária no desfile deste ano. Dentro da mesma ala fazer uma mescla de fantasias doadas à comunidade, com figurinos vendidos para pessoas interessadas em desfilar. Quem explica a medida é o diretor de carnaval Roberto Gomes.

– Nós não temos ala comercial há um bom tempo. A São Clemente faz 3100 fantasias, todas para comunidade. Esse ano estamos pensando até em abrir um pouco isso. Fazer vendas de fantasias, uma vez que temos que ter um caixa e melhorar um pouco esse cenário, não muita coisa. Nossa ideia é fazer um misto nas alas, 50% comunidade e 50% vendida. Nossos ensaios provavelmente só iniciarão daqui três semanas, nesse período faremos um trabalho com a bateria visando a gravação do CD. Posterior a isso começamos os ensaios de comunidade. O ensaio técnico é uma grande vitrine, é sempre bom tê-lo. Você coloca o trabalho que você já vem executando no local que será avaliado. Pra mim, é importante que aconteça o ensaio no Sambódromo – detalha.

Análise das apresentações

Parceria de Nelson Amatuzzi

Impactada pela grande apresentação da parceria anterior, o time de Nelson Amatuzzi apostou em uma espécie de charanga no meio de sua torcida. O interprete incorporou a figura de um pintor na hora de cantar o samba. Funcionou muito bem a palavra “Eba” que tem as iniciais da Escola de Belas Artes, no refrão do samba. O trecho foi o mais cantado.

Parceria de Cesar Ricardo

Embora tenha apostado em um palco forte com Igor Viana, Vitor Cunha e Grazzi Brasil, o samba não conseguiu emplacar e teve dificuldades para contagiar a quadra. A torcida pouco cantou e também era reduzida. Bolas em preto e amarelo deram brilho à apresentação, que ficou bem distante das outras postulantes ao título.