Segunda noite em São Paulo promete prender atenção do público com desfiles de alto nível

mocidadealegre_ensaiotecnico_27012017dsc07593-copyComo se diz no jargão dos sambistas, o couro vai comer na segunda noite de espetáculo do Grupo Especial no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado. Depois da abertura com sete escolas na sexta, o segundo dia promete eletrizar o público que comparecer à passarela do samba. A partir das 22h30 a tradicional X-9 Paulistana abre a noite que promete ser apoteótica. Em sua sequência cruzam o Anhembi, Império de Casa Verde, Mocidade Alegre, Vai-Vai, Gaviões da Fiel, Dragões da Real e Unidos de Vila Maria. A última agremiação tem previsão para começar o seu desfile 05h já do domingo de carnaval.

Ordem dos desfiles:

1 – X-9 Paulistana (22h30)
2 – Império de Casa Verde (23h35)
3 – Mocidade Alegre (00h40)
4 – Vai-Vai (01h45)
5 – Gaviões da Fiel (02h50)
6 – Dragões da Real (03h55)
7 – Unidos de Vila Maria (05h00)

A expectativa de cada desfile desta noite:

x9_ensaio_2001-20X-9 Paulistana: Foram mais de 20 anos consecutivos desfilando na elite do carnaval paulistano, com dois campeonatos no período. Mas a X-9 amargou o rebaixamento no desfile de 2016. Cabeça erguida e volta por cima dada, a agremiação volta a figurar entre as grandes da folia de São Paulo e abre a segunda noite do Anhembi com o enredo ‘A voz do samba é a voz de Deus. Depois da tempestade, vem a bonança!’, que vai trazer os famosos ditados populares para a passarela. Amarildo de Mello é o carnavalesco da escola que objetiva a permanência no grupo.

Império de Casa Verde: Depois de perder o bicampeonato em alegorias e evolução no desfile de 2017, a Império é novamente uma das fortes postulantes ao título do Grupo Especial. ‘O povo, a nobreza real’ é um enredo de forte cunho político e social. Novamente o tigre guerreiro do Brasil aposta em Jorge Freitas, quatro vezes campeão na elite e figura mais significatva na gestão de carnaval atualmente da terra da garoa. Carlos Júnior é outro trunfo da quarta colocada de 2017 para chegar a seu quarto título.

Mocidade Alegre: A Morada do Samba está mordida. Depois de ficar fora da sexta das campeãs após cinco anos, a agremiação aposta na popularidade de uma das mais importantes cantoras do Brasil. ‘A voz Marrom que não deixa o samba morrer’ irá homenagear Alcione. A escola vem enfrentando críticas de sambistas por ter se afastado das primeiras colocações depois do tricampeonato conquistado entre 2012 e 2014. Tiganá e Ito Melodia repetem a parceria de 2017 e a Mangueira estará muito presente no desfile do Mocidade nesta noite.

vaivai_ensaio1301-4Vai-Vai: Não há como negar. O Vai-Vai é a maior grife do carnaval paulistano. Sempre que a escola do povo cruza a passarela o Anhembi entra em êxtase independente do desfile. Para voltar a ser campeã a escola homenageará uma das figuras mais representativas da cultura brasileira. ‘Sambar com fé eu vou’ prestará um tributo a Gilberto Gil. Se superstição ganha carnaval, o Vai-Vai repatriou o intérprete Gilsinho, que estava no último título em 2015. Alexandre Louzada, Júnior Schall, Chico Spinoza e Delmo de Moraes formam a comissão de carnaval que tem o desafio de melhorar as notas em alegorias, onde a escola perdeu o título no ano passado.

Gaviões da Fiel: Para retomar os seus grandes carnavais o Gaviões da Fiel buscou Sidnei França, campeão com o Mocidade Alegre. Os alvinegros irão desfilar com o enredo ‘Guarus – Na aurora da criação, a profecia Tupi…Prosperidade e paz aos mensageiros de Rudá’. A escola aposta na força de um dos melhores sambas do carnaval, puxado por Ernesto Teixeira, intérprete da escola desde 1984.

dragoes_ensaiotecnico_28012017dsc07853-copyDragões da Real: Sem dúvida um dos desfiles mais aguardados do ano. Depois de surpreender com a maior apresentação de sua história no Anhembi, a Dragões só não conquistou o campeonato pois no desempate em samba-enredo a Tatuapé conquistou notas melhores. Justamente por esse aspecto a obra da tricolor é uma das melhores da safra de 2018. ‘Minha música, Minha raiz! Abram a porteira para essa gente caipira e feliz!’ é o enredo que homenageará a música sertaneja. A comissão formada por Dione Leite, Márcio Gonçalves e Rogério Félix tem o desafio de superar a ausência de Jorge Silveira.

Unidos de Vila Maria: Depois de uma enorme expectativa criada em 2017 a Vila mais famosa acabou despencando para o sétimo lugar após perder muitos décimos em comissão de frente e alegorias. Para buscar um bom desfile a agremiação trouxe do Rio de Janeiro Fram-Sérgio, oito vezes campeão com a Beija-Flor. Este ano o enredo é popular pois homenageia os humorísticos Chaves e Chapolin e o ator mexicano Roberto Bolaños. Wander Pires foi contratado e vai interpretar o samba sobre o enredo ‘Aproveitam-se de minha nobreza, você não soube, não te contaram? Suspeitei desde o principio! Não contavam com minha astúcia! Arriba Bolanõs, Arriba Vila, Arriba México.’ A obra tem a assinatura de importantes compositores cariocas, como Dudu Nobre, Diego Nicolau, Evandro Bocão e André Diniz.

Entenda o regulamento:

– Tempo de desfile: 55 minutos (mínimo) até 65 minutos (máximo) – caso a escola complete o desfile antes do tempo mínimo ou depois do tempo máximo, será punida com a perda de 1,0 ponto, mais 0,1 ponto por minuto, seja pelo tempo mínimo ou máximo.

– Comissão de frente: cada comissão poderá contar com o mínimo de 06 (seis) e o máximo de 15 (quinze) integrantes aparentes no quesito. Caso descumpra a determinação, a agremiação será punida com a perda de 1,0 ponto.

– Alegorias: todas as agremiações deverão apresentar 05 (cinco) alegorias em seus desfiles. Caso durante o desfile, alegorias acopladas se desacoplem, ultrapassando o limite de 05 (cinco) alegorias, a escola será punida com a perda de 1,0 ponto, além de 0,2 pontos por cada alegoria excedente. O mesmo vale para a falta de alegorias. É proibido o uso de tripés ou quadripés, de qualquer tamanho, com exceção da comissão de frente. Caso a agremiação faça uso destes elementos, também será punida com a perda de 1,0 ponto.

– Número de componentes: as escolas deverão apresentar o número minimo de 2000 (dois mil) componentes em seus desfiles, não havendo número máximo de componentes. Quem apresentar número inferior a esse, será punida com a perda de 1,0 ponto, mais 0,1 ponto para cada 05 (cinco) componentes faltantes.

– Notas e quesitos: As notas serão atribuídas de 8,0 a 10,0, fracionadas de forma decimal (8,0 – 8,1 – 8,2 – … – 9,8 – 9,9 – 10,0). São 09 (nove) quesitos: Comissão de frente, Mestre-sala e Porta-bandeira, Evolução, Harmonia, Bateria, Enredo, Samba-enredo, Alegorias e Fantasias. São quatro jurados distribuídos por nove das dez torres espalhadas pelo Sambódromo do Anhembi. A torre 01 é destinada ao locutor oficial e ao cronometrista.

Lembrando que as duas últimas colocadas no Grupo Especial serão rebaixadas para o Grupo de Acesso de 2018, e serão substituídas pela campeã e vice-campeã do Acesso de 2017. Estas duas, aliás, integram o desfile das campeãs, assim como as cinco primeiras colocadas do Grupo Especial. A festa das campeãs será na sexta-feira que vem, dia 3, no Sambódromo do Anhembi.