Série Os Coadjuvantes – Coreógrafos de Ala e Carros

Nas artes cênicas, um ator ou uma atriz coadjuvante é uma categoria de ator em uma peça teatral, filme ou qualquer outra manifestação dessas artes que coadjuva, dá suporte, contracena com os atores responsáveis por desenvolver a trama principal da obra e, com sua interferência, auxilia os mesmos a transmitir suas mensagens e idéias.

No Carnaval os coadjuvantes não fogem muito disso não. São aqueles profissionais que atuam fortemente com carnavalescos, coreógrafos de comissão de frente, barracão, presidentes de escolas de samba. Até o carnaval vou falar sobre esses coadjuvantes tão importantes para manter o nível do nosso carnaval.

Eu começo essa série com aqueles profissionais que começam a trabalhar logo assim que os sambas são escolhidos – os coreógrafos de ala e carros alegóricos.

Na Portela os ensaios são comandados pela dupla Lu e Claudia. Elas trabalham com Márcio Moura desde 2006, atual coreografo de comissão de frente. A dupla tem a dura e prazerosa missão de ensaiar diversos componentes durante a semana em carros e alas que terão uma cênica diferente esse ano na escola.

– Uma das maiores dificuldades do coreógrafo hoje em dia é conseguir a presença de todos os componentes juntos, principalmente das alas coreografadas – comenta Lu sobre a presença dos foliões.

Questionada se no futuro haveria possibilidade de assumir uma comissão de frente, Claudia, no carnaval desde 1984 sempre em alas coreografadas responde sem titubear que não tem essa vontade, prefere continuar auxiliando.

Outro badalado casal que faz sucesso com suas alas e carros, é o Sandryni e a Roberta. Eles são coreógrafos do carnavalesco Paulo Barros desde 2002, e um dos trabalhos mais importantes foi o famoso carro do DNA, apresentado pela Tijuca em 2004. A ala de abertura de 2012 da Unidos da Tijuca será coreografada por eles.

Diretor teatral, Sandryni fala com orgulho de seus trabalhos junto com Roberta na Sapucaí. – O Avatar, o pavão da Tijuca, o Cisne na Vila Isabel, na Estácio, na Renascer de Jacarepaguá e vários outros foram trabalhos muito importantes que a cada ano a gente melhora um pouco.

A dupla também não pestaneja ao ser questionado a possibilidade se tornar coreógrafos de comissão de frente de uma escola do grupo especial: – Não! Adoramos o que fazemos aqui. Pretendemos continuar sempre com as alas e carros com o Paulo Barros – Responde Roberta sempre muito simpática, característica do casal.

Outro nome sempre é lembrado é o de Claudio Andrade da São Clemente, ele chegou ao carnaval em 2006 pelo carnavalesco Fábio Ricardo trabalhando na Rocinha e agora na São Clemente. Claudio Andrade também é coreografo da comissão de frente da Academicos do Sossego, que desfile pelo grupo C.

– Sempre trabalhei com Fabinho, carnavalesco pelo qual sou admirador, sempre me deu liberdade para criar minhas coreografias, e isso foi fundamental para que elas fossem bem sucedidas. A Ala do Zé Pereira em 2008, os poodles em 2010 da Rocinha e as Carmen Miranda da São Clemente em 2011 foram trabalhos que eu gostei muito de fazer. Pretendo seguir sempre com o Fabinho, para onde ele for – comenta Cláudio relembrando seus trabalhos.

O bacana disso tudo é perceber o estilo de cada um desses profissionais, mas, além disso, é ver que todos eles trabalham com amor pelo carnaval, pela coreografia e por fidelidade aos carnavalescos das escolas.

Os próximos coadjuvantes são Os Escultores.

Comente: