Site CARNAVALESCO desembarca em São Paulo. Confira entrevista com o presidente da Liga SP

 

 

O site CARNAVALESCO chega oficialmente a São Paulo. Com o intuito de abrir um novo espaço na cobertura do carnaval paulista, fomos até a sede da Liga Independente das Escolas de Samba para um bate-papo com o presidente Paulo Sérgio Ferreira. Mesmo com o extenso ritmo de trabalho, que aumenta muito com a proximidade do carnaval, Serginho falou por mais de uma hora com a equipe do site e abordou diversos assuntos relacionados a folia na capital paulista.

 

CARNAVALESCO: Qual é a importância do desfile das escolas de samba para cidade do São Paulo?

 

Serginho: Acho que o carnaval é o mais importante evento do calendário oficial do município. O carnaval é um acontecimento preparado para o povo da cidade e do estado de São Paulo. É diferente, por exemplo, da Fórmula Um, que é um evento mais para o turista, para quem vem de fora. O carnaval, ao contrário, é pensado para atender mais aos paulistas e paulistanos.

 

CARNAVALESCO: O que representa para São Paulo a chegada da equipe do site CARNAVALESCO na cobertura dos desfiles?

 

Serginho: Para nós, quanto mais veículos existirem interessados em cobrir o nosso espetáculo, melhor. Vemos a chegada do site CARNAVALESCO com bons olhos. Por causa da explosão de venda dos smartphones, qualquer pessoa pode ter acesso ao conteúdo dos sites rapidamente. É um processo que coloca esse tipo de veículo, às vezes, em um patamar mais importante que as rádios e, até mesmo, a televisão. Hoje, todos acessam as notícias dos sites em qualquer horário ou local. As redes sociais se tornaram poderosas aliadas de divulgação. Antigamente, para marcarmos uma reunião era muito difícil. Atualmente, as pessoas se comunicam com facilidade através da internet. Tanto que as manifestações de junho e os “rolezinhos” foram, quase que em sua totalidade, combinados pelo computador. Daí, o tamanho da importância que os sites têm na cobertura do carnaval de São Paulo.

 

CARNAVALESCO: Como é a relação das escolas de samba paulistas com as comunidades?

 

Serginho: A principal missão das escolas de samba de São Paulo é tentar trazer essas comunidades mais para perto e agregar esse patrimônio. É das comunidades, muitas vezes carentes, que sai a força das escolas de samba. Para vocês terem uma ideia, existem escolas que procuram outros modelos de gestão em relação às suas comunidades. Porém, o que se vê no dia do desfile mostra uma diferença gritante. Aquelas escolas que estão mais próximas de suas comunidades, de seu povo, geralmente fazem um desfile mais quente, mais forte, mais vibrante do que as agremiações que procuram outros caminhos, quase sempre comerciais, tornando-se frias e geladas.

 

CARNAVALESCO: Quais são as diferenças do carnaval de São Paulo para o Rio de Janeiro?

 

Serginho: O carnaval do Rio de Janeiro é espetacular em todos os sentidos. A própria cidade ajuda muito. A praia, o clima, as belezas naturais são um convite para quem quer curtir aqueles dias de descanso. Fora o espetáculo que as escolas fazem na Avenida. É um carnaval fantástico. Quase um teatro a céu aberto. Aqui em São Paulo nós temos um mote cultural. Porém, a capital é, sabidamente, uma grande exportadora de turistas. A Liga está tentando reverter esse processo através de diversas ações. Estamos fazendo trabalhos nas cidades do interior do estado, onde a renda per capita é bastante alta se comparada com alguns bairros do município, para trazer esse morador para a Capital, nos dias de folia. Estamos negociando com a prefeitura para que determinados comércios, como o Mercadão Municipal e as lojas da Rua 25 de Março, funcionem nesse período. Iniciamos conversas com a Associação Brasileira Hotéis para que a hospedagem tenha cinquenta por cento de desconto na cidade de São Paulo, durante o período do carnaval. Esses seriam alguns atrativos para que o turista viesse visitar São Paulo e o morador ficasse na cidade curtindo o carnaval.

 

CARNAVALESCO: A Liga de SP inovou na venda de ingressos. Como é feito esse processo?

 

Serginho: Por anos, tivemos um padrão de atendimento aos clientes, tanto na venda das entradas, como no serviço de camarote que foi se perdendo com o tempo. Sendo assim, conversamos com a empresa que administrava esses serviços e decidimos cancelar o contrato amigavelmente. Nossa prioridade é permitir a pessoa que vá assistir aos desfiles das escolas de samba de São Paulo tenha o máximo possível de facilidades. Além de retomar o padrão de atendimento, com conforto na bilheteria e no serviço de camarotes, permitimos que as pessoas pudessem comprar pela internet com seus cartões de crédito. Em novembro, abrimos as vendas das mesas e cadeiras de pista (o que equivale às frisas na Sapucaí) parcelando em até 12 vezes no cartão, o que ajuda a esgotar a carga de ingressos de maneira mais rápida. Quando o cliente tem a facilidade de compra, todos os lados ficam felizes. Nós, que vendemos maior número de entradas e, principalmente, o cliente que consegue realizar sua compra com conforto e segurança, alinhando os valores de uma maneira que caiba em seu orçamento. Hoje, fazemos a gestão de todo esse processo e estamos conseguindo atender melhor, por exemplo, as empresas que nos procurar para reservar seus camarotes.

 

CARNAVALESCO: Outro setor que a Liga inovou foi na formação do corpo de jurados. Como é feito esse processo de seleção?

 

Serginho: Faz anos que estamos trabalhando no processo de formação de nossos julgadores. Pedimos currículo, fizemos processos seletivos e criamos uma metodologia, onde existe a figura do coordenador, representado pelo jurado que está conosco há mais tempo dentro de cada um dos quesitos. Esse coordenador, em um primeiro momento, vem às reuniões da Liga e explica para todos os presidentes como será feito o julgamento na Avenida. Ele fala detalhadamente que critérios as administrações devem adotar para que suas escolas consigam as notas mais altas. Após alguns encontros, surgiram muitas perguntas dos presidentes e, sendo assim, elaboramos uma tabela com parâmetros de penalidades para cada um dos quesitos. O que é isso? Geralmente, após o carnaval só estão satisfeitos três presidentes. O da escola campeã e o das duas que subiram de grupo. Como a reclamação recorrente dos representantes das escolas era o problema de determinado julgador penalizar uma mesma infração com medidas diferentes, ou seja, tirar mais ponto de uma agremiação do que de outra que tenha mais tradição. Dividimos as faltas em quatro conceitos: pequeno, leve, grave e gravíssimo, atribuindo perda fixa de pontos para cada um deles. Essa tabela deverá entrar em vigor no carnaval de 2015, pois estamos fazendo os últimos ajustes. Assim, como acontece no código civil, as infrações terão penalidades estipuladas e isso dará, ainda mais, lisura e credibilidade ao julgamento. Todos os anos fazemos uma avaliação para saber o que precisa ser melhorado. Para 2014, teremos a renovação de aproximadamente vinte por cento do corpo de julgadores. Nó próximo sábado, começam as palestras dos cursos de julgadores. Em seguida, eles passarão por uma preparação psicológica, tudo para que não haja dúvida quanto à lisura do julgamento.

 

CARNAVALESCO: Falando da pista de desfile, o que o presidente pensa do Anhembi e o que mexeria se fosse possível?

 

Serginho: O Anhembi é um ótimo espaço. Tem uma concentração muito grande, onde conseguimos alinhar os carros das escolas sem maiores problemas. Ao lado do sambódromo temos o estacionamento, onde guardamos praticamente todas as alegorias. A dispersão é feita de maneira muito boa e tranquila. Graças ao cerco natural do rio Tietê, conseguimos montar barreiras que impedem o acesso de quem não vai desfilar ou assistir aos desfiles. O que dá mais segurança para o público e mais tranquilidade para as escolas trabalharem. Antigamente, as cadeiras estavam em um nível mais baixo que a pista, com muita luta conseguimos equiparar tudo no mesmo nível. Estamos conversando com a prefeitura de São Paulo para tentar mudar algumas coisas no Sambódromo. Contratamos um arquiteto para fazer um projeto de substituição das cadeiras e mesas de pista por frisas, o que aumentaria a capacidade de lugares e o conforto de quem assiste ao espetáculo. Precisamos fazer alguns acertos nos camarotes também, mas esse processo é demorado, pois, seria uma obra executada pela prefeitura. Outra coisa que precisa ser repensado é o acesso dos repórteres, principalmente fotógrafos, a pista de desfile. Muitos acabam atrapalhando as escolas e não entendem que existe uma competição. É uma questão complicada. Sei que o profissional precisa trabalhar, mas isso tem de ser feito com respeito pela agremiação que está desfilando.

 

CARNAVALESCO: São Paulo também terá seu espaço de barracões. Como será e quando ficarão prontos?

 

Serginho: Quando o prefeito Fernando Haddad assumiu fizemos algumas reuniões. Depois de muita conversa conseguimos que as obras continuassem, mas creio que só fique concluída totalmente após o carnaval de 2015. Afinal, queremos dar a mesma estrutura e condição para cada uma das 14 escolas do Grupo Especial que irão ocupar aqueles espaços. A conclusão dessa obra seria um grande ganho na produção do desfile, pois esses barracões estão localizados a menos de 500 metros do complexo do Sambódromo. Isso evitaria que tivéssemos que locomover mais ou menos 100 carros alegóricos pela cidade.

 

CARNAVALESCO: Qual a importância e a ajuda dada pela prefeitura para os desfiles das escolas de samba?

 

Serginho: A prefeitura contribui com uma subvenção que junto com a renda de bilheteria e a verba dos direitos de transmissão pagos pela televisão, compõe o orçamento anual das escolas. O que precisa ser melhorado é a maneira que essa subvenção é liberada. Mesmo com os preparativos do desfile começando cedo, a primeira parcela saiu no fim de novembro e a segunda em janeiro. A última será liberada dia 22 desse mês, menos de uma semana antes do desfile. Isso cria um problema no cronograma de produção das escolas, que fica completamente atrasado. Creio que nos próximos anos vamos conseguir levantar esse dinheiro com mais antecedência. Cada administração tem uma maneira de lidar com o evento.  Temos conversado muito com a prefeitura e estamos indo por um bom caminho, mas ainda acho que pode melhorar. 

 

CARNAVALESCO: Como o senhor vê a questão dos enredos patrocinados?

 

Serginho: Essa é sempre uma questão delicada, pois, da mesma maneira que patrocínio restringe o desenvolvimento do enredo, com o dinheiro em caixa, a escola pode se planejar melhor. Em alguns casos, o que se ganha com luxo e acabamento supera as dificuldades criadas por essa questão.

 

CARNAVALESCO: Quanto uma escola de samba de São Paulo gasta para colocar o carnaval na Avenida?

 

Serginho: Em média, o custo anual para se colocar um carnaval na Avenida gira em torno de R$ 2,5 milhões. Dinheiro que provem da subvenção da prefeitura, dos direitos de transmissão da televisão e da venda de ingressos. Com a injeção de patrocínio e a captação que algumas escolas fazem, esse valor pode chegar a quatro milhões. Nada muito longe disso.

 

CARNAVALESCO: Socialmente, como as escolas paulistas interagem com suas comunidades?

 

Serginho: As escolas de samba são grandes pontos de apoio de suas comunidades. Existem bons projetos acontecendo em algumas agremiações. Núcleos de fisioterapia, atendimento a crianças, ecoterapia, etc. É até bom tocarmos nesse assunto, pois, como as escolas dispõem do espaço, se o empresariado se envolvesse com o financiamento desses projetos, tenho certeza que milhares de crianças seriam beneficiadas. No atual cenário, cerca de oitenta por cento desses projetos são custados pelas próprias escolas. O que restringe muito a atuação frente a comunidade.

 

CARNAVALESCO: Qual é o sonho do presidente para o Carnaval de SP?

 

Serginho: Que o carnaval de são Paulo cresça a cada ano. Porém, não é se equiparar ao carnaval do Rio de Janeiro. O carnaval paulista tem suas características, que são diferentes das do Rio. Meu sonho é ver o carnaval de nossa cidade cada vez maior e cada vez mais estruturado, sempre respeitando suas próprias tradições.

 

CARNAVALESCO: Qual sua mensagem para os leitores do site CARNAVALESCO?

Serginho: Sejam bem-vindos ao carnaval de São Paulo. A cada dia que passa, teremos mais novidades para levar a você, leitor. O carnaval paulista vem crescendo a cada ano e, para gente, é um enorme prazer em receber cada vez mais veículos de imprensa para trabalhar em nossa festa.

Comente: