Site CARNAVALESCO visita obras na Cidade do Samba

Mais uma vez, o site CARNAVALESCO foi visitar uma obra. A bola da vez foi a Cidade do Samba, que, em fevereiro deste ano, sofreu com um incêndio que destruiu quatro barracões. Com o aval do presidente da Liesa, Jorge Castanheira, podemos visitar o andamento dessa obra e entender todos os problemas burocráticos que antecederam o início da reconstrução, o andamento do trabalho e sua finalização, que deve acontecer em novembro.

* Clique aqui e veja fotos da obra na Cidade do Samba

O uso dos EPIs (equipamentos de segurança) foi fundamental no momento de registro das fotos e durante a caminhada pela parte interna dos barracões atingidos pelo fogo. Antes, porém, o diretor de manutenção da Cidade do Samba e funcionário da Liesa, Edson Marcos, explicou alguns pontos sobre a obra e a preocupação de muitos com esta reforma. Infelizmente, o engenheiro Mateus Ferreira, que também faria parte da entrevista, não pôde estar presente devido a compromissos nas obras. Confira a entrevista:

Prazo de entrega dos barracões em novembro
“Com certeza. Isso está no contrato. Essa foi uma das cláusulas, que até 30 de novembro os barracões 1, 2 e 3 pudessem estar em condições de receber as escolas. O barracão 1 será da Renascer, o 2 continua sendo da União da Ilha, assim como o 3 é da Portela”.

* Clique para ouvir a Rádio Tupi Carnaval Total. São 24 horas de muito samba

Começo dos trabalhos da Portela, Ilha e Renascer fora da Cidade do Samba
“O aluguel das tendas está sendo pago e está acordado que, com a entrada dessas escolas para os barracões, em novembro, elas deixarão de existir e serão desmontadas. A Ilha e a Portela continuam ocupando as tendas do ano passado. A Liesa está fazendo uma ampliação para melhorar ainda mais as condições de trabalho e, com isso, possibilitar que eles possam produzir mais atividades até o retorno para a Cidade do Samba. A Renascer continua ocupando o seu barracão, no Carandiru, e só vem para cá em novembro”.

Cronograma das obras e o momento mais complicado
“O mais difícil foi equacionar as condições e documentações para que a gente pudesse ser reembolsado pelo seguro e isto é uma burocracia demorada, mas graças a Deus tínhamos tudo que eles pediram. O que não estava ao nosso alcance nós conseguimos buscar nos órgãos de competência, o que demorou um pouco mais. A negociação com a construtora transcorreu normalmente e a gente começou a obra assim que nós tivemos os recursos da seguradora. Nesse momento, temos um quantitativo aproximado de 102 pessoas trabalhando, numa jornada de 12 horas. Estamos adiantando a parte de alvenaria, de instalações elétricas e hidráulicas e a estrutura. As peças metálicas foram produzidas na Usiminas (Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais), estão indo agora para a CASOL para que faça os ajustes, perfurações e montagens. E essas peças devem estar chegando aqui por volta do dia 4 de outubro. Depois disso, a obra entra em uma jornada mais intensa”.

Barracão da Grande Rio
“O prazo total da obra é de 180 dias a partir da assinatura do contrato, que aconteceu no dia 22 de agosto. Então, nesse primeiro momento, o barracão da Grande Rio não é prioridade, e sim os barracões 1, 2 e 3. O da Grande Rio, como é uma construção nova teoricamente, ele tem um prazo mais extenso, ou seja, abril ou maio do próximo ano”.

Mudanças nas infraestruturas dos barracões e na segurança
“Estão sendo desenvolvidos os projetos e revisados. Segundo o Corpo de Bombeiros, eles estão fazendo uma nova exigência a nível de instalação na rede de incêndio. Com isso, esse quatro barracões está sendo projetado com redes de incêndio de acordo com essa nova exigência, até porque a legislação de combate a incêndio no Rio de Janeiro sofreu uma alteração no ano de 2010. Esses barracões já estão sendo construídos dentro desta norma. Nos já existentes, é responsabilidade da RioUrbe readequá-los a essa nova condição”

Seguro da Cidade do Samba
“A princípio, o seguro da Cidade do Samba é feito pela Liesa, que é a entidade que representa as escolas e que tem a concessão do espaço. As escolas que quiserem fazer o seguro individual podem fazer, só que seria gastar dinheiro para uma mesma situação. Não sabemos de nenhuma escola ter feito um seguro por fora”

Atraso na entrega
“O planejamento que foi desenvolvido pela construtora é para atender a essas datas, então a nossa função aqui é cobrar o andamento das obras. Os recursos disponibilizados pela construtora Delta é uma responsabilidade dela. No dia 30 de novembro, os barracões vão ter condições de receber as escolas para que elas acabem seu carnaval”.

Qual sua opinião sobre a obra na Cidade do Samba?