Tavinho, Wagner Araújo e Ricardo Fernandes falam sobre importância do Roteiro dos Desfiles

Um desfile demora em média dez meses para ser produzido. Desde a primeira reunião para definição do enredo, até o último minuto da escola na Marquês de Sapucaí, o trabalho de produção é árduo e intenso em todos os setores de cada agremiação. Tanta dedicação, porém, ás vezes passava um pouco despercebido aos olhares do público do Sambódromo. Sem um material explicativo de cada desfile, o espectador muitas vezes não entendia o desenvolvimento dos enredo. Com o surgimento do Roteiro dos Desfiles, em 2010, esse cenário mudou completamente, já que com ele, quem for assistir aos desfiles sabe exatamente o que cada fantasia ou alegoria representa dentro do enredo.

Para termos noção da representatividade do informativo junto ao trabalho realizado por cada escola, fomos ouvir a opinião de alguns diretores de carnaval. Para Tavinho Novello, da Grande Rio, o Roteiro dos Desfiles é uma importante ferramente de interação entre escola e público.
 
– É sem dúvida muito importante. Ele é praticamente um resumo do que passamos para os jurados da Liesa no Abre Alas (livro distribuído ao corpo de julgadores). O público agora pode entender a nossa proposta de desfile e identificar cada setor da escola. É até uma forma de mostrar o comprometimento que as escolas tem com o público. Até porque, o público é mais uma bancada de julgadores. Sem contar que pessoas da própria escola leem e ficam mais antenadas com o desfile.

Ricardo Fernandes, diretor de carnaval da Unidos da Tijuca, lembrou a importância documental do informativo.
 
– É legal porque informa o público. Dá uma ideia geral de como a escola vai se apresentar e explica a proposta das fantasias e alegorias. Além de servir como registro histórico do desfile.

Para o experiente Wagner Araújo, responsável pela direção de carnaval da Imperatriz Leopoldinense, o Roteiro dos Desfiles também traz a possibilidade de observar a adequação do samba-enredo ao que está sendo mostrado na pista de desfile.
 
– Eu acho interessante porque você oferece ao público, caso ele tenha essa vontade, a opção de entender de uma maneira bem satisfatória o que está acontecendo no desfile. Ás vezes um tema parece simples, mas o carnavalesco desenvolve de maneira um pouco complexa para o entendimento do grande público e o Roteiro dos Desfile ajuda a elucidar. Também é a oportunidade de conferir se o que está sendo cantado está passando em determinada escola – afirmou.

Se nos últimos três anos muita gente já saiu do Sambódromo entendendo perfeitamente o que as agremiações quiseram contar, em 2012 a informação será ainda maior. Serão 300 mil exemplares distribuídos em todo os setores e no entorno do Sambódromo, além do aumento da acessibilidade para quem quiser consultar o conteúdo informativo através de dispositivos móveis de internet.

Comente: