“Teu samba ninguém vai calar”

"Mangueira é resistência", disse Ivo Meireles antes de surpreender o mundo do samba e anunciar o samba menos cotado da final como o vencedor de seu concurso interno. Resistir, nos dias atuais em que a maioria se cala e foge da responsabilidade, é coisa de herói. Por isso estou aqui para aplaudir a coragem de assumir um samba sem lobby, sem rótulo, sem padrões estéticos pré-determinados. Um samba na essência, um samba de resistência. Um samba lindo, poético e de refrão fortíssimo.

Só mesmo uma escola como a Mangueira para assumir um samba como este. É preciso ter lastro para tal. É normal que Ivo seja alvo de inúmeras críticas pela decisão. O Status quo não reage bem quando é desafiado. Na verdade me peguei rindo da revolta de alguns colegas que apostavam ou no pré-moldado 30b ou na "força da comunidade" do 57a. Não imaginavam a possibilidade da vitória do 9a . Sentindo-se traídos em suas certezas, distribuíram críticas. Eu também não acreditava neste resultado, mas gostei de ser surpreendido.

Siga assim, Ivo. Siga assim, Mangueira: revolucionando, chacoalhando, provocando reflexões, sendo pioneira. Vou dormir de alma lavada e
de esperança renovada. Há uma luz no fim do túnel para os sambas de enredo! Vale a pena a gente gritar, reclamar, se expor para tentar melhorar o que acha estar no caminho errado.

Não, este não era o meu favorito na disputa. Os meus preferidos caíram nas duas semanas anteriores. Eram o 5a e o 22b. Gostei desse desde a primeira vez que ouvi, mas achava que não iria adiante por ser "pesadão" demais para os padrões de hoje em dia. E a Mangueira deu um "dane-se" aos padrões. Foi além de mim, despindo-se de preconceitos para escolher o que ela achava ser melhor.

Você, Mangueirense que como eu preferia este ou aquele, pare para ler e ouvir o sambão que sua escola levará para a avenida. Emocione-se. Não é difícil. E tenha um grande carnaval!