Tucuruvi realiza ensaio técnico pouco inspirado em evolução e harmonia

logo-300-250bÚnica escola do Grupo Especial a não participar do julgamento da Liga SP em 2018 devido ao incêndio que consumiu 90% de suas fantasias para o desfile, o Acadêmicos do Tucuruvi realizou um ensaio técnico pouco inspirado na noite deste domingo no Sambódromo do Anhembi em São Paulo. A agremiação encontrou dificuldades, principalmente, nos quesitos de pista, como evolução e harmonia.

Samba-Enredo

Boa a apresentação da obra do Zaca no Anhembi. Novamente uma condução segura do intérprete Alex Soares. Sua boa apresentação determinou um bom rendimento do samba, que possui uma melodia mais à frente, o que possibilita um andamento de desfile que permita ao componente brincar mais. O carro de som demonstrou um bom entrosamento com a bateria.

Harmonia

Deixou a desejar e precisa ser intensificada até o desfile. As primeiras alas da escola passaram praticamente sem cantar o samba. As pessoas que serão composições do primeiro carro da escola no desfile fizeram coreografia, mas também pouco cantaram o samba-enredo. Esse problema só foi melhorar com as alas finais do Tucuruvi que aí sim demonstraram um canto satisfatório.

Evolução

tucuruvi_ensaiotecnico_28012017dsc07808-copyIrregular. A maioria das alas passou andando, mesmo aquelas que demonstraram uma boa harmonia de canto. O andamento do ensaio em seu início foi excessivamente lento. A alas também estavam emboladas, o que se ocorrer no desfile certamente acarretará em perda de pontos. Duas alas que passaram empunhando bolas azuis e amarelas passaram brincando e evoluindo bastante, o que demonstra que é possível avançar no quesito.

Ricardo Rodrigues, diretor de harmonia da escola, opinou sobre o desfile do Tucuruvi à reportagem do CARNAVALESCO.

– Satisfeito com o empenho de nossa comunidade. Não é o melhor horário para ensaiar nessa época de verão (a escola iniciou seu ensaio às 18h), mas achei que nossos componentes cantaram nosso samba e evoluíram com bastante alegria. Vamos fazer o melhor que podemos nesse desfile – destacou.

Bateria

A bateria do Zaca optou por um ensaio mais conservador até a entrada e permanência no segundo recuo. Depois de saírem os comandados de mestre Guma Sena fizeram algumas bossas, a principal delas no trecho final do samba. O mestre conversou com a reportagem do CARNAVALESCO ao final do ensaio.

tucuruvi_ensaiotecnico_28012017dsc07778-copy– Difícil ter um parâmetro vindo á frente, mas pelo que senti achei o andamento cadenciado como vínhamos ensaiando. Não tem nada a ver nós não estarmos em julgamento com o nosso trabalho. Vamos vir como se estivéssemos na disputa do título. O que aconteceu foi uma fatalidade – destacou.

Comissão de Frente

O grupo de dançarinos apostou no dia ainda claro e se apresentou com o corpo pintado de dourado e tecidos na mesma cor, o que conferiu um brilho visual à apresentação. Houve ainda interação com um pequeno elemento alegórico que foi trazido pela escola. Quando o grupo subia no tripé ficava estático como se fossem estátuas.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

Kawan Alcides e Waleska Gomes se apresentaram logo na sequência da comissão de frente. Ela veio com num figurino diferente, com bastante pano, devido ao enredo da escola vir falando de museus. O mestre-sala optou pelo tradicional com calça e paletó também em tom dourado. A dupla mostrou um bom entrosamento em sua passagem pela avenida. O bailado também ocorreu sem maiores percalços, apesar do vento que sempre bate no Anhembi.

Outros destaques

Como a escola virá falando sobre museus em 2018, os componentes usaram esse tema na hora de compor o figurino para o ensaio. Uma ala de composições que virá no abre-alas estava toda enfaixada, como se fossem múmias.