Um mês para os ensaios técnicos: CARNAVALESCO visita Machine, o síndico da passarela

Está chegando o momento aguardado pelos sambistas. O palco da Passarela do Samba será aberto para as escolas de samba darem aquele gostinho de carnaval. Dentro de 30 dias começam os ensaios técnicos na Marquês de Sapucaí. Quando a Acadêmicos da Rocinha pisar na pista de desfiles no dia 13 do próximo mês todos os finais de semana (excetuando-se os dias 27 e 28/12 e 02 e 03 de janeiro) serão de muito samba até o desfile da grande campeã do Grupo Especial no Sábado das Campeãs, dia 13 de fevereiro.

O Sambódromo já está sendo preparado para receber as escolas, seus componentes e, claro, o público que mais uma vez não pagará nada para assistir aos treinos das agremiações. A equipe do CARNAVALESCO visitou o síndico da passarela, José Carlos Machine, que já está morando na avenida. Machine afirmou que o trabalho nunca termina. – Até o dia 12, véspera do primeiro ensaio, tudo estará preparado. Mas o trabalho segue até o carnaval – revela.

As estruturas provisórias que darão lugares a frisas e camarotes já estão na fase de montagem e as cabines usadas pelas rádios nos ensaios técnicos também estão em fase final de montagem. A paisagem da passarela também deve mudar no trecho final, afinal não há mais a torre de TV. – A ideia é ter a nova já para o primeiro ensaio. – esclarece Machine.

O síndico da passarela cumpre a função de ser o responsável pela casa de todo sambista há 32 anos. Tanto que desde outubro ocupa uma sala, transformada em conjugado para atender as demandas que surgem. – Esse ano me mudei mais cedo pois o carnaval também é cedo. Minha esposa mora em Jacarepaguá e só me vê de vez em quando. Mas todos entendem que é o meu trabalho – declara Machine, que tem quatro filhas e quatro netos. Duas dessas filhas integram sua equipe.

A sala possui uma mesa para reuniões, quadro de avisos com todo o cronograma não apenas dos ensaios técnicos, mas de todos os treinos de casais, comissões de frente e baterias que realizam aprontos secretos nas noites e madrugadas na avenida, entre 18h e 06h do dia seguinte. – Vou dormir por volta das 06h30, 07h e acordo 10h30 – afirma Machine.

O síndico explica que esses treinos secretos são previamente agendados pela escolas com a Liesa. – A secretária do Elmo envia ofícios para a gente e elaboramos a agenda. Este ano alguns ensaios têm ocorrido entre os setores 03 e 09, mas apenas quando há eventos na Praça da Apoteose. Fora deste período segue como nos anos anteriores – explica. 

O time de Machine é facilmente identificado na Passarela do Samba pelas camisas. São 21 pessoas que trabalham de maneira fixa ao longo do ano, mas o contingente cresce para o carnaval. – Para os ensaios aumento para 34 pessoas e nos dias de desfile procuro realocar todos em outras empresas que ´participam da logística do espetáculo – explica.

Com o olhar de quem já viu de perto todos os desfiles da história do Sambódromo, Machine não cita nomes, mas considera saber quando uma escola vai deslizar em algum quesito. – A gente tem o olhar de quem conhece cada meandro dessa pista. Tem muita escola que já entra errada e aí não tem como consertar – alerta. Ele conta qual foi a maior emoção vivida nos 32 anos de síndico. – No desfile das campeãs de 1989, quando retiraram o plástico do cristo Mendigo. Um momento inesquecível – diz.