Unidos da Ponte vence Série B e volta ao Sambódromo em 2019

ponte_desfile_2018_16A Unidos de Ponte é campeã da Série B no Carnaval 2018. Com a vitória, a escola volta ao Sambódromo em 2019 para desfilar pela Série A. Segunda escola a desfilar na terça-feira de carnaval com o enredo “Romance de Xangô: a dança do fogo”, a agremiação teve em sua ala musical a sustentação ideal para o seu desfile. Vargens, Cabuçu e Jacarezinho foram rebaixadas para a Série C.

A bateria de Mestre Luygui Silva com suas bossas e a condução segura de Yuri Machado do bom samba-enredo foram os pontos altos da apresentação da escola.

Comissão de Frente

Representando uma “Noite de festa em Salvador” com uma fantasia simples, mas plenamente adequada ao enredo e com a coreografia bem executada, a comissão apresentou o enredo e a escola mostrando o que viria pela frente. Em dado momento da performance, eram acesas velas dentro de alguidares que eram oferecidos aos jurados, momento mais marcante da apresentação.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

Bela apresentação do casal Yuri Souza e Bruna Santos que representavam “A negra africana e o Babalaô”. Numa caprichada indumentária, com predominância das cores da escola, o azul e o branco, a dupla mostrou um bailado sincronizado, coreografia adequada à letra do samba e evoluiu com leveza e segurança.

Harmonia

Facilitada pelo bom samba e pela atuação do intérprete Viny Machado que a todo momento chamava a escola para cantar, a Unidos da Ponte mostrou canto forte e constante. Destaque para as alas de baianas e de crianças cantando a plenos pulmões.

Enredo

Uma história pouco conhecida, porém de fácil compreensão foi o que mostrou a Unidos da Ponte. O carnavalesco Lucas Milato pretendia apresentar ao público o olhar de Vitorino Nemésio, autor de “Romance de Xangô”, livro que inspirou o enredo. A tarefa foi cumprida em parte, pois a simplicidade de algumas fantasias impedia uma melhor leitura, mas, no geral, a mensagem foi compreendida.

Evolução

Quesito em que a Unidos da Ponte teve pequenos problemas, pois em dado momento o ritmo foi demasiado lento. Dentro das alas os componentes brincavam sem muita rigidez de marcação e não houve alas embolando. A certa altura fez-se um espaço entre a ala da velha guarda e a da frente, mas isso ocorreu entre duas cabines e não em frente e foi logo corrigido.

Samba

A obra da Unidos da Ponte já era por si só de boa qualidade e ganhou ainda mais força na voz do intérprete Viny Machado que teve atuação muito boa, conduzindo com segurança e muita garra. O refrão era muito forte durante todo o desfile e conquistou até parte do público presente.

Fantasias

Apresentando algumas fantasias de boa leitura e outras com problemas de concepção, o saldo final foi apenas regular. Em relação ao desfilante, as fantasias não atrapalhavam a evolução e permitiam que se movimentassem com facilidade. Quanto à realização praticamente todas passaram muito bem, entretanto a dificuldade de leitura ou criatividade prejudicaram o resultado final.

Alegorias

Quanto às alegorias, a Unidos da Ponte mostrou duas que compunham bem o enredo servindo à proposta da escola. Um ou outro problema de realização ou mesmo de acabamento puderam ser vistos e podem acabar comprometendo o resultado final.

Outros destaques

A bateria de Mestre Luygui usou e abusou de bossas e paradinhas para entreter o público presente à Intendente Magalhães. E conseguiu, o presentes divertiram-se com a performance dos ritmistas e os aplaudiram com empolgação.