Unidos de Padre Miguel peca em evolução, mas mostra que também pode sonhar com o título

Por Rodrigo Coutinho

upm_desfile_2018_31Não tem jeito! Na atual conjuntura dos desfiles da Série A tem sido complicado apontar uma campeã antes da passagem da Unidos de Padre Miguel. Neste sábado a história se repetiu. O ”Boi Vermelho” da Vila Vintém voltou a fazer um desfile digno de quem quer ascender ao Grupo Especial e novamente levantou o público da Marquês de Sapucaí. Apesar da avaliação positiva, não foi um desfile perfeito, o que ocasiona o duelo com a Unidos do Viradouro esperado por todos no pré-carnaval. A Unidos de Padre Miguel encerrou a sua participação com 53 minutos. A vermelha e branca passou no Sambódromo com o enredo ”O Eldorado Submerso: Delírio Tupi-Parintintin”, desenvolvido pelo carnavalesco João Vitor Araújo.

upm_desfile_2018_35-3Os grandes destaques da Unidos foram o desenvolvimento do enredo, o conjunto de fantasias e alegorias, a evolução demonstrada pela bateria, o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira e o rendimento de seu samba-enredo. Pesa contra a ”correria” nos dois últimos módulos após a entrada da bateria no segundo recuo, além da oscilação no canto da agremiação do meio para o fim do desfile. Há também o fato do carro abre-alas ter desacoplado antes da faixa final do desfile como algo que pode complicar as pretensões de título, mas só saberemos do desfecho na quarta-feira de cinzas.

Comissão de Frente

upm_desfile_2018_18-3Tendo a frente o coreógrafo David de Lima, que vem somando bons trabalhos nos grupos de acesso, a comissão de frente da Unidos veio fantasiada de ”Ouvindo o chamado do Pajé: o início da encantaria”. O grupo era composto por 14 pajés em transe evocando o Caboclo Ribeirinho, o narrador do desfile da escola. A coreografia deixou a ideia muito clara e a maquiagem perfeita reforçou a impressão positiva. Houve muita sincronia nas apresentações e o ápice da performance era a transformação do Ribeirinho em um Boi metade Garantido, metade Caprichoso. O único porém foi acabamento da ”jangada” que se transformava no Boi, não acompanhou o nível dos figurinos dos integrantes.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

upm_desfile_2018_24Certamente o casal mais aguardado da Série A, por tudo o que aconteceu no desfile da escola em 2017, Vinicius Antunes e Jéssica Ferreira se apresentaram com a fantasia ”O tesouro mais precioso do Eldorado”. O rendimento de ambos foi excelente. Impressionante a maturidade de um ano para outro. Aclamados pelo público, ganharam ainda um impulso extra. Demonstraram muita sincronia, leveza e vestiram uma fantasia primorosa.

Harmonia

Um início arrebatador! Parecia que mais uma vez ”rasgaria” o chão da Avenida como já fez algumas vezes. O rendimento do canto, porém, foi caindo no decorrer do desfile e as alas chegaram ao último módulo sem a mesma pressão neste aspecto. Destaque no quesito foi a ala 11 – Mapui a Cobra Arco-Íris. Berraram o samba ao longo de todo o desfile.

upm_desfile_2018_38-6Enredo

Certamente um dos melhores desenvolvimentos de enredo já vistos na Série A. João Vitor Araújo se firma mais uma vez trazendo uma história que parecia densa, mas se revelou encantadora e de fácil assimilação. A cada carro e fantasia o universo proposto se revelava perfeitamente. Um primor!

Evolução

O grande pecado da Unidos de Padre Miguel neste desfile. Até a passagem da bateria no segundo módulo tudo funcionava na mais perfeita ordem. Depois, de forma inexplicável, a bateria andou sem parar entre o segundo e o terceiro módulo, entrando logo depois no segundo recuo. Os problemas persistiram com a sequência da escola. Os dois últimos setores passaram pela segunda metade da pista de forma muito rápida, algo sem a menor necessidade, vide o tempo restante para o fim do desfile. Aos 50 minutos a bateria saiu do segundo recuo e aí o ritmo de evolução voltou ao normal. A avaliação nos dois últimos módulos, porém, já estava comprometida.

upm_desfile_2018_45Samba-Enredo

Dono de muitos prêmios e grandes desfiles na Série A, Pixulé defendeu o primeiro microfone da Unidos de Padre Miguel pela segunda vez consecutiva. Novamente fez o ótimo samba da escola render e levantou o público ao lado da bateria.

Fantasias

Leitura, originalidade e luxo. Teve de tudo no conjunto de fantasias da Unidos de Padre Miguel. Impressionante o cuidado no acabamento e na total representação daquilo que se propõe. Mais uma vez destaque para a ala 11, e a ala 16 ”O Poderoso Pajé com o Cachimbo de Tauari”

upm_desfile_2018_68-2Alegorias

Concepção muito feliz de João Vitor Araujo. Eram muito claras na proposta, mas o conjunto acabou sofrendo alguns problemas técnicos ao longo do desfile. A começar pelo desacoplamento do abre-alas já citado, que pode não render penalização dos julgadores, mas sim da Comissão de Obrigatoriedades. O fato ocorreu a poucos metros da faixa de fim de desfile. O rabo da sereia do terceiro carro da escola também foi danificado ao longo do desfile. Uma pena! Principalmente por que o segundo e o quarto carro passaram perfeitos. Muito bem acabados e com leitura clara.

upm_desfile_2018_79-3Outros Destaques

Mais uma vez a ala de crianças da Unidos de Padre Miguel. Como é tradição na escola, vieram logo no início. E a tradição de belas fantasias para os jovens foi mantida, desta vez com ainda mais originalidade. Outro ponto que chamou muito a atenção foi a fantasia dos guardiões do primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira. Impressionava pelo luxo e acabamento.

Um comentário em “Unidos de Padre Miguel peca em evolução, mas mostra que também pode sonhar com o título

Os comentários estão desativados.