Variação constante de andamento da bateria no ensaio técnico da Renascer

Em noite quente de verão, pouco público e quase duas horas de atraso, a Renascer de Jacarepaguá realizou seu segundo ensaio técnico no Sambódromo e não mostrou o rendimento do primeiro treino na Avenida. Destaque positivo para a comissão de frente da coreógrafa Alice Arja, que criou uma bela coreografia para brindar o público presente, e negativo para a bateria de mestre Paulão, que não teve um bom desempenho.
 

* Clique aqui e veja o vídeo do ensaio técnico
 
Após o primeiro ensaio técnico, a caçula da Zona Oeste melhorou em alguns pontos, entre eles, o canto dos componentes, porém o mesmo oscilava de alguns integrantes para outros. Diferente do que ocorreu no primeiro ensaio, quando mostrou organização e uniformizou todos os componentes, dessa vez, muitos estavam desfilando sem a blusa de ensaios, principalmente, no primeiro setor e nas últimas alas.
 

* Veja aqui fotos do ensaio técnico
 
– Acho que nunca sai 100% como a gente planeja, mas não aconteceu nada que comprometesse o ensaio. Hoje tivemos um problema com a transmissão do rádio que atrapalhou a nossa comunicação e eu tive que dar uma corrida pra acompanhar a escola, mas nada que pudesse colocar em risco o que a gente veio fazer aqui. Nosso ensaio foi muito melhor que o primeiro. E acredito que, no dia, nossa apresentação vai ser ainda melhor. O que me deixou muito feliz foi que, hoje, conseguimos ensaiar com todos os componentes que estarão aqui no dia do desfile oficial, até mesmo os integrantes das alegorias. O clima está ótimo, a escola está solta, cantando e agora é só esperar o dia 19 – disse Alexandre Brites, o Louzada, diretor de carnaval da Renascer.
 
Com diversos presidentes do Grupo de Acesso à frente da escola, juntamente com o presidente da agremiação e vice-presidente da Lesga, Antônio Salomão, a escola de Jacarepaguá teve um excelente início de ensaio. A comissão de frente, da coreórafa Alice Arja, não repetiu a coreografia do primeiro ensaio técnico, e trouxe componentes vestidos de palhaços, sendo um integrante representando Romero Brito, o grande homenageado do enredo. Num determinado momento da teatralização, os palhaços e Romero, "pintavam" uma de suas telas para os jurados e em outro armavam um picadeiro feito de fitas, arrancando muitos aplausos do público das frisas e arquibancadas. Apesar de não ser a coreografia oficial, a coreógrafa confirmou que os movimentos são os mesmos que levará para o desfile oficial, porém com uma outra concepção.
 
Atrás da comissão de frente, veio o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Fábio Junior e Jéssica, que exibiu novamente uma dança simples, mas bem executada e sincronizada. O que pareceu atrapalhar foi o penteado da porta-bandeira. O cabelo da moça tampava parte dos seus olhos durante as apresentações da dança. Destaque positivo vai, mais uma vez, para o belo figurino do casal que apresentava a indumentária estampada com pinturas de Romero Brito.

A evolução da agremiação também não teve melhor rendimento que o primeiro ensaio. Apesar de não ter aberto buracos, o ritmo do desfile variou diversas vezes. De um início novamente acelerado, a escola parava durante um longo tempo e após corria novamente, o que acabava refletindo na empolgação dos componentes. A quantidade de componentes da escola foi pequena, talvez, a menor do Grupo Especial e a hamonia precisou segurar para a agremiação. Ainda em relação à este quesito, a ala de passistas passou pelo primeio setor inteiro apenas fazendo coreografias com a letra do samba, em nenhum momento sambando no pé. O mesmo aconteceu na passagem pelo setor nove.
 
A surpresa triste do treino ficou com a bateria da Renascer, que não manteve a sua característica "explosiva" e decepcionou. Apesar das bossas usadas terem sido bem executadas, valorizando a melodia do samba de Claudio Russo e parceiros, houve variação constante de andamento, pincipalmente, quando havia deslocamento. Entre os setores cinco e sete, os marcadores do surdo de 1ª do lado ímpar da Avenida, tocavam em compassos diferentes. Já no segundo recuo da bateria, algumas caixas embolaram quando o andamento, após cair naturalmente, tentava ser acelerado novamente pelo mestre. Muitas caixas de guerra não conseguiam acompanhar, porém nada que não possa ser revisto e consertado até o dia do desfile oficial. A rainha de bateria, Patrícia Nery, em seu segundo ano de reinado à frente dos ritmistas, estava deslumbrante num belo vestido com estampas de pinturas do homenageado.

– Achei que o ensaio foi bom. Mais uma vez conseguimos fazer aquilo que planejávamos e isso me deixa tranquilo para o desfile. Está chegando a hora e mesmo tendo trinta anos de carnaval estou muito ansioso. Já estou começando a ter menos apetite para me alimentar e penso no desfile toda hora. Sobre as variações de andamento, eu considero normal em razão da estrutura de som que se tem no ensaio técnico. O referencial fica precário, mas acho até bom para o ritmista ir se educando musicalmente. Tivemos um probleminha hoje com o cavaquinho, mas é coisa pouca, vamos resolver até o desfile – explicou mestre Paulão.

A Renascer abrirá o desfile das escolas do Grupo no domingo de carnaval com o enredo: "Romero Brito – O artista da aleria dá o tom da folia".
 

Comente: