Vencedora do Estrela do Carnaval, ala de passistas da Mocidade aposta em projeto como diferencial

Por Diogo Cesar Sampaio

mocidade_campeas_2018_090-copyPremiada com o Estrela do Carnaval de 2018, a ala de passistas da Mocidade encantou a Sapucaí no desfile oficial. Representando os condimentos da Índia, especialmente, a pimenta do reino, os sambistas esbanjaram samba no pé e alegria. O coordenador da ala, George Louzada, conversou com o site CARANAVALESCO sobre a importância de receber o prêmio e de ter o trabalho reconhecido e valorizado. A festa de premiação acontece no domingo, dia 11 de março, a partir das 13h, na quadra do Salgueiro. O convite já pode ser adquirido na quadra da escola, no horário comercial, e o valor de R$ 40 antecipado (direito ao prato de feijoada). No dia do evento, o preço será de R$ 50. Vale lembrar que para este evento não há reserva de mesas. A ocupação é por ordem de chegada.

– Ganhar o Estrela do Carnaval é o reconhecimento de um trabalho de 12 meses. A gente vem se empenhando muito ao longo desses anos. É a primeira vez que eu ganho o Estrela em conjunto com a ala de passistas. É uma alegria muito grande porque a gente vê que o trabalho está sendo visto, e serve de amostra e foi um atrativo a tal ponto de ser premiado dessa forma. Eu não vejo como a melhor ala, ou a pior ala, eu não vejo nesse formato. Eu vejo que o nosso trabalho, não só o meu, mas como o da minha equipe e dos passistas foi visto e reconhecido. Isso é o ponto máximo para qualquer um passista, principalmente, para nós coordenadores – afirmou.

mocidade_desfile_2018_56George Louzada comentou sobre o que acredita ser o diferencial da ala perante as outras: o projeto “Passos da Zona Oeste”. Com um grupo de passistas formado de pessoas majoritariamente adultas, e que não vivem do samba para sobreviver, a ala aposta justamente no projeto para descobrir e lapidar novos talentos.

– A ala de passistas da Mocidade é composta por pessoas mais maduras, adultas, em sua maioria não vive da arte da dança, tem os seus afazeres só que o nosso ponto forte é o projeto “Passos da Zona Oeste”, é um projeto de danças que a gente efetua na quadra de maio até o finalzinho de dezembro e isso dá uma revigorada na ala. Todo mundo que faz parte da ala, faz parte do projeto “Passos da Zona Oeste” – assegurou George Louzada.

O coordenadorfalou sobre a ala de passistas da Mocidade se tornar uma referência para as demais. Ele citou também da importância dos componentes desfilarem em outras escolas, e levarem o trabalho feito ali para outros lugares.

– Graças a Deus o trabalho tem sido amplo a tal ponto de ser referência para outras alas, principalmente, do Acesso. Tanto que nós temos hoje rainhas de bateria aqui, musas, reis de bateria, o rei do carnaval de Niterói foi nosso passista aqui até esse ano. A função da ala de passistas da Mocidade é formar passistas para o carnaval. Essa referência tem sido gradualmente fincada em levar o samba mundo a fora, porque ninguém fica preso a Mocidade, todo mundo leva a sua arte e a sua cultura a outras escolas, e isso tem levado nosso trabalho mais a frente – concluiu.