Viradouro faz ensaio técnico de rua com canto forte e pede que os componentes esqueçam onda de favoritismo

Por Fiel Matola e Winnie Delmar

O ensaio de rua da Viradouro, neste domingo, comprovou que a escola é uma grande favorita para ganhar o carnaval da Série A de 2018, e, dará trabalho para as coirmãs. Com um contingente de aproximadamente mil pessoas, de acordo com o diretor de carnaval Dudu Falcão, a Vermelha e Branca de Niterói iniciou seu esquenta às 19h34. Zé Paulo cantou o samba de 2014 (“Orgulho de ser Niterói”) e o samba exaltação da escola (“O sol nascerá”). Entre os dois sambas, Marcelo Calil Petrus, patrono da escola, falou sobre um dos assuntos mais comentados do pré-carnaval 2018, que é a certeza da subida da Viradouro para o Grupo Especial.

viradouro_ensaio_rua2018_0701-13-jpeg– Faltam 34 dias, essa hora a gente já estaria na concentração. Estamos trabalhando um ano inteiro. Não se iludam com qualquer comentário para abalar a gente, com pinta de já ganhou, nós não ganhamos nada, carnaval se ganha na pista, e será dia 10 de fevereiro e é ali que a gente ganha carnaval, vocês têm que ser fortes e se dedicarem – disse o patrono sob aplausos.

A chuva que estava fraca até então, caiu forte na cidade Sorriso e só terminou no final do ensaio às 20h32, a Viradouro demorou aproximadamente uma hora para fazer o percurso. O que se viu foi uma escola vibrante no início, com as alas cantando, Comissão de Frente e primeiro casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira evoluindo bem, mas um final frio, fugindo do padrão da maior parte da agremiação.

– O ensaio é sempre para aprimorar, eu nunca posso dar dez, porque a nossa auto crítica tem sempre que ser máxima. Foi um bom ensaio, não dá pra gente esconder isso, mas sempre tem um ponto positivo ou negativo para tentar melhorar e chegar no ápice na hora do desfile oficial. Nós só temos quatro alas. São 1500 fantasias, que fazem parte dos 1700 componentes que pretendemos levar para o Sambódromo. A Viradouro é uma escola privilegiada, nós temos aqui na Amaral Peixoto, uma situação bem próxima do ensaio oficial, mas é claro que ensaiar no campo oficial de jogo é sempre bom – explicou Dudu Falcão, integrante da direção de carnaval.

Comissão de Frente

Comandada pelo experiente Márcio Moura, a Comissão de Frente estava com um contingente de 13 componentes. O que se pode vê foi a técnica teatral com que o coreógrafo está acostumado a fazer. Em frente ao módulo 2 de jurados (demarcada na Amaral Peixoto por placas conforme Sapucaí), a apresentação da equipe iniciou conturbada, ao entrar para se apresentarem, alguns componentes erraram a coreografia, assim como tiveram problemas de sincronia, o que é lógico que pode ser consertado até o carnaval. Depois, a apresentação seguiu como esperado, com coreografia clara, objetiva e que apresenta a escola.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

viradouro_ensaio_rua2018_0701-5Julinho e Rute, não ensaiaram com fantasia, e não tiveram problema nenhum ao desenvolver seu bailado na chuva que caía no Centro de Niterói. Pelo contrário, parece que a chuva deu mais garra e motivos para o casal bailar. Julinho parecia que estava flutuando acima das poças e Rute mostrou graciosidade e força ao conduzir o pavilhão. Em cima de uma passada do samba, eles apontam um para o outro na passagem “é de arrepiar a nossa emoção”. Julinho cruza uma das pernas e vai até o chão, passo característico da dança do mestre-sala, e ela rodopia até parar no verso “sou Viradouro, sou paixão”, em uma sincronia perfeita com o samba. Uma coreografia leve e tradicional.

– Aqui a gente para as arestas, faz realmente o ensaio que já tinha perdido o intuito na Marquês de Sapucaí. Lá, a proporção era tão grande que não permitia mais errar. Pegamos o maior condicionamento e marcamos as cabines de jurados. Desde o primeiro dia que a gente veio para a rua que fazemos a coreografia dos jurados. Ao longo dos ensaios é normal a gente mudar uma coisa ou outra, mas é a base da coreografia dos jurados e acho isso ótimo porque quanto mais ensaio melhor – explicou a porta-bandeira.

– A responsabilidade em conseguir os 40 pontos é igual em qualquer circunstância. Independente da condição de estar no Grupo de Acesso, o nosso trabalho é sempre forte e com muita seriedade para trazer a nota máxima. Hoje, as escolas precisam se adaptar para uma nova realidade, e fazer daqui da Amaral Peixoto, ou lá do Barreto, o ensaio geral como fosse na Marquês de Sapucaí – contou o mestre-sala.

Harmonia e Samba

É impressionante ver a garra da comunidade de Niterói ao defender o samba. Zé Paulo, como sempre, foi para o meio do público e fez diferença alegrando e colocando para cima o canto da escola. No início do ensaio, ainda quando se entoava o esquenta, o microfone dele parecia baixo, não sendo perceptível ouvir sua voz em alguns momentos, mas depois o problema foi resolvido e o intérprete ficou tranquilo e conduziu com animação o samba, levantando o público e os componentes. Ponto positivo para o refrão da escola, que fez muito bem seu papel. O samba em nenhum momento deixou a desejar, parece que realmente era o que a escola queria, principalmente, nas alas à frente da bateria, que cantaram muito.

viradouro_ensaio_rua2018_0701-11Porém, a Viradouro deve ficar atenta para o canto na parte final do seu desfile, não porque o componente não esteja cantando, mas colocar em sequência: uma ala coreografada, o segundo casal, ala das crianças, uma ala inteira de mestres-salas e porta-bandeiras mirins, os compositores e da velha-guarda, tem-se a sensação que o canto caiu e que a escola esfriou, o que pode complicar o seu conjunto harmônico.

Ponto positivo para as alas: Ala dos Magos (Abertura) e Ala 12 que cantaram muito. Ponto Negativo para Ala 6, que deu trabalho para os diretores que pediam para eles cantarem o tempo inteiro, e Ala 08 (Ala dos Artistas) que em diversos momentos do samba, além de não cantar a letra, tascou um laiá-laiá.

– Espero que o samba tenha o efeito que tivemos no ano de 2014, quando ele aconteceu na Sapucaí e tivemos um grande impulso no desfile. Essa obra tem 2018 tem as mesmas características, funciona com a comunidade. Não vejo muita diferença do ensaio daqui para o da Sapucaí, porque lá também não tem o som original do dia do desfile. A questão é que lá é o palco principal. O mundo do samba está todo no Sambódromo e acaba tendo um grau comparativo maior com outras escolas – afirmou o intérprete Zé Paulo.

Evolução

viradouro_ensaio_rua2018_0701-8O ensaio da Viradouro fluiu bem, a escola fez seu recuo de bateria e não teve problemas no quesito evolução. Os componentes brincaram, apesar da chuva, principalmente, os das Alas 2 e 15, esta última que vinha coreografada com lanças nas mãos, já que no desfile estarão como um exército de baralhos. Suzy Brasil virá como Rainha de Copas, evoluía junto com a ala e sempre que podia gritava: “Cortem as Cabeças”, uma ala que chamará a atenção na Sapucaí. As baianas deram um show de evolução, parecia que as senhoras não estavam debaixo do temporal. Ponto positivo também para a evolução e samba no pé da ala de passista da Viradouro, mesmo com uma pequena coreografia, na maior parte do samba todos estavam sambando.

Bateria

viradouro_ensaio_rua2018_0701-9-jpegA bateria apresentou algumas bossas e coreografias: na virada do samba até a parte “brincar de Deus”, e em “além das estrelas da imensidão” até “ser ou não ser”, o que trouxe um diferencial bem positivo. Mas, o que deve chamar a atenção do público no dia do desfile é a parte do samba “Artista de uma escola de verdade, orgulho de ser comunidade, É de arrepiar, a nossa emoção”, porque a bateria prepara a paradinha que virá no verso: “Sou Viradouro, sou paixão”. Onde só ouve a voz da comunidade, fazendo com que o componente cante o refrão com grande empolgação; e não para por aí, no refrão principal quanto canta “pirou meu coração” a bateria para e o surdo faz a marcação como se fosse batidas de um coração.

– Caiu um pé d´água, mas gostei da nossa bateria. É um treino também, porque no dia pode chover, e aí a gente tem que passar por todas aquelas situações. Eu gostei muito do ensaio. Vamos desfilar com 260 ritmistas, estamos vindo com três paradinhas, em cima da melodia do samba, e tem uma estamos fazendo junto com canto da comunidade – disse mestre Maurão.

Outros Destaques

viradouro_ensaio_rua2018_0701-1-jpegA rainha da bateria Raíssa Machado deu um show de simpatia à frente da bateria, toda de vermelho e de pés descalços, ela evoluiu junto com a bateria, com o samba na ponta da língua, além de tocar chocalho, saudar e cumprimentar o público presente. A musa Lorena Improta também estava presente no ensaio da Vermelha e Branca e também mostrou simpatia, sambando em seu posto e também ao lado da rainha de bateria.

O presidente Marcelo Calil Petrus Filho, a vice-presidente Susie Bessil e o presidente de honra Marcelo Calil estavam de olho em todos os acontecimentos e o tempo todo dando toques à diretoria e harmonia, mas também aproveitaram o ensaio da Amaral Peixoto cantando muito o samba. Destaque também para as crianças e adolescentes da Viradouro que não estarão somente na ala 16, formada por crianças e pré-adolescentes. Mas, também por toda parte da escola: pode-se perceber na ala dos passitas, na bateria e até em uma ala de mestre-sala e porta-bandeira, que faz parte da escolinha que
acontece na própria escola.