Viradouro quer mostrar que também é diferente ao homenagear 60 anos do Salgueiro

 

 

A Unidos do Viradouro entregou na noite desta terça-feira, em sua quadra de ensaios, a sinopse do enredo para o Carnaval 2013. Para tentar voltar ao Grupo Especial, onde desfilou pela última vez em 2010, a escola de Niterói vai homenagear os 60 anos do Acadêmicos do Salgueiro, que serão completados no ano que vem. O responsável por desenvolver o tema é o carnavalesco Max Lopes que, além de ter tido passagem bem sucedida pela Viradouro no início da década de 90, trabalhou no Salgueiro no princípio de sua carreira e revelou ter mantido fortes laços com a escola durante um longo tempo.

A reunião com os compositores foi feita na sala da Velha Guarda da Viradouro, já que no mesmo momento a bateria começava seu ensaio. Ótimo lugar para os poetas viradourenses buscarem inspiração e colocar em prática na hora de compor o samba. O presidente da Viradouro, Gusttavo Clarão, multicampeão de samba-enredo no carnaval carioca, pediu um grande samba para driblar as adversidades financeiras de uma agremiação que não está no Grupo Especial.

– Precisamos da dedicação de vocês e de um grande samba. Este ano é muito importante termos um grande samba na estreia do Grupo Ouro. Essa é a melhor maneira de começarmos a preparação com o pé direito e termos um chão ainda mais forte no dia do desfile – disse ele aos compositores.

A entrega dos sambas concorrentes acontecerá num domingo dia 09 de setembro, a partir das 14h. Logo depois haverá a apresentação das obras inscritas, como é tradicional na escola. Antes disso, os compositores terão um encontro para tira-dúvidas com Max Lopes, que fez alguns pedidos durante o encontro.

– Precisamos de muita seriedade e vontade da parte de vocês. Para fazer a escola subir, temos que ter um grande samba. Vocês têm dois caminhos: a exaltação ou a descrição. Qualquer um desses pode fazer ganha-los essa disputa, mas precisamos seguir uma ordem que estou idealizando para o desfile.

A ordem, de acordo com o carnavalesco começa com a menção a Xangô, padroeiro da duas agremiações. Ele estará na abertura do desfile idealizada por Max Lopes. Outras citações também são indispensáveis na visão do artista, como o fato de o Salgueiro ter revelado diversos artistas para o carnaval e o final do desfile, quando a Viradouro mostrará o seu lado diferente. Max explicou como irá abordar isso na Avenida. Além disso, o samba também precisará citar o fato de o Salgueiro ter sido a primeira escola a levar enredos com temática afro para o carnaval.

– Enquanto estive aqui ( no início da década de 90) a Viradouro sempre se caracterizou por levar enredos diferentes para a Avenida. Temas fora do comum. Foi assim com os Ciganos (1992) e com Dercy Gonçalves (1991), por exemplo. A Dercy era uma mulher escrachada pelo Brasil inteiro e ninguém imaginava que uma escola teria coragem de falar da bela vida dela na Sapucaí.

Como a Viradouro será a última escola a desfilar na sexta-feira de carnaval, Max pediu também um samba leve, menos nostálgico que os escolhidos em sua passagem anterior pela escola.

– Gostaria que tivéssemos um samba com apelo popular. Bem no estilo do Salgueiro. Ele não pode ser pesado, em tom nostálgico, o Grupo de Acesso não tem essa característica. A melodia não precisa ser um primor, mas sim servir para um desfile solto e leve.

Ainda nesta segunda-feira, Max Lopes teve sua primeira reunião com os presidentes de alas comerciais para começar a definir a metodologia de trabalho.

Comente: