Vizinha Faladeira capricha nas alegorias em homenagem a Paulo Barros

Por André Coelho. Fotos: Allan Duffes

vizinha_desfile_2018_28A Vizinha Faladeira levou para a avenida o enredo “O Marquês numa viagem pioneira vê nascer um rei na Vizinha Faladeira. Paulo Barros, o DNA do carnaval” em homenagem ao carnavalesco da Vila Isabel. Em 40 minutos de desfile a escola mostrou um pouco da história do artista e exibiu alegorias que o próprio homenageado assinaria. Além das alegorias, destacou-se o desempenho do samba e do carro de som liderado por Marcelinho da Vizinha e Anderson Bala.

Comissão de frente

Foi provavelmente a comissão de frente mais original a passar pela avenida durante os desfiles da Série B. Batizada de “Repugnante inspiração”, a comissão tinha homens (muito bem) vestidos de baratas, que partiam de um tripé em forma de lixo, deslizando pelo chão graças a uma estrutura com rodinhas presa aos seus abdômens. Ótima ideia e ótima realização que impactaram e arrancaram aplausos dos presentes, mas que no entanto não deixaram clara a relação da encenação com o homenageado.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

vizinha_desfile_2018_13Jorge Vinícius e Laís Lúcia se apresentaram vestidos de homem de lata em referência à famosa história do Mágico de Oz. Na primeira o início parece ter sido de algum nervosismo ou ansiedade, pois os dois quase se esbarraram após um movimento em que ele passava por trás dela. Depois disso, tanto na continuação da primeira apresentação, quanto em toda a segunda, o bailado seguiu sem maiores contratempos, porém também sem grandes performances.

Harmonia

Os componentes da Vizinha Faladeira cantaram bem o samba e houve entrosamento com o carro de som. Alguns momentos de oscilação em que o canto caiu um pouco, porém logo foram resolvidos e a escola seguiu seu desfile sem maiores problemas no quesito.

Enredo

A princípio parece tarefa fácil contar a história de um personagem tão conhecido do grande público, principalmente o de carnaval. Entretanto não foi o que ocorreu. A abordagem escolhida tornou o entendimento difícil e a narrativa confusa. As fantasias até apresentavam boa leitura, porém, na grande maioria dos casos ficava a interrogação sobre qual a ligação daquele figurino com a história do personagem principal. Até mesmo a descrição das fantasias não era feita de forma clara e um detalhe chamou atenção. A velha guarda veio relembrando a profissão de comissário de bordo que Paulo exerceu antes de tornar-se carnavalesco, mas ocupava justamente a última ala.

vizinha_desfile_2018_05Evolução

Foi um quesito de altos e baixos para a Vizinha Faladeira, pois se no geral a escola desfilou num bom ritmo, sem embolar as alas e com componentes brinco ando, em alguns pontos houve espaços grandes que podem custar alguns décimos à escola. Abriu-se um espaço à frente da bateria entre o primeiro e o segundo módulos, depois, à frente do tripé do Michael Jackson, entre o segundo e o terceiro módulos, novamente um espaço grande se abriu. Com exceção desses dois momentos a evolução fluiu bem.

Samba

A obra da Vizinha Faladeira não é exatamente um grande samba, porém teve um rendimento bastante satisfatório fazendo com que o desfile fluísse bem, muito graças ao carro de som comandado por Marcelinho da Vizinha e Anderson Bala que cantaram muito bem e motivaram os componentes a entoar o samba.

vizinha_desfile_2018_66Fantasias

Conforme já dito em “Enredo”, a maioria tinha leitura ruim ou regular, entretanto quanto à concepção e à realização, as fantasias estavam muito boas, sem nenhuma soltar pedaços, sem desfazer, seguiram inteiras com facilidade até o final do desfile. Essa foi a tônica do desfile, sem alas que destoassem manteve um bom padrão de qualidade.

Alegorias

O ponto alto do desfile. Caprichadas, ricas em cores e detalhes e perfeitamente adequadas ao enredos. O abre-alas se não era tão vistoso, era muito bem feito, com ótimo acabamento e ainda permitia uma brincadeira dos componentes que entravam em uma porta e saíam por outra, além de trazer à sua frente o homenageado. O tripé do Egito era rico em detalhes e com cores vibrantes gerava um visual muito agradável. Por fim, o tripé do Michael Jackson trazia na frente a reprodução de um cemitério fazendo menção ao sucesso Thriller e na parte de cima um sósia do cantor fazendo uma performance. Em ambos os tripés foi possível perceber o capricho no trabalho de pintura que fez deu ainda mais vida às alegorias.

Outros destaques

A Vizinha Faladeira citou outras três coirmãs durante seu desfile: o Arranco, a Estácio de Sá e a Portela, todas escolas por onde Paulo Barros passou, mas curiosamente não citou a Unidos da Tijuca, escola onde Paulo passou mais tempo e ganhou mais títulos, preferindo abordar os carnavais em que Barros foi campeão com a escola.

Um comentário em “Vizinha Faladeira capricha nas alegorias em homenagem a Paulo Barros

Os comentários estão desativados.